Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Hezbollah ataca postos israelenses em território disputado entre Líbano e Israel

    Postos israelenses foram bombardeados nas Fazendas de Shebaa, faixa de terra próxima à fronteira reivindicada tanto pelo Líbano quanto por Israel

    Bandeiras da Palestina e do Hezbollah em Khiam, perto da fronteira com Israel, no sul do Líbano
    Bandeiras da Palestina e do Hezbollah em Khiam, perto da fronteira com Israel, no sul do Líbano 09/10/2023REUTERS/Aziz Taher

    Tamara QiblawiSarah El SirganyNiamh Kennedyda CNN

    O grupo libanês Hezbollah disse que atacou postos israelenses nas Fazendas de Shebaa, faixa de terra sob controle de Israel, próxima da tríplice fronteira entre a Síria, Líbano e Israel, neste sábado (14).

    “Às 15h15 de sábado, 14 de outubro de 2023, grupos da Resistência Islâmica [Hezbollah] atacaram posições sionistas nas fazendas ocupadas de Shebaa libanesas”, disse o comunicado.

    O Hezbollah disse que lançou mísseis guiados com precisão e morteiros contra postos israelenses em al-Radar, Rousiyat al-Alam, al-Samaqa, Zibdeen e Ramtha.

    A área das Fazendas de Shebaa é reivindicada tanto pelo Líbano quanto por Israel.

    Uma equipe da CNN presente no sul do Líbano presenciou o bombardeio aéreo. O correspondente da CNN Ben Wedeman descreveu o incidente como “o bombardeio mais longo e prolongado desde que chegamos aqui”.

    O produtor da CNN no local disse que o bombardeio durou mais de uma hora.

    E sua declaração, o Hezbollah descreveu os ataques como “ataques precisos e diretos”.

    Escalada de tensão com o Hezbollah

    O Hezbollah já havia assumido a autoridade por outros quatro ataques contra Israel na sexta-feira (13).

    No início desta semana, os Estados Unidos e seus aliados alertaram o Hezbollah contra a escalada do conflito em Israel.

    Os EUA colocaram à disposição de Israel recursos militares para impedir um potencial alargamento da guerra, disseram à CNN funcionários do governo e pessoas envolvidas nas discussões.

    Há receios crescentes de que o grupo libanês entre no conflito, abrindo uma segunda frente na guerra.

    As FDI disseram na terça-feira (10) que adicionaram dezenas de milhares de soldados à fronteira com o Líbano, em antecipação a um ataque do grupo apoiado pelo Irã.

    Veja também: Governo brasileiro teme que entrada do Hezbollah agrave conflito em Israel