Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    EUA acusam chineses de disseminar desinformações; China rebate afirmação americana

    Relatório dos EUA alega que China gasta milhares de milhões de dólares por ano na manipulação de informação estrangeira

    Xi Jinping disse que tem “ampliado significativamente” os esforços para “moldar o ambiente de informação global”
    Xi Jinping disse que tem “ampliado significativamente” os esforços para “moldar o ambiente de informação global” 16/11/2022

    Mengchen ZhangTeele RebaneHeather Chenda CNN

    O Departamento de Estado dos Estados Unidos divulgou um relatório acusando o governo chinês de expandir os esforços de desinformação. A China rebateu dizendo que essa informação é “a própria desinformação”, afirmou no sábado (30) o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Pequim.

    A pasta reagiu após o governo americano ter divulgado nesta semana um relatório impressionante no qual acusava o governo chinês de expandir os esforços para controlar a informação e disseminar propaganda e desinformação que promovem o “autoritarismo digital” na China e em todo o mundo.

    O relatório dos EUA, divulgado na quinta-feira (28) pelo Centro de Engajamento Global, alegou que a China gasta milhares de milhões de dólares por ano na manipulação de informação estrangeira e alertou que o líder chinês Xi Jinping tinha “ampliado significativamente” os esforços para “moldar o ambiente de informação global”.

    Também destacou as preocupações dos EUA sobre a China como principal concorrente militar e principal rival na batalha pelas ideias e pela desinformação global.

    Dois dias depois, a China reagiu.

    “O centro relevante do Departamento de Estado dos EUA que elaborou o relatório está envolvido em propaganda e infiltração em nome do ‘engajamento global’ — é uma fonte de desinformação e o centro de comando da ‘guerra de percepção’”, disse o ministério no sábado.

    Referindo-se às guerras no Iraque e na Síria, bem como aos relatórios dos EUA alegando abusos dos direitos humanos em Xinjiang, na China, como exemplos, o ministério afirmou que os EUA são “um ‘império de mentiras’ por completo”.

    “Não importa o quanto os EUA tentem atribuir o rótulo de desinformação a outros países, cada vez mais pessoas no mundo já perceberam a feia tentativa dos EUA de perpetuar a sua supremacia, tecendo mentiras nas ‘roupas novas do imperador’ e difamando os outros”, completou o ministério chinês.

    Veja também: China confirma ausência de Xi Jinping no G20 em meio a tensões com a Índia