Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Em evento, Trump pede voto a cristãos e fala brevemente sobre aborto

    Republicano chamou democratas de "extremistas radicais" e disse que podem até "executar bebês após o nascimento"

    Da Reuters

    Donald Trump pediu aos apoiadores religiosos para irem às urnas em um discurso a ativistas cristãos conservadores no sábado (22), mas mencionou apenas brevemente a questão politicamente sensível do aborto, um tópico de importância central para o grupo.

    Falando em um evento organizado pela Coalizão Fé e Liberdade em Washington, o ex-presidente reiterou sua posição de que as restrições ao aborto devem ser decididas pelos eleitores de cada estado.

    Essa posição contradiz a visão da maioria dos cristãos conservadores, e a relutância de Trump em defender ou até discutir regulamentações federais adicionais mostra o quão sensível o assunto se tornou para os Republicanos.

    Trump tem afirmado repetidamente que os Republicanos correm o risco de derrota eleitoral se adotarem uma linha muito rigorosa sobre os direitos ao aborto.

    O desempenho aquém do esperado do partido nas eleições de meio de mandato de 2022 foi amplamente atribuído à decisão da Suprema Corte naquele ano, que removeu a maioria das proteções constitucionais para o procedimento.

    Os comentários de Trump sobre o aborto pareceram receber uma recepção morna. Alguns na plateia começaram gritar “nenhum bebê morto!” enquanto ele discutia o tema. “Se os democratas extremistas radicais conseguirem o que querem, eles terão uma lei federal para o aborto, arrancando o bebê do útero nos sétimo, oitavo e nono meses e até executando o bebê após o nascimento”, disse o republicano.

    No entanto, não houve indicação de que a audiência, fortemente pró-Trump, apoiaria outro candidato à medida que se aproxima a revanche das eleições gerais em 5 de novembro contra o presidente democrata Joe Biden.

    Trump recebeu fortes aplausos ao discutir várias outras propostas, incluindo a eliminação do Departamento de Educação, medida apoiada por muitos cristãos conservadores que acusam o governo federal de atacar métodos de ensino baseados na fé.

    Em vários momentos durante seu discurso, Trump pediu aos cristãos que comparecessem às urnas em novembro, provocando gritos de “Vote!” da plateia. “Evangélicos e cristãos, vão à igreja todos os domingos, mas eles não votam”, disse o ex-presidente. “Temos que garantir que eles votem apenas dessa vez”, completou.

    Trump reivindicou o crédito por nomear três juízes conservadores para a Suprema Corte que ajudaram a derrubar a decisão Roe v. Wade há dois anos, eliminando o direito nacional ao aborto em um momento de triunfo para os conservadores.

    No entanto, Trump repetidamente afirmou que não apoiaria uma proibição federal ao aborto, preferindo deixar o assunto para cada um dos 50 estados.