Estônia está pronta para deixar de importar gás russo já em 2022, diz ministra

País se uniu à Finlândia para arrendar um terminal flutuante de gás natural liquefeito, que permitirá independência energética da Rússia

Instalações de gasoduto na Rússia em setembro de 2021
Instalações de gasoduto na Rússia em setembro de 2021 Reprodução /Nord Stream 2 / Nikolai Ryutin

Livvy DohertyChris Liakosda CNN

Londres

Ouvir notícia

A Estônia quer acabar com sua dependência do gás russo “neste ano”, disse a ministra das Relações Exteriores Eva-Maria Liimets à CNN, nesta quinta-feira (7).

As imagens dos assassinatos de civis de Bucha “mudou a opinião pública em nossas sociedades e, por causa disso, avançamos rapidamente com essas decisões para acabar com os fluxos financeiros para a Rússia“, disse Liimets.

O governo disse que, a princípio, tomou a decisão de que a Estônia deixaria de importar gás russo neste ano. O Ministério de Assuntos Econômicos e Comunicações do país anunciou nesta quinta-feira (7) que Estônia e Finlândia concordaram em um arrendamento conjunto de um terminal flutuante de gás natural liquefeito (GNL), garantindo o fornecimento para ambos os países sem depender da Rússia.

A ministra das Relações Exteriores disse ser “lamentável” ver que a União Europeia pagou € 35 bilhões pela energia russa desde o início da guerra, chamando esses gastos de “desproporcionalmente grande” em comparação com o apoio financeiro dado à Ucrânia.

“O fornecimento de gás natural para a Estônia e a Finlândia depende muito da Rússia e, devido aos tempos incertos que estamos enfrentando, isso significa que temos que nos resguardar e fazer preparativos para ficar sem o gás russo completamente”, disse o Ministro de Assuntos Econômicos e Infraestrutura da Estônia, Taavi Aas, em comunicado.

Destacando a necessidade de tal acordo, o comunicado disse que “o consumo de quase meio ano não estaria coberto se as linhas de abastecimento fossem cortadas”.

O terminal flutuante está planejado para estar pronto no outono, no final de setembro.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN