Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Manifestantes pró-palestinos farão protesto ao redor da Casa Branca

    Serviço Secreto ativou plano de reforço de segurança em preparação para ato que deve acontecer neste sábado (8)

    Manifestantes pedem cessar-fogo em Gaza durante visita do presidente dos EUA, Joe Biden, em Warren, Michigan
    Manifestantes pedem cessar-fogo em Gaza durante visita do presidente dos EUA, Joe Biden, em Warren, Michigan 01/02/2024REUTERS/Rebecca Cook

    Kanishka Singhda Reuters Washington

    Ativistas pró-palestinos, que demandam o fim da guerra em Gaza e do apoio americano a Israel, planejam um protesto ao redor da Casa Branca durante o fim de semana. O plano levou as autoridades a tomarem medidas extras de segurança, incluindo a instalação de cercas na área.

    Grupos de defesa e ativistas, como o Conselho de Relações Islâmicas Americanas, disseram nesta sexta-feira (7) que as manifestações estavam planejadas para o sábado, marcando oito meses de guerra de Israel em Gaza. O conflito já matou mais de 36 mil pessoas e causou uma crise humanitária com fome e destruição generalizadas.

    Os Estados Unidos, principal aliado de Israel, têm assistido a meses de protestos pró-palestinos que vão desde marchas em Washington e vigílias perto da Casa Branca até o bloqueio de pontes e vias perto de estações de trem e aeroportos em várias cidades, além de acampamentos em universidades.

    Pelo menos oito autoridades deixaram o governo do presidente norte-americano, Joe Biden, alegando oposição à sua política. Os manifestantes também tumultuaram alguns dos eventos da campanha de reeleição de Biden. O presidente está na França para uma visita oficial.

    “Em preparação aos eventos deste fim de semana em Washington, que têm o potencial de reunir grandes multidões, medidas adicionais de segurança pública foram colocadas em prática perto do complexo da Casa Branca”, disse um porta-voz do Serviço Secreto dos EUA.

    Biden e a Casa Branca já disseram anteriormente que apoiam protestos pacíficos, mas não o “caos” e a violência.