Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Irã apresenta pedido para ingressar no bloco dos Brics

    Adesão ao grupo, que inclui Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, "resultaria em valores agregados para ambos os lados", disse um porta-voz iraniano

    da Reuters

    Ouvir notícia

    O Irã apresentou pedido para se tornar membro do grupo de economias emergentes conhecido como Brics, disse uma autoridade iraniana nesta segunda-feira (27).

    A adesão do Irã ao Brics, que inclui Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, “resultaria em valores agregados para ambos os lados”, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã.

    A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse separadamente que a Argentina também se candidatou para fazer parte do grupo. Autoridades argentinas não puderam ser contatadas de imediato para comentar.

    O presidente argentino, Alberto Fernández, que está atualmente na Europa, reiterou nos últimos dias seu desejo de que a Argentina se junte ao Brics.

    “Enquanto a Casa Branca pensava sobre o que mais poderia desligar, proibir ou estragar no mundo, a Argentina e o Irã se candidataram para entrar no Brics”, disse Zakharova no aplicativo de mensagens Telegram.

    Há muito tempo a Rússia vem pressionando para forjar laços mais estreitos com a Ásia, a América do Sul e o Oriente Médio, e intensificou seus esforços recentemente para resistir às sanções impostas pela Europa, Estados Unidos e outros países por causa de sua invasão à Ucrânia.

    Nesta segunda-feira, os Estados Unidos e outras nações ocidentais prometeram apoio inabalável à Ucrânia, após 28 civis terem sido mortos em diversos ataques russos, incluindo um ataque com mísseis contra um shopping center lotado.

    A Rússia nega ter como alvo civis no que chama de “operação militar especial” para desarmar a Ucrânia e protegê-la de fascistas. A Ucrânia e seus aliados no Ocidente dizem que a guerra é um ato de agressão sem provocação.

    Mais Recentes da CNN