Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Israel e Hamas “não estão nem perto de um acordo”, diz porta-voz do Catar

    País foi fundamental na mediação da única pausa nos combates na guerra de cinco meses, em novembro

    Pessoas observam a destruição no campo de refugiados de Jabalia, em Gaza, após ataques israelenses ao enclave
    Pessoas observam a destruição no campo de refugiados de Jabalia, em Gaza, após ataques israelenses ao enclave nesta imagem estática de vídeo obtida pela REUTERS.14/10/2023

    Becky AndersonZeena Saifida CNN

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Catar, Majed Al-Ansari, disse na terça-feira (12) que um acordo de cessar-fogo entre Israel e o Hamas não é iminente.

    “Estamos neste momento envolvidos num diálogo construtivo entre ambos os lados; a situação no terreno é muito difícil e não estamos nem perto de um acordo neste momento”, disse Al-Ansari à CNN.

    Al-Ansari disse que permanecem questões, incluindo a finalização de onde as tropas israelenses irão parar, quantas pessoas entrarão e sairão de Gaza e como a ajuda poderá entrar no enclave.

    “Estamos trocando linguagem entre as partes e esperando para ver se isso resultará em algo nos próximos dias”, acrescentou Al-Ansari.

    O Catar foi fundamental na mediação da única pausa nos combates na guerra de cinco meses, em novembro. Al Ansari disse que desta vez é necessário um novo formato.

    “Tentamos a fórmula de pausa do dia a dia da última vez e não funcionou, porque no final os dois lados vão discordar sobre as listas e como implementá-las. Precisamos de uma primeira fase mais abrangente que nos permita algum tempo para promulgar negociações para as próximas fases”, acrescentou.

    O responsável do Catar disse que alguns responsáveis ​​– incluindo o primeiro-ministro israelenses, Benjamin Netanyahu – “têm as chaves para garantir um acordo neste momento”, instando-os a considerar negociações.

    “Cada dia que passa é um risco para a vida dos reféns, um risco para a vida dos civis em Gaza, e não é do interesse de ninguém – especialmente do povo de Israel e da segurança de Israel – que esta guerra continue, ” ele disse.