Em acordo secreto com os EUA, Talibã escoltou americanos até aeroporto de Cabul

Membros do grupo levavam americanos a um 'portão secreto' no aeroporto 'várias vezes por dia', revelam membros da Defesa

Combatentes do Talibã na capital Cabul, Afeganistão
Combatentes do Talibã na capital Cabul, Afeganistão AP Photo/Khwaja Tawfiq Sediqi

Barbara Starrda CNN

Ouvir notícia

Os militares americanos negociaram um acordo secreto com o Talibã, que escoltou grupos de americanos que tentavam sair do Afeganistão até os portões do aeroporto de Cabul, afirmaram duas autoridades da Defesa dos EUA.

Um dos oficiais também revelou que as forças de operações especiais dos Estados Unidos estabeleceram um “portão secreto” no aeroporto, além de “call centers” para guiar os americanos pelo processo de evacuação.

As autoridades disseram que os americanos foram notificados para se reunirem em “pontos de encontro” pré-definidos próximos ao aeroporto, onde o Talibã verificaria suas credenciais e os levariam até um portão tripulado por forças americanas, que estavam aguardando para deixá-los entrar mesmo com multidões de afegãos procurando fugir.

As tropas americanas puderam ver os americanos se aproximar com suas escoltas talibãs, que na maioria dos casos tentavam garantir sua segurança.

As autoridades falaram na condição de anonimato devido à sensibilidade dos arranjos, que não foram revelados até agora porque os EUA estavam preocupados com a reação do Talibã a qualquer publicidade, bem como com a ameaça de ataques do Estado Islâmico-K se seus agentes tivessem percebido que os americanos estavam sendo escoltados em grupos, disseram as autoridades.

Durante toda a evacuação, funcionários da administração Biden enfatizaram que o Talibã estava cooperando, e altos funcionários declararam que se comprometeram a proporcionar uma “passagem segura” para os americanos.

As missões de escolta do Talibã aconteceram “várias vezes ao dia”, de acordo com um dos oficiais. Um dos principais pontos de encontro foi um prédio do Ministério do Interior, logo ao lado dos portões do aeroporto, onde forças americanas próximas puderam observar prontamente a aproximação dos americanos.

Os americanos foram notificados por várias mensagens sobre onde se reunir. “Funcionou, funcionou maravilhosamente”, disse um funcionário sobre a estratégia.

Desde segunda-feira, quando os EUA completaram sua retirada, mais de 122.000 pessoas haviam sido transportadas por via aérea do Aeroporto Internacional Hamid Karzai desde julho, e mais de 6.000 civis americanos haviam sido evacuados.

No entanto, 13 membros do serviço americano e mais de 170 afegãos foram mortos em uma explosão suicida no aeroporto na semana passada.

Não está claro se os talibãs que estavam verificando as credenciais durante esses esforços recusaram algum dos americanos. Houve inúmeros relatos de que alguns americanos com passaportes ou portadores do “green card” foram afastados dos postos de controle do Talibã perto do aeroporto.

“Call center” para evacuação

Em outro acordo secreto separado não revelado até o fim da operação, tropas do Comando Conjunto de Operações Especiais de elite e outras unidades de operações especiais também estavam em terra ajudando os americanos a escapar, contatando-os através de “call centers”, disse um dos oficiais.

As forças de operações especiais estabeleceram seu próprio “portão secreto” no aeroporto e, às vezes, estabeleciam comunicação direta com os americanos, dizendo-lhes exatamente onde caminhar para encontrar o portão e poder entrar no aeroporto.

O comandante do Frank McKenzie, do Comando Central dos EUA, revelou publicamente pela primeira vez o envolvimento das forças de operações especiais em uma entrevista coletiva na segunda-feira, dizendo que essas forças ajudaram a evacuar mais de 1.000 cidadãos americanos e mais de 2.000 afegãos “através de ligações telefônicas, vetores e escolta”.

As forças de operações especiais “se esforçaram para ajudar a trazer mais de 1.064 cidadãos americanos e 2.017 SIVs ou afegãos em risco, e 127 cidadãos de outros países, todos por meio de ligações telefônicas, vetores e escolta”, disse ele.

Mas, nos comentários públicos, McKenzie não especificou o envolvimento da JSOC que inclui forças que realizam as mais perigosas missões de combate ao terrorismo, tais como a Força Delta do Exército e os SEALS da Marinha.

Mais Recentes da CNN