Filosofia da não-violência de Martin Luther King é mais importante do que nunca

Centro norte-americano que homenageia o mediador da paz da humanidade lançou aulas onde são discutidas as diferentes formas de violência e como reduzi-las

Martin Luther King Jr., líder dos direitos civis faz um discurso para uma multidão de aproximadamente 7.000 pessoas em 17 de maio de 1967 no Sproul Plaza da UC Berkeley em Berkeley, Califórnia, nos Estados Unidos
Martin Luther King Jr., líder dos direitos civis faz um discurso para uma multidão de aproximadamente 7.000 pessoas em 17 de maio de 1967 no Sproul Plaza da UC Berkeley em Berkeley, Califórnia, nos Estados Unidos Michael Ochs Archives/Getty Images

Análise por Eliott C. McLaughlinda CNN

Ouvir notícia

As pessoas acordam e escolhem a violência todos os dias. De muitas maneiras, essa é a natureza humana.

Manchetes de notícias diariamente mostram guerra, assassinato, crime, brigas de trânsito, ameaças em redes sociais e disputas triviais que se tornam mortais, e é por isso que o Martin Luther King Jr. Center for Nonviolent Social Change, em Atlanta, nos Estados Unidos, continua espalhando os ensinamentos de King sobre um modo de vida mais pacífico.

Martin Luther King é um dos grandes mediadores da paz da humanidade. Pregador e estudioso, King se baseou não apenas no carisma, mas na filosofia que ele e seus assistentes educaram da não-violência, inspirados em parte pelo movimento de Mohandas Gandhi, na Índia.

A disciplina fez sentido nas décadas de 1950 e 1960, quando manifestantes pacíficos foram recebidos por “Bull” Connor ou o xerife Jim Clark, que liberou todo o veneno da lei da força. A resposta não violenta dos manifestantes a cães, cassetetes e canhões de água pintou um contraste necessário para o Norte e para o mundo: Aqui estão os opressores; ali estão os oprimidos.

Décadas depois que o movimento gritou a Lei dos Direitos Civis e a, agora extirpada, Lei dos Direitos ao Voto – e a ótica da violência crua desempenha um papel menor no discurso nacional – a não-violência continua viável?

A filha mais nova de King, Bernice, acredita que sim. A violência não resolve nada, disse ela.

“Isso cria mais problemas e leva a danos e destruição e mais alienação”, disse a ministra e mediadora. “Não tem um objetivo final. As sementes da destruição estão contidas na violência, então a única coisa que resulta dela é mais violência”.

Civil rights activist Dr Martin Luther King with his wife Correta Scott. (Photo by © Hulton-Deutsch Collection/CORBIS/Corbis via Getty Images)
O ativista dos direitos civis Martin Luther King com sua esposa Coretta Scott em 1964 / Hulton-Deutsch Collection/Corbis/Getty Images

O King Center, onde ela é CEO, há muito transmite a filosofia, principalmente na África do Sul, treinando eleitores antes de sua primeira eleição multirracial, em 1994. No mês passado, em homenagem ao Dia de Martin Luther King (MLK), o centro assumiu a tutela digital, oferecendo um currículo sobre a filosofia da NonViolence365, as campanhas de seu pai e sua visão para a “Comunidade Amada”, onde a pobreza e o ódio não têm poder.

A aula demonstra como a não-violência pode ser aproveitada na vida cotidiana, seja uma disputa entre vizinhos ou familiar, ou uma questão de igualdade salarial ou diversidade no trabalho. O centro espera adicionar versões voltadas para corporações, além de estudantes e educadores do jardim infância ao ensino médio.

Os princípios servem como o pilar de uma marcha planejada em Washington, liderada por um ministro da Carolina do Norte que continua o trabalho de Martin Luther King de auxiliar os pobres. Eles também inspiraram um músico de Blues, de Maryland, a buscar dialogar com neonazistas e membros da Ku Klux Klan, um dos quais diz que agora vê a sabedoria de King.

Enquanto alguns apontam para as limitações da não-violência, especialmente quando as pessoas estão se defendendo, Bernice King diz que esse é o único caminho para uma mudança real. Ela lembra dos céticos da citação de seu pai: “O arco do universo moral é longo, mas se inclina em direção a justiça”.

‘É James Crow, Esquire’

O King Center forneceu à CNN o acesso à aula, que leva cerca de 15 horas para ser concluída. Lá, é dissipado o equívoco de que não-violência é o mesmo que pacifismo, assim como o equívoco de que a violência sempre é física.

Citando Coretta Scott King, que fundou o King Center em seu porão, em 1968. Dias antes, apenas algumas semanas depois que seu marido foi morto a tiros em Memphis, ela se dirigiu a uma multidão na cidade da Ressurreição da capital.

“Nesta sociedade, a violência contra pessoas pobres e grupos minoritários é rotina. Lembro à vocês que deixar uma criança de fome é violência. Suprimir uma cultura é violência. Negligenciar crianças em idade escolar é violência. Punir uma mãe e seu filho é violência. Discriminação contra um trabalhador é violência. A moradia do gueto e favelas é violência. Ignorar as necessidades médicas é violência. Desprezo pela pobreza é violência. Até a falta de força de vontade para ajudar a humanidade é uma forma doentia e sinistra de violência”, disse a viúva.

Outros exemplos incluem a supressão de votos e a inação sobre a brutalidade policial ou as mudanças climáticas, enfatizam os instrutores do King Center. Impedir que as crianças aprendam sobre a história negra ou a escravidão é um ato violento. A desigualdade sistêmica é violência, dizem eles.

O Rev. William Barber é presidente da Repairers of the Breach, uma organização sem fins lucrativos que promove uma “agenda que eleva nossos valores morais e constitucionais mais profundos de amor, justiça e misericórdia”. A pandemia tornou sua missão mais urgente, pois a crescente lacuna entre os que têm e os que não têm expõe uma “escassez de consciência moral”, disse ele.

WASHINGTON, DC - AUGUST 02: Rev. Dr. William Barber II addresses a Poor People's Campaign rally to demand and end of the filibuster, stronger voting rights, immigration reform, a $15 minimum wage and other progressive policies at Columbus Circle on August 02, 2021 in Washington, DC. As part of the 'Moral Revival' movement organized by Repairers of the Breach, a non-profit political committee headed by Rev. Barber, hundreds of clergy and working poor people marched to the Supreme Court before being arrested outside the Hart Senate Office Building on Capitol Hill. (Photo by Chip Somodevilla/Getty Images)
Reverendo William Barber discursa em um comício da Campanha dos Pobres / Chip Somodevilla/Getty Images

Enquanto os legisladores distribuíram cortes de impostos para corporações e ricos, eles recusaram um salário digno e interromperam significativamente os despejos, disse Barber. Eles continuaram a financiar uma “economia de guerra” enquanto os americanos passavam fome, disse ele.

“Esses são os ‘Bull’ Connors do dia”, disse Barber. “Isso não é Jim Crow. Isso é James Crow, Esquire (termo usado nos EUA para as formas mais sutis de opressão) […] A crise moral deste momento é o nosso Jim Crow”.

Enquanto alguns podem considerar a citação de Coretta Scott King uma banalidade, Barber diz que cada exemplo que ela deu é de extrema violência.

“Todos esses exemplos têm um elemento de morte neles”, disse ele. “As pessoas morrem quando não pagamos um salário digno. As pessoas morrem quando negamos assistência médica. As pessoas morrem quando não nos importamos com o clima”.

Um estudo mostra que cerca de 874 mil mortes americanas em 2000 foram atribuídas à baixa educação, segregação racial, baixo apoio social, pobreza individual, desigualdade de renda e pobreza na área. Um coautor do estudo – o epidemiologista da Universidade de Boston, Sandro Galea – disse à CNN: “Imagino que as estimativas se mantenham razoavelmente bem hoje”.

A filha de King e o trabalho em andamento

O currículo do King Center é dividido em partes e entregue a partir de perspectivas que incluem ativistas, escritores, acadêmicos, clérigos, ex-policiais, o tenente MLK Andrew Young e Mary Liuzzo Lilleboe, cuja mãe foi morta pela Ku Klux Klan em 1965.

Os instrutores fornecem contexto para os seis princípios da filosofia de não-violência de King:

  • é um modo de vida para pessoas corajosas
  • procura conquistar amizade e compreensão
  • trabalha para derrotar a injustiça, não as pessoas
  • acredita que o sofrimento não merecido por uma causa justa é redentor e transformador
  • escolhe o amor em lugar do ódio
  • acredita que o universo está do lado da justiça

Martin Luther King Jr. foi esfaqueado. A casa onde morava foi bombardeada. Ele recebeu ameaças de morte e uma arma apontada para sua cabeça. Ele sempre respondeu com amor. A mãe de Bernice King também foi exemplo da não-violência, seja em casa ou como ela tratou as pessoas que a violaram, disse a filha.

Bernice liderou conferências sobre não-violência no final da adolescência, mas apesar de seus poderosos modelos, ela não fez o “compromisso intencional e focado com a não-violência como um modo de vida” até se tornar CEO do King Center, há uma década. Algumas vezes, ela diz que se esforça e não tem certeza se a não-violência pode ser aperfeiçoada, disse ela. Como qualquer coisa na vida, é mais fácil quando você tem pessoas que pensam como você te apoiando.

“Se eu puder ser franca, tenho pessoas à responsabilizar que também estão comprometidas com isso. Nós nos responsabilizamos mutuamente”, disse ela. “Quando eu chegar a esses espaços e lugares em que eu abandonar o que eu sei que é o caminho certo, eles vão me alertar – e, mais importante, eu me permito ser alertada”.

A não-violência é um longo caminho. Apesar de acabar com a segregação em ônibus em Montgomery, Alabama, e lanchonetes em Greensboro, Carolina do Norte, Barber diz que a batalha continua.

“Você tem que ter uma eterna insatisfação com a injustiça. Você tem que ter uma eterna insatisfação com o ódio – a ponto de eu me envolver de qualquer maneira para mudá-lo, mas isso não inclui me tornar a mesma coisa que estou tentando mudar”, disse Barber. “É por isso que você acorda todas as manhãs trabalhando pela justiça, e o que te acorda não é o seu despertador, mas o seu propósito”.

Não há balanças de pesagem em um movimento. Ninguém sabe em que ponto estão “na luta por justiça, amor e misericórdia”, disse Barber, mas a não-violência não se trata de gratificação instantânea. Os praticantes podem não ver o fruto de seus trabalhos, acrescentou Bernice King, mas a herança da próxima geração deve permanecer em mente.

“Se eu passei todo o meu tempo tentando ser o mais violento ou (exigindo) o máximo de violência possível contra aqueles que foram violentos comigo, quando eu morrer, o que eu ensinei para meus filhos?”, pergunta ela.

Colecionando as vestes de integrantes do Ku Klux Klan

A filosofia de Martin Luther King geralmente orienta Daryl Davis. O músico, cuja história o King Center oferece como estudo extracurricular, cresceu frequentando escolas em todo o mundo. Sua primeira experiência com o racismo veio como um aluno da quarta série em 1968, como o único escoteiro negro em uma tropa marchando de Lexington para Concord, Massachusetts, para comemorar “Midnight Ride” de Paul Revere.

Ao longo da rota, Davis foi atingido por pedras, latas e outros detritos. Os líderes escoteiros o protegeram e o transportaram para um local seguro, mas não explicaram o que estava acontecendo. Ele achava que os espectadores brancos irritados eram anti-escoteiros, disse ele, rindo de sua ingenuidade.

Enquanto seus pais cuidavam de suas feridas, eles dissiparam a ilusão, explicando o racismo. Para um pirralho da embaixada que se dava muito bem com seus amigos brancos em Massachusetts, assim como ele se dava com as crianças italianas, nigerianas e japonesas nas escolas no exterior, era difícil acreditar, disse ele.

Semanas depois, enquanto assistia a “A Feiticeira”, o programa foi interrompido com a notícia do assassinato de King. Ele nunca tinha ouvido falar do homem e foi ao escritório de seu pai para relatar o que havia acontecido. Foi a primeira vez que viu seu pai chorar.

Assim começou um fascínio. Davis estudou o legado de Martin Luther King e escreveu cartas para Coretta Scott King e James Earl Ray – e começou a buscar respostas para perguntas levantadas naquela rota.

“Eu formei uma pergunta em minha mente aos 10 anos de idade, que era: como você pode me odiar quando você nem me conhece?” ele disse. “Quem melhor para fazer essa pergunta do que alguém que iria tão longe a ponto de se juntar a uma organização que tem mais de 100 anos de história de praticar o ódio às pessoas?”.

Davis conheceu seu primeiro integrante do Ku Klux Klan em 1983 em um show em Frederick, Maryland, e decidiu se tornar o primeiro autor negro a escrever um livro sobre o Klan. Desde 1991, estima Davis, conversar com os adversários ajudou a convencer cerca de 60 membros da Klan a entregar seus mantos e capuzes, enquanto outros lhe deram emblemas, bandeiras, braçadeiras, fivelas de cintos, “todo tipo de porcaria”.

Davis nunca procurou converter ninguém. Ele apenas queria respostas, disse ele, mas viu os tenores dos fanáticos mudarem quando ele quebrou seu medo e ignorância, demonstrando que entendia que, como qualquer pessoa, eles queriam ser amados, respeitados, ouvidos, tratados com justiça e ver suas famílias prosperarem.

“Um leopardo não muda suas manchas. Então, por que eu pensaria que um integrante do grupo largaria seu manto e capuz? […] Tudo que eu queria saber é por quê”, disse ele. “Quanto mais conversávamos, mais eu aprendia e mais eles estavam aprendendo, o que eu também não percebi. Uma lição disso foi – e ainda é – que enquanto você está aprendendo ativamente sobre outra pessoa, mesmo tempo que você está ensinando passivamente sobre si mesmo”.

Ex-neonazista troca de lado

Um dos abordados por Davis foi Jeff Schoep, 48, que liderou o Movimento Nacional Socialista neonazista de 1994 a 2019. Schoep agora administra a Beyond Barriers USA, uma organização sem fins lucrativos com o objetivo de acabar com o extremismo. Schoep credita Davis e o cineasta Deeyah Khan por estimulá-lo a reexaminar seu ódio.

Schoep sempre viu seu fanatismo como nobre – ele estava defendendo “seu” povo e “direitos civis brancos” – mas falando com Khan para seu documentário, “White Right: Meeting the Enemy”, Schoep ficou desconfortável quando o cineasta muçulmano contou sobre os insultos que ela enfrentou ao crescer na Noruega com uma mãe afegã e pai paquistanês. Ela tinha uma “energia vibrante” e ele podia sentir sua dor, lembrou Schoep.

Davis, disse Schoep, abriu a conversa com música e piadas. Depois que eles construíram um relacionamento, Davis contou a Schoep a história do escoteiro, levando o então neonazista a pensar: “E se alguém tivesse feito isso com um dos meus filhos, por qualquer motivo?”

A tática de Davis está enraizada em dois princípios Kingianos: buscar a compreensão e derrotar o mal, não as pessoas. Foi eficaz, explicou Schoep, porque “no que diz respeito ao movimento, ninguém sai dessa vida levando um soco na cara”.

Martin Luther King sonhou que um dia “nas colinas vermelhas da Geórgia” os filhos de escravos e proprietários de escravos se sentariam juntos. Davis acredita que está fazendo sua parte, disse ele.

“Sou descendente de escravos e, como homem negro, estou sentado com os descendentes de proprietários de escravos, que vêm na forma de supremacistas brancos modernos, ‘à mesa da fraternidade’”, disse ele.

Davis tem limites, no entanto. Enquanto resiste à violência, ele hospitalizou integrantes do Ku Klux Klan que o atacaram, disse ele. Questionado por que ele se afastou dos princípios, ele disse que simplesmente não queria se machucar. Por melhor que King fosse, ele não estava participando de comícios da Klan, observou Davis.

Como manter a paz em meio à violência?

Johnetta Elzie também tem dúvidas. A nativa de Missouri começou seu ativismo após o assassinato de Michael Brown pela polícia em 2014, não muito longe de sua casa de infância. Ela foi uma figura proeminente nos protestos de Freddie Gray em Baltimore no ano seguinte.

A organizadora e escritora demonstra perspicácia em vários dos passos de King para a não violência – incluindo coleta de informações, educação, compromisso pessoal e ação direta – mas quando as pessoas perguntam sobre ataques de violência entre manifestantes, ela responde: “Essa é uma pergunta realista?”

Em Ferguson e Baltimore, havia falanges de policiais com cassetetes e escudos, apontando armas automáticas para mulheres, jornalistas e jovens, disse Elzie. Eles foram apoiados por soldados e veículos blindados (e em Ferguson, por Oath Keepers armados, membros dos quais agora são acusados na insurreição de 6 de janeiro).

Ativista Johnetta Elzie do lado de fora da delegacia de Ferguson durante uma manifestação, nos Estados Unidos / Wally Skalij/Los Angeles Times/Getty Images

“Qual é o limite da violência, e como você vê os negros fazendo algo em resposta à violência do estado e chora por isso, mas a violência do estado em si não incomoda você?” ela perguntou. “Você está ofendido com isso? Porque se sim, podemos conversar. Se não, não temos nada para conversar”.

As pessoas têm sido céticas em relação à não-violência desde os dias de King – não procure mais do que Stokely Carmichael e Malcolm X – e, embora Elzie conheça ativistas e clérigos mais velhos que seguem esse caminho, ela não encontra muitas pessoas “crescendo no clima atual” inclinadas a fazer o mesmo.

Abandone os binários, ela disse. Há espaço entre os polos para “discordar de pontos e modos de vida”, disse ela.

“Pessoalmente, não vou ser violenta com outras pessoas, mas também não vou propositadamente condenar alguém do meu lado por escolher fazê-lo em reação à violência do Estado”, disse ela. “Palavra-chave: reação”.

Bernice King entende a mentalidade, e ela sabe que há pessoas – até mesmo a polícia – “infernalmente dispostas” a destruir os afro-americanos. Mas ela ressalta que mesmo a consciência do racista mais virulento “pode ser despertada”.

“Parte do maior desafio”, disse ela, “é que é difícil enfrentar a aplicação da lei nas ruas. É uma batalha perdida. Simplesmente é”.

Ela concorda, no entanto, que a mídia e os outros precisam chamar a atenção para a violência do Estado com o mesmo vigor que empregam em reações de censura à violência.

“Foi isso que papai gritou. Ele disse: ‘Não posso condenar esses tumultos e ao mesmo tempo não condenar minha própria nação, que é o maior fornecedor de violência’”, disse ela.

Os protestos de hoje parecem desconectados, disse Bernice King, mais reacionários do que proativos. Quando Rosa Parks foi presa, os manifestantes não atacaram a capital do Alabama; eles boicotaram o sistema de ônibus impondo a segregação.

Além disso, como ensina o curso NonViolence365, as campanhas se alimentam umas das outras. Fracassos no Movimento Albany de 1961 na Geórgia informaram sucessos em Birmingham e Selma, Alabama, que levaram a maiores vitórias, incluindo a Lei dos Direitos Civis de 1968, após a Operação Breadbasket e o Chicago Freedom Movement (Movimento pela Liberdade de Chicago, em tradução livre).

Um ato de resistência Kingiana

O reverendo Barber abraça o princípio Kingiano de que o sofrimento não-merecido pode ser redentor.

É preciso estar disposto a sofrer pela causa. Barber sente dores intensas nas costas, disse ele, mas “as pessoas que sofrem sem um salário digno – sofrem mais do que eu”.

Barber liderou muitas marchas e foi preso pelo menos 15 vezes. Ele está disposto a ser levado sob custódia novamente, disse ele, durante a Assembleia de Pessoas Pobres e Trabalhadores de Baixos Salários de 18 de junho e a Marcha Moral em Washington e às Urnas.

Comparando a marcha à campanha de King em Birmingham em 1963, Barber disse que as pessoas estão prontas para encher as prisões para mostrar seu ponto de vista. Cerca de 1 mil manifestantes foram presos em Birmingham, incluindo King, que passou oito dias na prisão.

“O que você está dizendo é: o que está acontecendo é tão ruim que vale a pena se envolver e infringir a lei, porque políticas estão sendo usadas para acabar com a vida das pessoas”, disse ele. “Se colocar seu corpo na linha de frente dramatizar o quão ruim é e chamar a atenção para esse assunto, então você está disposto a fazer isso porque não somos uma insurreição. Somos uma ressurreição – uma ressurreição da moral”.

Onde Martin Luther King falou do “mal triplo” do racismo, exploração econômica e militarismo, Barber expandiu isso para as “injustiças interligadas do racismo sistêmico, pobreza sistêmica, devastação ecológica, negação de assistência médica, economia de guerra e a falsa narrativa moral da religião nacionalismo e supremacia branca”.

Ele disse que é inaceitável em um país tão rico que 140 milhões de pessoas – mais de 40% dos americanos – sejam pobres ou tenham baixa renda. Os organizadores da marcha estão colocando pessoas de todas as origens em frente às câmeras para mostrar quem está sendo impactado.

Isso não é sobre raça. Após as marchas de Selma a Montgomery, disse Barber, King não proclamou uma vitória para os negros.

“Ele realmente disse que os sistemas de segregação e supressão de eleitores eram estratagemas […] que foram usados pela aristocracia do Sul para impedir que as massas de eleitores negros pobres e eleitores brancos se reunissem e formassem uma base de poder político que poderia mudar a arquitetura econômica do país”, disse Barber. “Muitas vezes hoje, nossos líderes não estão falando assim”.

Há muita bifurcação, disse ele. King apresentou as ligações entre os males. Hoje, King teria relacionado o aumento da pobreza com projetos de lei destinados a suprimir votos após uma eleição com recorde de comparecimento, suspeita Barber.

Não é surpreendente que Barber e Bernice King digam que a mentalidade não-violenta requer fé, mas mesmo aqueles que são mais espirituais do que religiosos (ou agnósticos ou ateus) devem acreditar na possibilidade de dias melhores.

Bernice King fez alusão a John Lewis, que não sabia, como um organizador de 25 anos em Selma, que teria seu crânio quebrado e enfrentaria ameaças de morte antes de se tornar um congressista por 17 mandatos. Ele não sabia que muitos dos direitos de voto pelos quais lutou seriam arrebatados pela Suprema Corte dos EUA – ou que, após sua morte, colegas legisladores trabalhariam para restaurar esses direitos em seu nome. Ainda assim, ele lutou durante a maior parte de seus 80 anos.

“É também saber que você é parte de uma força que acabará por trazer transformação. Você tem que acreditar nisso. Se você não entrar nisso com essa mentalidade, então você sempre estará em um ciclo sem fim de violência e caos”, disse Bernice King. “Você está realmente comprometido com esse resultado a ponto de não ver isso em sua vida – mesmo que meu pai não tenha visto algumas dessas coisas em sua vida – está tudo bem, desde que eu saiba o que que estou fazendo vai levar a um resultado para outra geração?”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN