Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Israel amplia ataques a Gaza em meio a impasse nas negociações por cessar-fogo

    Autoridades palestinas relatam bombardeios no centro e no sul da Faixa de Gaza

    Israel diz que atingiu escola da ONU em Gaza e alega ser usada pelo Hamas
    Israel diz que atingiu escola da ONU em Gaza e alega ser usada pelo Hamas REUTERS

    Nidal al-Mughrabida Reuters Cairo

    Sem nenhum sinal de progresso no esforço dos mediadores para mediar um cessar-fogo na guerra de Gaza, tanques e aviões de guerra israelenses atacaram áreas do centro e do sul do enclave durante a madrugada desta sexta-feira (7), matando pelo menos 23 palestinos, disseram as autoridades médicas locais.

    Mediadores do Catar e do Egito, apoiados pelos Estados Unidos, tentam fechar um acordo que pare as hostilidades, garanta a libertação de reféns israelenses e de presos palestinos em Israel e, ainda, que faça com que a ajuda humanitária chegue em Gaza, aliviando a grave crise que atinge os civis. Fontes próximas às negociações, entretanto, disseram que ainda não há sinais de avanço.

    Moradores disseram que os tanques israelenses avançaram mais para o oeste, na cidade de Rafah, no sul do país, contornando a fronteira com o Egito em meio a intenso tiroteio entre tropas israelenses e militantes palestinos liderados pelo Hamas.

    Autoridades de saúde palestinas disseram que dois palestinos foram mortos e vários foram feridos no oeste de Rafah devido aos bombardeios de tanques. No centro de Gaza, médicos palestinos disseram que pelo menos 15 pessoas morreram durante a noite em ataques israelenses.

    Moradores disseram que forças blindadas que assumiram o controle ao longo da fronteira de Rafah realizaram vários ataques no centro e oeste da cidade, ferindo vários civis que ficaram presos dentro de suas casas e foram pegos de surpresa.

    Alguns residentes disseram que tanques foram recentemente a Al-Izba, uma área no extremo sudoeste de Rafah, perto da costa do Mediterrâneo.

    “Acho que as forças de ocupação estão tentando chegar ao litoral de Rafah. Os ataques e os bombardeios durante a noite foram táticos, eles entraram com artilharia pesada e depois recuaram”, disse um residente palestino à Reuters por meio de um aplicativo de bate-papo.

    “Foi uma das piores noites, algumas pessoas ficaram feridas dentro de suas casas até serem evacuadas nesta manhã”.

    Nesta sexta-feira (7), um ataque aéreo israelense contra uma casa na cidade de Khan Younis, no sul do país, ao norte de Rafah, matou seis pessoas e feriu várias, incluindo crianças, disseram médicos.

    As forças israelenses também operavam dentro do campo de Al-Bureij, no centro da Faixa de Gaza, enquanto submetiam al-Maghazi e al-Nuseirat e a cidade adjacente de Deir al-Balah a pesados ​​bombardeios aéreos e de tanques, relataram médicos palestinos.

    Os braços armados do Hamas, da Jihad Islâmica e de grupos militantes menores afirmaram que os seus combatentes realizaram ataques contra as forças israelenses em diversas áreas do centro e do sul.

    Na sua última atualização, os militares israelenses afirmaram ter matado “dezenas” de militantes, localizado mais túneis e destruído mais infraestruturas militantes nas operações contínuas em al-Bureij e Deir al-Balah, no centro de Gaza.

    Israel descartou a possibilidade de paz até que o Hamas seja erradicado, e grande parte de Gaza está em ruínas, mas o Hamas tem-se mostrado resiliente, com militantes voltando às áreas onde as forças de Israel tinham anteriormente declarado vitória.

    Na quinta-feira (6), Israel atingiu uma escola em Gaza com o que disse ter sido um ataque aéreo direcionado a 30 combatentes do Hamas e da Jihad Islâmica. Uma autoridade do Hamas disse que 40 pessoas foram mortas, incluindo mulheres e crianças abrigadas nas instalações da ONU.

    Os militares de Israel disseram ter identificado nove dos 30 militantes alvo do ataque. A agência da ONU para os refugiados palestinos (UNRWA) disse que sua escola estava sendo usada como abrigo para 6.000 pessoas deslocadas.

    “É apenas mais um exemplo horrível do preço que os civis estão pagando, que homens, mulheres e crianças palestinos que apenas tentam sobreviver, sendo forçados a perambular numa espécie de círculo de morte em torno de Gaza, tentando encontrar segurança, estão pagando”, disse o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric.

    A guerra começou após o Hamas invadir a fronteira com o sul de Israel no último dia 7 de outubro, matando cerca de 1.200 pessoas e fazendo mais de 250 reféns, segundo registros israelenses. Cerca de metade dos reféns foram libertados numa trégua, em novembro.

    A invasão e o bombardeamento de Gaza por parte de Israel desde então mataram mais de 36 mil pessoas, de acordo com autoridades de saúde no enclave costeiro, que afirmam que milhares de mortos estão sob os escombros. A maior parte dos 2,3 milhões de habitantes foram deslocados.

    Desde uma breve trégua de uma semana em novembro, repetidas tentativas de conseguir um cessar-fogo falharam, com o Hamas a insistir na sua exigência de um fim permanente do conflito e da retirada total de Israel de Gaza.

    Israel diz que está preparado para discutir apenas pausas temporárias nos combates até que o grupo militante seja destruído e Gaza não represente mais ameaça à segurança.

    “Mostramos toda a flexibilidade necessária para chegar a um acordo, mas a ocupação israelense continua recusando qualquer compromisso para acabar com a agressão e retirar as suas forças da Faixa de Gaza”, disse um responsável do Hamas à Reuters.

    “A ocupação e os americanos são os culpados pela ausência de um acordo até agora, porque não querem que esta guerra contra o nosso povo acabe”, disse ele.