Líderes do G20 se comprometem a enfrentar o desafio ‘existencial’ do clima

Compromisso de manter o aumento da temperatura global em 1,5°C deve abrir caminho para as discussões da COP26

Roma, capital da Itália, é a sede do G20 neste ano; diversos líderes já desembarcaram na cidade para reuniões do grupo
Roma, capital da Itália, é a sede do G20 neste ano; diversos líderes já desembarcaram na cidade para reuniões do grupo Foto: G20.org

Jan StrupczewskiGavin Jonesda Reuters

Roma

Ouvir notícia

Os 20 países mais ricos do mundo se comprometerão neste fim de semana a enfrentar a ameaça existencial da mudança climática, abrindo caminho para ações mais detalhadas na cúpula de mudança climática da ONU na próxima semana, de acordo com um esboço de comunicado visto pela Reuters.

Os líderes do Grupo dos 20, que se reunirão para conversas no sábado (30) e no domingo (31) em Roma, se comprometerão a tomar medidas urgentes para alcançar a meta de limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius, de acordo com o projeto.

Eles irão então para Glasgow, Escócia, para uma reunião crucial das Nações Unidas de quase 200 países, a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP26).

O marco do acordo de Paris de 2015 comprometeu os signatários a manter o aquecimento global “bem abaixo” de 2 graus acima dos níveis pré-industriais e, de preferência, a 1,5 graus.

Desde então, conforme os episódios climáticos extremos se intensificaram e os níveis de carbono na atmosfera aumentaram, os cientistas do clima têm enfatizado cada vez mais a importância de um limite de 1,5 grau para limitar o risco de catástrofe ambiental.

“Atendendo ao apelo da comunidade científica, observando os alarmantes relatórios do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) e cientes de nosso papel de liderança, nos comprometemos a enfrentar o desafio existencial das mudanças climáticas”, diz o esboço, que ainda pode ser mudou, disse.

Reconhecemos que os impactos da mudança climática em 1,5 grau são muito menores do que em 2 graus e que ações imediatas devem ser tomadas para manter 1,5 grau ao alcance.

G20, em rascunho de comunicado

 

“Reconhecemos a importância fundamental de alcançar emissões líquidas globais de gases de efeito estufa ou neutralidade de carbono até 2050”, disse o comunicado, referindo-se a uma recomendação de especialistas em clima da ONU que afirmam que o prazo de meados do século é crucial para cumprir o limite de aquecimento de 1,5 grau.

No entanto, a data de 2050 aparece na minuta entre colchetes, indicando que ainda está sujeita a negociação.

Alguns dos maiores poluidores do mundo dizem que não podem atingir a data-alvo de 2050, com a China, de longe, o maior emissor de carbono, com previsões para 2060.

Poder do corte do carvão

O bloco G20, que inclui Brasil, China, Índia, Alemanha e Estados Unidos, responde por mais de 80% do produto interno bruto mundial, 60% de sua população e cerca de 80% das emissões globais de gases de efeito estufa.

O G20 reafirmou o compromisso de “eliminar e racionalizar” os subsídios aos combustíveis fósseis até 2025 e reduzir a energia do carvão, considerada a principal culpada pelo aquecimento global.

Os líderes disseram que farão “o máximo” para evitar a construção de novas usinas a carvão, acrescentando a frase “levando em consideração as circunstâncias nacionais”, que é comumente usada para evitar compromissos firmes.

Os líderes disseram que encerrariam o financiamento público para usinas de carvão no exterior até o final deste ano e objetivariam um sistema de energia “amplamente descarbonizado” na década de 2030, de acordo com o esboço.

Eles também se comprometeram a cortar suas emissões coletivas de metano, um gás de efeito estufa que é muito mais potente, mas menos duradouro do que o dióxido de carbono, “substancialmente” até 2030. Este prazo também está entre parênteses.

A disposição dos países desenvolvidos em ajudar a financiar a transição ecológica dos mais pobres, conhecida como “financiamento climático”, provavelmente será crucial para o sucesso do G20 e da cúpula de Glasgow.

Ressaltamos a importância de cumprir o compromisso conjunto dos países desenvolvidos de mobilizar US$ 100 bilhões (R$ 565 bilhões) anuais de fontes públicas e privadas até 2025 para atender às necessidades dos países em desenvolvimento, no contexto de ações de mitigação significativas e transparência na implementação.

G20, em rascunho de comunicado

 

Os países mais ricos concordaram em 2009 em estabelecer um fundo de US$ 100 bilhões por ano para ajudar a transferir tecnologias e minimizar os riscos climáticos no mundo em desenvolvimento, mas o progresso tem sido lento.

Alok Sharma, presidente da conferência COP26, disse esta semana que espera que o fundo seja disponibilizado em 2023, três anos depois do planejado, e que muitos países em desenvolvimento relutam em se comprometer a acelerar suas reduções de emissões até que os ricos cumpram suas promessas.

Uma autoridade ambiental chinesa disse na quarta-feira que este é “o maior obstáculo” para o progresso nas negociações climáticas.

O esboço do G20 pede entre colchetes “financiamento adicional para o clima”, sugerindo que ainda há muita negociação a ser feita sobre esta questão.

Mais Recentes da CNN