Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Igreja Ortodoxa Russa suspende padre que orou no túmulo de Navalny

    Dmitry Safronov rezou várias vezes no túmulo de Navalny em Moscou e realizou um serviço religioso em 26 de março para marcar 40 dias desde a morte de Navalny em uma colônia penal do Ártico

    Funeral de Alexei Navalny, em Moscou
    Funeral de Alexei Navalny, em Moscou 01/03/2024REUTERS/Stringer

    Mark Trevelyanda Reuters

    Um padre ortodoxo russo que liderou um serviço memorial no mês passado no túmulo do falecido líder opositor Alexei Navalny foi suspenso de suas funções clericais e condenado a cumprir três anos de “penitência”.

    Dmitry Safronov rezou várias vezes no túmulo de Navalny em Moscou e realizou um serviço religioso em 26 de março para marcar 40 dias desde a morte de Navalny em uma colônia penal do Ártico.

    Sua suspensão foi anunciada pela Diocese de Moscou da Igreja Ortodoxa Russa, que disse que ele seria rebaixado ao papel de leitor de salmos.

    Nenhuma razão foi declarada para a punição, a última de uma série que a Igreja impôs a padres considerados simpáticos à oposição ou que não apoiam suficientemente a guerra da Rússia na Ucrânia.

    “No final do período de penitência, com base no feedback do local de obediência, será tomada uma decisão sobre a possibilidade de continuar o seu serviço sacerdotal”, disse a diocese.

    A Reuters não conseguiu entrar em contato com Safronov.

    Um homem que atendeu o telefone em sua igreja em Moscou disse que todas as perguntas deveriam ser encaminhadas ao escritório do Patriarca Ortodoxo Kirill, que não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

    O funeral de Navalny, o mais conhecido crítico interno do presidente Vladimir Putin, no dia 1º de Março, levou dezenas de milhares de pessoas às ruas – um acontecimento raro na Rússia, onde perto de 20 mil pessoas foram detidas nos últimos dois anos por protestarem contra a guerra.

    Funeral de Alexei Navalny em Moscou / 1/3/2024 REUTERS/Stringer

    O Kremlin negou as acusações dos apoiadores de Navalny de que o tinha mandado matar. Sua certidão de óbito diz que ele morreu de causas naturais.

    Falando no túmulo, repleto de flores, em 9 de março, Safronov disse que Navalny havia instado os russos a não desistirem.

    “O mal só pode ser derrotado por uma coisa, pelo bem. Se tentarmos derrotar o mal com o mal, então multiplicaremos o mal. Portanto, realmente nos lembraremos de Alexei, lembraremos de seu testamento para nós e oraremos por ele e esperamos que ele ore por nós no trono do Senhor”, disse ele.