Igreja Católica francesa estima que teve 3 mil pedófilos desde 1950

Papa Francisco declarou anteriormente que casos de abusos sexuais perpetrados na Igreja Católica são uma "catástrofe" mundial

Praça de São Pedro, no Vaticano
Praça de São Pedro, no Vaticano Foto: Remo Casilli - 01.abr.2020/ Reuters

Gilles GuillaumePhilip Pullellada Reuters

Ouvir notícia

A Igreja Católica francesa estima cerca de três mil pedófilos em seus arquivos nos últimos 70 anos, disse o chefe de uma comissão independente que investiga escândalos de abuso sexual numa entrevista publicada neste domingo (3).

O escândalo na Igreja francesa é o mais recente a atingir a Igreja Católica Romana, abalada por casos de abuso sexual, muitas vezes envolvendo crianças, nos últimos anos.

A comissão francesa deve publicar o resultado na terça-feira (5), concluindo um trabalho de dois anos e meio de pesquisa sobre eventuais abusos que remontam à década de 1950.

“Estimamos o número (de pedófilos) em três mil, entre 115 mil sacerdotes e oficiais da Igreja, desde a década de 1950”, disse o chefe da comissão, Jean-Marc Sauve, ao Journal du Dimanche.Um porta-voz que representa a Conferência dos Bispos Católicos da França se recusou a comentar as declarações.

Um porta-voz do Vaticano disse que iria aguardar a publicação do relatório completo antes de decidir se comentaria.

Em junho, o Papa Francisco disse que casos de abusos sexuais perpetrados na Igreja Católica são uma “catástrofe” mundial.

A Igreja Católica francesa postou uma oração em sua conta no Twitter em nome das vítimas e acrescentou que também faria uma oração no dia 5 de outubro – o dia da publicação do relatório.

“Querido Senhor, confiamos a você todos aqueles que foram vítimas de violência e ataques sexuais na Igreja. Oramos para que possamos sempre contar com o seu apoio e ajuda durante essas provações”, escreveu a instituição em sua conta no Twitter.

Desde que foi eleito em 2013, o Papa Francisco tomou uma série de medidas com o objetivo de erradicar o abuso sexual de menores por parte de clérigos.

Mais Recentes da CNN