Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Essencial ou dispensável? Entenda o papel da União Soviética na 2ª Guerra Mundial

    Contra-ataque soviético contra as forças alemãs foi importante para ampliar pressão sobre Hitler e capturar Berlim

    Bandeira da Uni]ao SOviética sobre o Reichstag, prédio do parlamento alemão, em 1945
    Bandeira da Uni]ao SOviética sobre o Reichstag, prédio do parlamento alemão, em 1945 Yevgeny Khaldei

    Germán Padingerda CNN

    Passaram quase quatro longos anos de destruição e morte como o mundo nunca tinha visto antes que as tropas da União Soviética finalmente conquistassem Berlim, encerrando a Segunda Guerra Mundial na Europa.

    A União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) foi invadida pela Alemanha nazista em 22 de junho de 1941 , e logo depois começou a coordenar seus esforços com os aliados ocidentais – liderados pelos Estados Unidos e Reino Unido – para conter o avanço alemão e depois contra-atacar.

    Esse mesmo ano também marcou a entrada dos Estados Unidos na guerra, após o ataque japonês à base de Pearl Harbor em 7 de dezembro.

    Assim, 1941 foi o ano de entrada na guerra das principais potências. Mas para tantos outros países, da Alemanha, que realizou a primeira agressão, à Polônia, França, Noruega, Reino Unido e muitos outros, a guerra havia começado em setembro de 1939.

    Este é um olhar sobre o papel que a União Soviética desempenhou na Segunda Guerra Mundial, incluindo as principais batalhas em que participou e as enormes perdas que sofreu e infligiu aos alemães, um papel que é lembrado todos os anos pela Rússia em seu desfile do “Dia da Vitória”.

    Os primeiros anos da guerra

    Quando os tanques alemães cruzaram a fronteira para invadir a Polônia em 1º de setembro de 1939, França e Reino Unido declararam guerra à Alemanha.

    A URSS não. Não tinha compromissos com a Polônia e mantinha uma relação estável com a Alemanha nazista, com a qual havia assinado um pacto de não agressão (o Ribbentrop-Molotov) apenas um mês antes. E assim, em 17 de setembro, Moscou também ordenou a invasão da Polônia, do lado leste.

    A Alemanha e a URSS dividiram o território polonês após suas respectivas vitórias — cerca de 22 mil prisioneiros poloneses seriam mortos anos depois em Katyn, na Rússia –, e em novembro os soviéticos atacaram a Finlândia, dando início à Guerra de Inverno.

    Ministros das Relações Exteriores de Alemanha e URSS, Ribbentrop e Molotov, assinam acordo, com Stalin ao fundo / Wikimedia Commons

    Durante esses primeiros anos, Moscou realizou suas próprias campanhas militares sob a sombra das vitórias alemãs no oeste, o que levou à queda da Dinamarca, Luxemburgo, Noruega, Holanda e França em 1940 ao controle nazista.

    Operação Barbarossa

    Mas a coordenação de interesses não significava que Alemanha e URSS fossem aliadas.

    Em 22 de junho de 1941, quando o ditador Adolf Hitler já havia consolidado seu controle sobre a Europa Ocidental – com exceção do Reino Unido -, a Alemanha desencadeou a Operação Barbarossa, a invasão da União Soviética.

    Cerca de três milhões de alemães e seus aliados participaram do ataque à URSS, comandada por Josef Stalin. As tropas invasoras atacaram com três grupos de exércitos, com o objetivo de capturar Leningrado, Kiev e Moscou.

    Eles estavam muito confiantes após seus rápidos sucessos na Polônia e na França, e as forças alemãs tentaram replicar suas novidades táticas, como o uso combinado de tanques, infantaria motorizada e aeronaves em grandes manobras – já conhecidas pelo nome de Blitzkrieg na época.

    E enquanto tiveram sucessos iniciais, a tenacidade dos defensores soviéticos, a escala inevitável das distâncias e dos combates, e as pressões nas linhas logísticas dificultaram o progresso.

    Atrasados ​​em seus objetivos e com o rigoroso inverno russo chegando, as tropas alemãs e seus aliados tomaram Kiev e cercaram Leningrado, mas uma poderosa contra-ofensiva soviética os deteve a 80 km de Moscou.

    Relacionamento com aliados ocidentais

    A URSS não lutou sozinha. O Reino Unido lutava contra os alemães desde 1940, infligindo sua primeira derrota naquele ano na Batalha da Grã-Bretanha. E em dezembro, quase seis meses depois de Barbarossa, os Estados Unidos entraram na luta.

    Winston Churchill, Franklin Roosevelt e Josef Stalin na Conferência de Yalta / Reprodução

    Durante a Operação Barbarossa e os primeiros anos de luta contra a Alemanha, a URSS recebeu enormes quantidades de equipamentos militares, recursos e alimentos do Reino Unido e dos Estados Unidos por meio do Lend-Lease Act, iniciativa americana para fornecer ajuda militar aos aliados que começou antes mesmo de sua entrada na guerra.

    Essa ajuda, que incluía tanques, aviões de combate e caminhões, além de alimentos e combustível, foi vital para a sobrevivência da URSS nos primeiros anos de sucesso alemão, como o ex-general e líder soviético Nikita Khruschev lembrou em suas memórias.

    E além desse auxílio, os Estados Unidos e o Reino Unido pressionaram a Alemanha do oeste através de suas campanhas navais no Atlântico, campanhas aéreas sobre a Alemanha e, finalmente, campanhas terrestres na Itália – aliada da Alemanha – e na França ocupada.

    Essa coordenação foi concebida nas duas cúpulas realizadas por líderes dos Estados Unidos, Reino Unido e União Soviética durante a guerra, realizadas em Teerã (1943) e Yalta (1945).

    Contra-ataque e captura de Berlim

    A primeira grande vitória soviética da guerra ocorreu em Stalingrado, quando no início de 1943 o ataque alemão no sul foi interrompido, contido e destruído. O que restava do 6º Exército alemão rendeu-se aos soviéticos depois de sofrer cerca de 70 mil mortes em três meses de combates brutais.

    Os alemães recuperaram a iniciativa e atacaram novamente em Kursk em julho de 1943, no que é frequentemente descrito como a maior batalha de tanques da história. E novamente foram derrotados, ainda com enormes perdas para os soviéticos.

    Desde então, a contra-ofensiva da URSS foi imparável, e os nomes de generais como Gyorgy Zhukov, Ivan Konev, Aleksandr Vasilevsky e Konstantin Rokossovsky ganharam enorme fama.

    Tanques alemães destruídos na Operação Baggration / Reprodução

    A URSS obteve grandes vitórias em todas as frentes e, após a Operação Bagration em 1944, que destruiu o Centro do Grupo de Exércitos na Alemanha, seu avanço sobre a atual Polônia, Ucrânia, Hungria e os países bálticos foi constante – e marcado por tremendas perdas humanas. em ambos os lados – e colocou a própria Berlim sob cerco.

    Enquanto isso, Estados Unidos e Reino Unido também avançavam dentro da Alemanha depois de libertar a França em 1944. Em 25 de abril de 1945, as forças aliadas e soviéticas se encontraram no rio Elba, no coração da Alemanha, enquanto a batalha por Berlim continuava.

    Nesse combate surgiu uma das imagens mais emblemáticas do século XX e um símbolo universalmente reconhecido do poder militar soviético: um grupo de soldados do Exército Vermelho levantou a bandeira da URSS no telhado do Reichstag, o parlamento alemão em Berlim, sinalizando a vitória sobre a Alemanha nazista.

    A URSS acabara de conquistar a capital alemã e encerrar a Segunda Guerra Mundial na Europa, em um esforço coordenado com seus aliados.

    O custo foi terrível: cerca de 7,5 milhões de mortos em suas forças militares, além de um número incontável de civis, incluindo 2,5 milhões de judeus vivendo em territórios pertencentes ou controlados pela URSS e que foram mortos pelos nazistas, segundo estimativas do Yad Vashem World Shoah Commemoration Center.

    Último ato no Pacífico

    Os soviéticos ainda teriam mais um papel a desempenhar na Segunda Guerra Mundial, embora menor em comparação com a tarefa titânica na Europa. Em agosto de 1945 lançaram a invasão da Manchúria (China) ocupada pelo Império do Japão, um dos principais aliados da Alemanha e ainda invicto.

    As tropas soviéticas, que já haviam travado um conflito com o país em 1939, conseguiram avançar contra um Japão enfraquecido, encurralado pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido desde 1941 e que acabava de ser bombardeado com as duas primeiras bombas atômicas. em Hiroshima e Nagasaki.

    O ataque soviético, que avançou inclusive para o território da Coreia e das Ilhas Curilas, também controladas pelo Japão, constituiu mais uma fonte de pressão para Tóquio, que assinou a rendição incondicional em 2 de setembro de 1945.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original