Equador endurece controle de circulação de pessoas em Quito para frear Covid-19

Presidente Lenín Moreno pede que população siga as orientações de saúde do governo

Lenín Moreno, presidente do Equador
Lenín Moreno, presidente do Equador Foto: César Muñoz - 09.fev.2017 / Andes

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O presidente do Equador, Lenín Moreno, anunciou mais medidas de controle para a capital, Quito, em razão da pandemia do novo coronavírus. Ele voltou a pedir que a população siga as orientações de saúde do governo, como manter o distanciamento social e hábitos de higiene.

Em um discurso feito nas redes sociais na segunda-feira (29), Moreno anunciou “mais controle na circulação” de pessoas em quatro áreas de Quito: centro histórico da capital, Panecillo, Chilibulo e La Ecuatoriana.

O presidente também anunciou “melhor e maior controle” de vendas informais (ambulantes) e melhorias na capacidade dos serviços e saúde. Na segunda, o Ministério da Saúde do país registrou um total de 55.255 casos de Covid-19, e o total de mortos está em 4.429.

Assista e leia também:

Governo do Equador retira quase 800 corpos de casas em Guayaquil

COVID-19: Presidente do Equador reduz o próprio salário em 50% durante pandemia

Equador: governo demite servidor que pedia dinheiro para liberar corpos

Moreno disse aos equatorianos que, após mais de três meses de combate à pandemia, nenhuma medida é suficiente se os cidadãos não fizerem a sua parte. Ele também afirmou que durante os primeiros 15 dias de junho, cerca de 1,2 mil festas e eventos sociais foram interrompidos pela polícia do país e 106 mil pessoas foram multadas por violar o toque de recolher. 

O presidente pediu mais uma vez que os equatorianos usem máscaras, mantenham o distanciamento social e lavem as mãos frequentemente. “Não podemos designar um policial para cada cidadão”, disse ele.

“Mesmo que você tenha apresentado sintomas, ainda que leves, e se sente bem semanas depois, ainda pode transmitir o vírus para seus pais e avós”, acrescentou Moreno.

(Com informações de Claudia Rebaza, da CNN, em Atlanta)

Mais Recentes da CNN