Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Estados Unidos autorizam início do uso emergencial da vacina da Moderna

    Decisão do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) permite que segundo imunizante seja aplicado já a partir desta segunda-feira (21)

    Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo



     

    O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos aprovou o início do uso emergencial da vacina contra a Covid-19 produzida pela farmacêutica Moderna no país. O imunizante é o segundo aprovado para distribuição no país.

    Em nota, o CDC informou que com uma segunda vacina aprovada para uso no país, o Comitê Consultivo de Práticas de Imunização (ACIP, na sigla em inglês) vai orientar novos grupos a começarem a ser vacinados.

    Um total de 6 milhões de doses da vacina da Moderna começa a ser enviado a 3.700 postos de imunizante ainda neste domingo (20). A expectativa é que a vacinação com o segundo imunizante aprovado comece já nesta segunda-feira (21).

    Assista e leia também:

    O que sabemos sobre a vacina da Moderna e como ela difere da vacina da Pfizer

    OMS: Nova variante da Covid-19 foi detectada na Dinamarca, Holanda e Austrália

    Reino Unido diz que mutação do novo coronavírus está ‘fora de controle’

    Os Estados Unidos já iniciaram a vacinação contra a Covid-19 no país, utilizando o imunizante produzido pela Pfizer e pela BioNTech. Entre os imunizados, o vice-presidente do país, Mike Pence

    O diferencial da vacina da Moderna é não necessitar de congeladores super potentes, como é o caso do imunizante Pfizer/BioNTech. A expectativa é que a vacina recém-aprovada seja direcionada para locais onde essa infraestrutura não está disponível, fora dos grandes centros e em postos de saúde regionais.

    Moderna e Pfizer: Semelhanças e diferenças

    Assim como a vacina da Pfizer, a da Moderna é feita usando o RNA mensageiro, ou mRNA, que é uma receita genética para fazer um pedaço dos espinhos que caracterizam o aspecto externo do coronavírus.

    Uma vez injetado, o sistema imunológico da pessoa vacina produz anticorpos contra os espinhos. Se uma pessoa vacinada for exposta posteriormente ao coronavírus, esses anticorpos devem estar prontos para atacar o vírus.

    Mas existem algumas diferenças importantes. A mais crucial é que a vacina da Moderna pode ser armazenada em freezers normais e não requer uma rede de transporte superfria, tornando-a mais acessível para instalações menores e comunidades locais.

    Destaques do CNN Brasil Business

    Classe premium economy no avião: saiba o que é, quanto custa e se vale a pena

    Por que a Adidas quer vender a Reebok após 15 anos?

    Paulo Guedes: ‘Encurtei, não cancelei as férias’

    Tanto a vacina da Moderna quanto a da Pfizer-BioNTech mostraram níveis de eficácia semelhantes e expressivos, de quase 95%.

    “Elas parecem ser mais ou menos equivalentes”, afirmou o doutor Paul Offit, membro do comitê consultivo de vacinas da FDA, durante uma aparição no programa New Day da CNN norte-americana na terça-feira (15).

    A vacina da Moderna é administrada em duas doses de 100 microgramas aplicadas com 28 dias de intervalo. A vacina da Pfizer é administrada em duas doses de 30 microgramas, aplicadas com 21 dias de intervalo.

    Vacina contra Covid-19 da Moderna
    Vacina contra Covid-19 da Moderna
    Foto: Adriana Toffetti/A7 Press/Estadão Conteúdo (15.dez.2020)