Enfermeira cria financiamento coletivo para ajudar bebê que perdeu mãe para a Covid

Emily Robison morreu em 20 de setembro por causa da Covid-19, após lutar para sobreviver por mais de um mês. Apenas três semanas antes de sua morte, ela deu à luz uma menina que chamou de Carmen em homenagem à bisavó

Carmen Robison nasceu em uma cesariana de emergência, quase dois meses antes do previsto
Carmen Robison nasceu em uma cesariana de emergência, quase dois meses antes do previsto Reprodução/Arquivo Pessoal

Alaa Elassarda CNN

Ouvir notícia

Eric Robison nunca ficará sem palavras para descrever sua esposa.

Seu sorriso, sua risada, as caretas que ela fazia quando estava mal-humorada, a gentileza, a maneira como ela se sentia em casa.

Perdê-la fez o mundo parar, diz ele, como se a estrada que eles estavam percorrendo parasse em um beco sem saída, sem futuro à vista.

Emily Robison ainda não havia sido vacinada quando morreu em 20 de setembro por causa da Covid-19, após lutar para sobreviver por mais de um mês. Apenas três semanas antes de sua morte, ela deu à luz seu primeiro filho, uma menina que chamou de Carmen em homenagem à bisavó.

“Eu sabia que algo estava errado naquela noite”, disse Robinson à CNN, referindo-se às suas finais da esposa. “Eu podia sentir isso no meu peito. Parecia que Emily estava mais longe de mim do que ela já estava. No meu coração, parecia que ela estava muito fora de alcance.”

Ele acrescentou: “Mesmo que ela estivesse no hospital, sempre senti como se ela estivesse lá, segurando-se em mim. Mas, naquele momento, eu sabia que ela estava escapando”.

Enquanto ele discava para o hospital em seu telefone, recebeu uma ligação no mesmo instante, Robison disse, confirmando que o coração de sua esposa havia parado. Emily faleceu, deixando para trás entes queridos, incluindo seu marido e filha.

“Depois disso, eu era apenas uma alma perdida”, disse Robison.

Agora um pai solteiro, lamentando a perda de sua alma gêmea e se preparando para embarcar na jornada da paternidade sozinho, Robison não tinha certeza do que fazer.

Mas uma enfermeira o protegeu – assim como centenas de estranhos que ouviram sua história e enviaram suprimentos para bebês, materiais, presentes e doações para ajudá-lo durante a tragédia.

Uma mão amiga em tempos de necessidade

Ashlee Schwartz se lembra da primeira vez que viu Robison.

Ele estava sentado em frente ao quarto de hospital de sua esposa, separado por uma porta de vidro, apenas olhando para ela “claramente com o coração partido”, disse Schwartz.

Uma enfermeira da UTI do Mercy Hospital em Fort Smith, Arkansas – onde ela trabalhou por 10 anos – Schwartz tinha acabado de saber que a esposa de Robison, uma mulher grávida de 22 anos, havia sido intubada e colocada em aparelhos de suporte vital.

“A imagem ficará para sempre gravada na minha cabeça. Ele estava apenas olhando atordoado. Isso quebrou meu coração em pedaços”, disse ela à CNN.

“Especialmente como enfermeira de UTI, a realidade da vida com esse vírus é que a história de qualquer paciente pode muito bem ser a nossa própria história algum dia e eu pensei comigo mesma ‘E se fosse eu sentada nesta cadeira olhando para o quarto do meu marido?'”

O casal ainda não havia sido vacinado por causa da falta de informações sobre a interação entre o imunizante em mulheres grávidas.

Gestantes que desenvolvem sintomas de Covid-19 correm o risco de complicações de emergência e outros problemas com a gravidez, de acordo com dois novos estudos. E apenas a gravidez aumenta o risco de doenças graves e morte.

Mas, apesar dos riscos, as grávidas continuam sendo uma das populações que mais hesitam em vacinar nos Estados Unidos, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

Quando Robison pegou o vírus de alguém com quem trabalha, ele começou a se sentir melhor em dias, enquanto a saúde de Emily piorava rapidamente.

Ela foi hospitalizada com pneumonia por Covid-19 em 15 de agosto e colocada em aparelho de suporte à vida três dias depois, de acordo com Robison.

“Antes de colocá-la no respirador, eu disse a ela que a amava mais do que tudo no mundo”, disse ele. “Eu disse a ela algo que não deveria, prometi que ela voltaria para mim. Ela sussurrou que me amava e foi a última vez que falei com ela.”

Eric e Emily Robison fariam três anos de casados / Reprodução/Arquivo pessoal

Em 25 de agosto, o quadro de saúde de Emily piorou e as enfermeiras tiveram dificuldade para obter os batimentos cardíacos do bebê.

Naquele dia, Carmen Robison nasceu em uma cesariana de emergência, quase dois meses antes do previsto.

Depois de descobrir que o bebê havia nascido, a enfermeira postou no Facebook perguntando aos colegas de trabalho e amigos se queriam comprar um presente para os novos pais.

“Liguei para Eric e perguntei se ele e Emily tinham um registro de bebê e ele não sabia o que era um registro”, contou Schwartz, referindo-se à lista virtual na qual os pais do bebê informam sobre presentes que gostariam de receber.

Ele disse que tudo que eles tinham para Carmen eram roupas. Como Emily estava lutando por sua vida, eu apenas me senti chamado e um sentimento da responsabilidade de garantir que esse bebê tivesse tudo de que precisava”, disse Schwartz.

“Tudo que eu conseguia imaginar era Emily voltando para casa depois de passar meses no hospital e não ter muito de nada para Carmen e se perguntando ‘Por que alguém não me ajudou?'”

A enfermeira criou um registro de bebês na Amazon, Babylist e Target, e lançou um financiamento coletivo na platadorma GoFundMe para a família, que até agora arrecadou mais de US $ 16.000.

Mais de 200 pessoas contribuíram com presentes e mais de 300 outras doaram dinheiro para o GoFundMe.

“Nunca teria imaginado que presentes começariam a chegar de todo o Arkansas e do resto do país”, disse Robison. “É agridoce, porque eu queria que Emily ainda estivesse viva para ver isso. Mas não ter que me preocupar com Carmen sendo cuidada é uma coisa a menos para resolver agora.”

A bebê Carmen deve voltar para casa com seu pai na segunda-feira, depois de passar dois meses no hospital devido a problemas refluxos com sua alimentação, um problema comum em muitos bebês prematuros.

“Estou muito grato por todos que ajudaram, mesmo aqueles que me enviaram mensagens dizendo que não podiam me dar dinheiro, mas orariam por mim. Isso é perfeito para mim”, disse Robison. “Eu sei que Emily está assistindo agora mesmo a chorar de felicidade. Ela sempre quis ser mãe.”

Schwartz fez duas fotos, com a permissão de Robison, das impressões das mãos de Emily. Quando Carmen tiver alta, as impressões de suas mãos serão colocadas em cima das de Emily. “Ela terá para sempre uma lembrança de sua mãe”, disse Schwartz.

“Ela ainda estaria aqui se levássemos isso a sério”

O sábado teria marcado o aniversário de quatro anos de Emily e Robison e três anos desde que se casaram.

O casal se conheceu no Facebook, onde imediatamente se conectaram e conversaram por ligações todos os dias durante horas. Em um mês, eles foram morar juntos e se tornaram inseparáveis.

Em outubro de 2018, se casaram. O sonho de encontrar sua pessoa para sempre havia se tornado realidade, ele disse, e ele não planejava deixá-la ir.

“Ela era como uma versão feminina do Jim Carrey. Ela era extremamente boba e engraçada, extremamente fofa”, disse Robison. “Onde quer que eu estivesse com ela, eu estava em casa. É como sempre me senti com ela, mesmo quando estávamos chegando ao fundo do poço.”

Quando Robison fecha os olhos, tudo o que consegue ouvir é o intercomunicador do hospital berrando “código azul para o quarto 22” incontáveis vezes, momentos antes de perder a esposa. O código azul é o código de emergência do hospital.

“Aquele som do monitor cardíaco enquanto a estão empurrando, tentando trazê-la de volta, aquele som toca em meu pesadelo todas as noites desde então”, disse ele.

“Eu tive que estar na roupa especial contra Covid para vê-la, depois que ela morreu ,porque ela estava muito doente, o que me impediria de beijá-la. Eu não me importei. No momento em que fecharam as cortinas, arranquei a máscara facial e beijei. Eu disse a ela que a amava e que sentia muito por não ter me esforçado mais.”

Agora, Robison só deseja que sua esposa estivesse vacinada, uma mensagem que ele quer enviar a todos que ainda não receberam a vacina.

“É uma dor diferente de qualquer coisa que eu já senti na minha vida, sentado lá olhando para minha esposa, morta em uma cama, segurando sua mão e vendo a cor de seu rosto”, disse ele. “Se vacine. É muito sério. Ela ainda estaria aqui se levássemos a sério.”

(Texto traduzido. Leia o original aqui)

Tópicos

Mais Recentes da CNN