EUA: ex-policiais são considerados culpados por violar direitos civis de George Floyd

Os três homens permanecem livres sob fiança e devem iniciar os procedimentos de pré-sentença na próxima semana

Hennepin County Sherriff's office

Julia JonesChristina Maxourisda CNN

Ouvir notícia

Os ex-policiais de Minneapolis Tou Thao, J. Alexander Kueng e Thomas Lane foram considerados culpados de violar os direitos civis de George Floyd por um júri federal em St. Paul, no estado norte-americano de Minnesota, nesta quinta-feira (24).

Os 12 jurados – quatro homens e oito mulheres – consideraram Lane, Kueng e Thao culpados de privar Floyd de seus direitos civis, mostrando indiferença deliberada às suas necessidades médicas quando o ex-policial de Minneapolis Derek Chauvin se ajoelhou sobre Floyd por mais de 9 minutos, em 25 de maio de 2020, causando sua morte.

Os jurados também consideraram Thao e Kueng culpados de uma acusação adicional por não terem intervindo para parar Chauvin. Lane, que não enfrentou a acusação extra, testemunhou que pediu duas vezes a Chauvin para reposicionar Floyd enquanto o restringia, mas teve o pedido negado nas duas vezes.

Violar os direitos civis de uma pessoa “é punível com prisão perpétua ou pena de morte, dependendo das circunstâncias do crime e da lesão resultante, se houver”, de acordo com o Departamento de Justiça. As diretrizes federais de condenação sugerem que os policiais podem receber uma sentença menor.

Os três homens permanecem livres sob fiança e devem iniciar os procedimentos de pré-sentença na próxima semana.

As acusações resultaram das ações dos policiais – ou da falta delas – quando Chauvin pressionou o joelho no pescoço e nas costas de Floyd, que estava algemado e deitado de bruços na calçada. Kueng e Lane, ambos oficiais novatos, seguraram o torso e as pernas de Floyd, respectivamente, enquanto Thao ficou por perto e manteve uma multidão de curiosos afastados.

“Isso é apenas responsabilidade, nunca pode ser justiça porque nunca poderei recuperar George”, disse o irmão de Floyd, Philonise Floyd, em entrevista coletiva na noite de quinta-feira.

O caso rapidamente chamou a atenção do país há dois anos, quando o vídeo de um espectador mostrou Chauvin ajoelhado no pescoço de Floyd enquanto o negro de 46 anos alegava que não conseguia respirar. As últimas palavras de Floyd se tornaram um grito de guerra durante um verão de protestos globais contra a brutalidade policial e a injustiça racial.

“Hoje encerra outro capítulo importante em nossa jornada pela justiça para George Floyd e sua família”, disse a equipe jurídica de Floyd, incluindo o advogado Ben Crump, em comunicado após o veredicto na quinta-feira.

Eles acrescentaram que os veredictos devem servir como um exemplo de por que os departamentos de polícia “devem expandir e priorizar a instrução sobre o dever de um policial de intervir e reconhecer quando um colega está usando força excessiva”.

George Floyd e Derek Chauvin
George Floyd e Derek Chauvin / Foto: Reprodução

O procurador-geral Merrick Garland disse que o veredicto “reconhece que dois policiais violaram a Constituição ao não intervir para impedir outro policial de matar George Floyd, e três policiais violaram a Constituição ao não fornecer ajuda a Floyd a tempo de evitar sua morte”, afirmou em comunicado divulgado na quinta-feira.

“George Floyd deveria estar vivo hoje”, acrescentou Garland.

Chauvin foi condenado no ano passado por assassinato e homicídio culposo em um julgamento estadual e foi sentenciado a mais de 22 anos de prisão. Lane, Kueng e Thao enfrentarão um julgamento estadual em junho sob a acusação de cumplicidade no assassinato, que foi adiado para que o processo federal pudesse ocorrer primeiro.

Eles se declararam inocentes dessas acusações.

“Esperamos que esses policiais sejam novamente responsabilizados por sua falta de humanidade”, disse a equipe jurídica do Floyd em comunicado na quinta-feira.

Como parte de um acordo de confissão, Chauvin se declarou culpado em dezembro das acusações federais de direitos civis relacionadas à morte de Floyd e à contenção de um adolescente em um incidente separado. Ele agora enfrenta entre 20 e 25 anos de prisão. Os promotores solicitaram que ele fosse condenado a 25 anos de prisão, a ser cumprido simultaneamente com a sentença de seu julgamento estadual.

O que os promotores tiveram que provar

No início das deliberações, o juiz instruiu os jurados que, para considerar os três policiais culpados de violar os direitos de Floyd, eles teriam que descobrir que Floyd tinha “uma necessidade médica objetivamente séria”, que os réus sabiam disso e desconsideravam essa necessidade “ao falhar” e tomar medidas razoáveis ​​para resolvê-lo.”

“Para descobrir que qualquer réu não interveio em violação da Constituição, você deve descobrir que o réu viu Derek Chauvin usar a força, que o réu reconheceu que o uso da força não era razoável, que o réu teve uma oportunidade realista de impedir mais danos ocorram, e que o réu optou por não fazê-lo”, diziam as instruções.

Os promotores argumentaram no julgamento que Floyd poderia ter sobrevivido à prisão, mas que os três policiais, apesar de saberem a quantidade de força que estava sendo usada, optaram por não intervir e salvar a vida de Floyd, pois ele reclamava repetidamente que não conseguia respirar.

“Não foi um uso de força em frações de segundo como um tiro”, disse o procurador-adjunto dos EUA Manda Sertich durante os argumentos finais, referindo-se à acusação extra de Thao e Kueng de não intervir para impedir Chauvin. “Nem 30 segundos, nem um minuto, vários minutos – 569 segundos.”

Os advogados de defesa dos policiais argumentaram que seus clientes não deixaram de ajudar Floyd deliberadamente, com o advogado de Thao dizendo nos argumentos finais que “só porque algo tem um final trágico não significa que seja um crime”.

Os advogados de Kueng e Lane apontaram que seus clientes tinham treinamento insuficiente e eram subordinados a Chauvin, que era um veterano de longa data da força. “Não precisamos de comandantes para nos dizer que, se alguém tem superioridade sobre você, você deve ouvi-lo”, disse o advogado de Lane, Earl Gray, ao tribunal na terça-feira. “É bom senso.”

“Eles não tinham a intenção de prejudicar o Sr. Floyd”, rebateu a procuradora assistente dos EUA LeeAnn Bell durante seu argumento de refutação na terça-feira. “Eles só precisavam saber que poderiam tomar certas ações sob a lei e não o fizeram.”

Os jurados deliberaram por cerca de 13 horas ao longo de dois dias antes de chegar ao veredicto.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN