Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Filipinas ordena fechamento do site de notícias Rappler, diz fundadora Maria Ressa

    CEO diz que vai apelar da decisão, afirmando que procedimentos foram irregulares

    Jornalista ganhadora do Nobel da Paz Maria Ressa
    Jornalista ganhadora do Nobel da Paz Maria Ressa 09/12/2021NTB/Torstein Boe via Reuters

    Philip WangHelen Reganda CNN

    Ouvir notícia

    A jornalista e vencedora do Nobel da Paz, Maria Ressa, disse na terça-feira (28) que o governo filipino ordenou o fechamento de sua organização de notícias Rappler.

    Ressa, CEO e fundadora da Rappler, divulgou um comunicado durante a Conferência Internacional de Mídia do Centro Leste-Oeste em Honolulu, nos Estados Unidos, dizendo que a Philippine Securities and Exchange Commission (PSEC) manteve sua decisão anterior de revogar a licença de operação do site de notícias.

    Ex-chefe do escritório da CNN e Personalidade do Ano da TIME, Ressa disse que a equipe vai apelar dessa decisão, “especialmente porque os procedimentos foram altamente irregulares”.

    “O que isso significa? Temos recursos legais existentes até o mais alto tribunal do país. É um negócio normal para nós, pois, em nossa opinião, isso não é imediatamente executório sem a aprovação do tribunal”, escreveu Ressa em um comunicado interno à equipe do Rappler.

    Ressa foi envolvida em batalhas legais nos últimos anos e disse que se tornou um alvo por causa dos relatórios críticos de seu site de notícias sobre o governo do presidente Rodrigo Duterte.

    Em janeiro de 2018, a PSEC revogou o registro do Rappler por suposta violação das regras de propriedade estrangeira. A redação continuou a funcionar apesar da revogação.

    A PSEC alegou que a empresa-mãe do Rappler “criou intencionalmente um esquema elaborado” para cobrir um investimento de uma fonte estrangeira e que a organização é uma “entidade de mídia de massa que vendeu o controle a estrangeiros”.

    Constitucionalmente, as empresas de mídia de massa nas Filipinas estão proibidas de serem de propriedade estrangeira.

    O investimento em questão veio da Omidyar Network, um veículo de investimento criado pelo fundador e empresário do eBay, Pierre Omidyar, disse Rappler na época.

    O Rappler negou a propriedade estrangeira e disse que o Philippine Depositary Receipt (PDR), um instrumento financeiro que rege o investimento da Omidyar, não deu à rede nenhum controle sobre a empresa. Ele disse que o acordo foi aceito pela PSEC em 2015.

    A CNN entrou em contato com a PSEC e a Embaixada das Filipinas nos Estados Unidos, mas ainda não obteve resposta.

    Em uma ordem divulgada na quarta-feira, a PSEC filipina “afirmou e reiterou sua descoberta anterior” de 2018 de que o Rappler é uma “entidade de mídia de massa” e concedeu o controle a uma entidade estrangeira “através do Philippine Depositary Receipt emitido para a Omidyar Network”.

    “O Rappler e o RHC deliberadamente violaram a Constituição… quando concederam o controle de Omidyar”, dizia a ordem. “Considerando a gravidade da infração, e que não foi menos a Constituição que foi violada, esta comissão considera e assim sustenta que a pena de revogação … deve ser afirmada e mantida.”

    A decisão vem um dia antes de Duterte deixar o cargo e o novo presidente Ferdinand Marcos Jr. assumir a presidência filipina em 30 de junho. Grupos de mídia pediram a Marcos, filho do ex-ditador Ferdinand Marcos Sr., para proteger a liberdade de imprensa no país, mas alguns observadores expressaram preocupação com sua relação com a imprensa.

    Em uma entrevista coletiva na quarta-feira, Ressa disse que o Rappler foi assediado repetidamente nos últimos seis anos e “nosso objetivo é continuar mantendo a linha”.

    “Isso é intimidação. São táticas políticas. Nós nos recusamos a sucumbir a elas”, disse ela. “Nós não vamos abrir mão de nossos direitos voluntariamente. E realmente não deveríamos. Eu continuo apelando para isso porque quando você abre mão de seus direitos, você nunca vai recuperá-los.”

    Francis Lim, consultor jurídico do Rappler, disse a repórteres que “discordamos fortemente da decisão” e que existem “recursos legais disponíveis para questionar a decisão perante os tribunais”.

    O Rappler e as Filipinas

    Ressa ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 2021, juntamente com o jornalista russo Dmitry Muratov, por seus esforços para salvaguardar a liberdade de expressão nas Filipinas. Ela fundou o Rappler em 2012 e ganhou destaque por sua cobertura inabalável de Duterte e sua brutal “guerra às drogas”.

    A liberdade de imprensa nas Filipinas deteriorou-se rapidamente sob Duterte, e o país agora ocupa o 147º lugar entre 180 países no índice de liberdade de imprensa dos Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

    Ressa sempre falou sobre os desafios que ela e Rappler enfrentaram na cobertura de notícias nas Filipinas. Ela foi atingida por uma série de desafios legais que são amplamente considerados politicamente motivados, incluindo uma condenação por difamação cibernética que pode levá-la a seis anos de prisão e supostas infrações fiscais.

    “Os jornalistas têm sido alvos de uma forma que nunca passamos desde os dias de (Marcos Sr.). Em menos de dois anos eu tive 10 mandados de prisão contra mim e não fiz nada diferente do que vinha fazendo (antes)”, disse ela à CNN em 2021.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN