Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Israel mantém ataques a Gaza em meio a expectativa sobre operação militar no território

    Enquanto isso, situação na Faixa de Gaza se deteriora e organizações alertam para fome e falta de água

    Da CNN

    Israel mantém os ataques contra a Faixa de Gaza neste domingo (15), enquanto reforça as ordens para que a população se desloque para o sul do enclave e mobiliza suas tropas ao redor da fronteira, se preparando para uma ofensiva por “terra, ar e mar”.

    Explosões e largas colunas de fumaça puderam ser ouvidas e vistas na manhã deste domingo em Gaza. Cidadãos e membros da defesa civil tentavam apagar focos de incêndio em uma casa atingida por um ataque aéreo, enquanto ambulâncias corriam para os hospitais.

    Veja também — Ministro do Irã se reúne com líder do Hamas

    Israel renova alerta para evacuação

    O porta-voz das Forças de Defesa de Israel (FDI), o tenente-coronel Jonathan Conricus, fez um novo alerta à população da Faixa de Gaza, ordenando que deixem a região norte do enclave.

    “Demos um amplo aviso, mais de 25 horas… é a hora dos moradores de Gaza partirem. Peguem seus pertences, vão para o sul“, disse Conricus durante entrevista à CNN.

    “É realmente importante que as pessoas em Gaza saibam que temos sido muito, muito generosos com o tempo”, adicionou.

    “Operação militar significativa” é iminente

    O porta-voz das FDI também destacou que Israel iniciará “operações militares significativas” em Gaza assim que se certificar que civis deixaram a área.

    De acordo com Conricus, a área ao redor da Faixa de Gaza está repleta de “centenas de milhares de unidades de reserva israelenses”, que estão se preparando para diversas missões.

    “O desafio e a missão é ter todos esses mais de 360 mil reservistas, tanto no sul como no norte. Prepará-los para a missão, [deixá-los] equipados, preparados, prontos para quaisquer missões que tenham no futuro”, comentou.

    Reféns do Hamas “provavelmente estão no subsolo”

    Durante a entrevista à CNN, Jonathan Conricus ressaltou que a principal prioridade de Israel é resgatar reféns que foram levados a Gaza, apesar das dificuldades envolvidas nos combates em uma área urbana densamente povoada.

    Destacando a “elaborada rede de túneis” do Hamas, o tenente-coronel afirmou que os reféns “provavelmente estão sendo mantidos no subsolo em vários locais”.

    “É extremamente difícil para qualquer militar moderno lutar em uma área urbana tão densa. Sabemos que o Hamas tem uma elaborada rede de túneis tanto para fins defensivos como ofensivos, o que certamente aumentará a complexidade dos combates e estamos preparados para isso”, ponderou.

    “A luta será lenta. Os avanços serão lentos e seremos cautelosos, mas estamos muito determinados a chegar aos terroristas do Hamas que atualmente estão escondidos debaixo dos nossos civis no sistema de túneis que eles possuem”, complementou.

    Conricus comentou ainda que as operações e ataques realizados recentemente recuperaram “algumas informações úteis”, mas nenhum corpo de israelenses que foram levados foi recuperado.

    Os militares israelenses não terão como alvo civis, disse Conricus. “Mas, mais uma vez, devemos lembrar que vamos combater um inimigo implacável que não tem problemas em usar tudo o que está disponível, como civis como escudos humanos e usar infraestruturas civis para fins militares”, observou.

    Outro principal objetivo das FDI é “desmantelar totalmente as capacidades militares [do Hamas]”, segundo o porta-voz.

    Situação em Gaza está se deteriorando e gera alerta sobre água e fome

    Partes do sul da Faixa de Gaza estão se tornando ainda mais povoadas e sobrecarregadas, dizem os habitantes de Gaza, à medida que palestinos abandonam as suas casas, após aviso de Israel.

    A declaração de evacuação foi descrita por grupos de direitos humanos, bem como por alguns países vizinhos, como uma violação do direito internacional. O ministro dos Negócios Estrangeiros da Jordânia descreveu-o como um “crime de guerra”.

    Enquanto isso, o Programa Alimentar Mundial (PAM) alertou que está ficando sem estoques dentro da Faixa de Gaza e não consegue levar mais alimentos para o enclave, segundo Corinne Fleischer, diretora regional da organização humanitária das Nações Unidas (ONU).

    Fleischer disse que o PAM tem suprimentos suficientes para alimentar 1,3 milhão de pessoas durante duas semanas. Esses recursos estão amontoados na fronteira e prontos para ir para o enclave, mas o grupo ainda não pode entrar com segurança em Gaza, acrescentou a diretora.

    Já a Autoridade Palestiniana da Água alertou que o abastecimento de água em Gaza está muito baixo devido à destruição da capacidade de captação na área.

    O órgão afirmou no sábado (14) que antes do início do conflito 262 mil metros cúbicos de água eram retirados diariamente dos poços. Agora, esse número é de 14 mil metros cúbicos por dia, e há necessidade urgente de combustível para fornecer mais água, segundo destacou a autoridade.

    Mais um comandante do Hamas foi morto, diz Israel

    Billal al-Qedra, que supostamente liderou os ataques no kibutz de Nirim, perto da fronteira israelense, foi morto pelos militares israelenses, segundo informou o tenente-coronel Peter Lerner, porta-voz das Forças de Defesa de Israel.

    A Força Aérea Israelense também divulgou um comunicado no X, anteriormente conhecido como Twitter, neste domingo (15) sobre a morte do comandante do Hamas, alegando que as forças de segurança “mataram o comandante das forças Nukhba no sul de Khan Yunis, que foi responsável por o massacre do kibutz Nirim”.

    VÍDEO — Exército de Israel diz que matou comandante do Hamas

    Hezbollah ataca vila israelense

    Combatentes do Hezbollah lançaram um míssil contra uma vila na fronteira norte de Israel neste domingo (15), matando uma pessoa e ferindo outras três, segundo informações do grupo armado e médicos israelenses.

    Na sequência, os militares israelenses declararam que a população não deve se aproximar em até 4 km da fronteira com o Líbano.