Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Irã executa campeão de caratê e treinador infantil em meio a repressão a protestos

    Dupla que supostamente participou de protestos contra o regime no ano passado foi condenada pelo assassinato de Seyed Ruhollah Ajamian, membro da força paramilitar Basij do país

    Artemis MoshtaghianSahar AkbarzaiTara SubramaniamJomana KaradshehNiamh Kennedyda CNN

    As execuções no sábado (7) de dois jovens no Irã, um campeão de karatê e o outro um treinador infantil voluntário, em conexão com protestos em todo o país, provocaram indignação em todo o mundo.

    O número total de pessoas agora conhecidas por terem sido executadas em conexão com os protestos que varreram o país desde a morte da iraniana curda Mahsa Amini, de 22 anos, sob custódia policial em 16 de setembro, chegou a quatro.

    Mohammad Mehdi Karami e Seyed Mohammad Hosseini foram enforcados na manhã de sábado, informou a Fars News. A dupla, que supostamente participou de protestos contra o regime no ano passado, foi condenada pelo assassinato de Seyed Ruhollah Ajamian, membro da força paramilitar Basij do país, em Karaj em 3 de novembro, segundo a agência de notícias judiciária iraniana Mizan.

    Mohammad Hossein Aghasi, um advogado que defende Karami, publicou no Twitter no sábado dizendo que Karami não recebeu os direitos finais de falar com sua família antes de sua execução. O advogado acrescentou que Karami iniciou uma greve de fome na quarta-feira (4) como uma forma de protesto contra as autoridades por não permitirem que Aghasi o representasse.

    Em dezembro, os pais de Karami foram às redes sociais implorando por sua vida. “Por favor, imploro a você que retire a ordem de execução do arquivo do meu filho”, disse o pai do campeão de caratê de 21 anos.

    Outros 41 manifestantes foram condenados à morte no Irã, de acordo com declarações de autoridades iranianas e na mídia iraniana analisada pela CNN e 1500Tasvir, mas o número pode ser muito maior.

    ONU e UE instam Irã a interromper execuções

    O Gabinete do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e a União Europeia (UE) instaram o Irã a suspender todas as execuções após o enforcamento da dupla.

    “Lamentamos a execução de mais dois manifestantes, #MohammadMehdiKarami e #MohammadHosseini, após julgamentos injustos baseados em confissões forçadas”, disse o ACNUDH em publicação no Twitter no sábado.

    O ACNUDH chamou de “chocante” que o Irã tenha continuado a executar manifestantes “apesar do clamor internacional”.

    “Instamos o Irã a interromper todas as execuções”, acrescentou o ACNUDH.

    A UE disse em um comunicado no sábado que estava “horrorizada” com as execuções, chamando-as de “mais um sinal da violenta repressão das autoridades iranianas às manifestações civis”.

    “A União Europeia pede mais uma vez às autoridades iranianas que ponham imediatamente fim à prática fortemente condenável de impor e executar sentenças de morte contra os manifestantes”, diz o comunicado.

    “A UE também pede às autoridades que anulem sem demora as recentes sentenças de pena de morte que já foram pronunciadas no contexto dos protestos em andamento e que forneçam o devido processo a todos os detidos”, acrescentou.

    A organização sem fins lucrativos Iran Human Rights (IHR), com sede na Noruega, também condenou os assassinatos e alertou “sobre a execução de um grande número de manifestantes nos próximos dias se isso não for recebido com uma resposta apropriada”, em um comunicado no sábado.

    “As execuções são uma extensão do assassinato de manifestantes indefesos na prisão e não têm base legal”, disse o diretor de Direitos Humanos do Irã, Mahmood Amiry-Moghaddam, em comunicado.

    Várias grandes estrelas de Hollywood, incluindo Cate Blanchett, Jason Momoa, Bryan Cranston e Olivia Wilde, pediram o fim das execuções no Irã em uma campanha online lançada na sexta-feira (6).

    A campanha, que conta com mais de 50 estrelas, foi organizada pela roteirista e satírica iraniana-americana Nicole Najafi, pela diretora, escritora e produtora iraniana-americana Ana Lily Amirpour e pela atriz e escritora iraniana-americana Mozhan Marno.

    Em um vídeo postado online, as celebridades em destaque seguram um pedaço de papel branco com a legenda “#StopExecutionsinIran”.

    A seguinte mensagem é transmitida por meio de texto na tela: “Estamos com o povo do Irã em sua luta pela liberdade. Milhares de manifestantes foram presos. Alguns já foram executados. Muitos mais estão em perigo. Mas o mundo está assistindo”.

    O vídeo termina incentivando os espectadores a tirar sua própria foto com a placa e publicá-la online.

    Jornalista preso

    Enquanto isso, o editor de política do jornal independente iraniano Etemad Online, Mehdi Beyk, foi detido na quinta-feira (5), de acordo com um tuíte da publicação.

    A prisão ocorreu em meio a uma repressão das autoridades iranianas após os protestos provocados pela morte de Mahsa Amini, de 22 anos, no ano passado, depois que ela foi detida pela polícia moral do estado por supostamente não usar o hijab corretamente. Desde então, os protestos se uniram em torno de uma série de queixas contra o regime autoritário.

    Beyk foi detido por funcionários do Ministério da Informação do Irã, disse sua esposa, Zahra Beyk, na sexta-feira.

    Ele foi preso depois de “entrevistar as famílias de vários dos presos nas manifestações em andamento”, de acordo com o jornal ativista pró-reforma IranWire.

    O “telefone celular, laptop e pertences do jornalista foram confiscados”, publicou sua esposa no Twitter. Não está claro até agora por que Beyk foi preso.

    Autoridades iranianas já prenderam alguns indivíduos por suas críticas à resposta do governo às manifestações.

    Uma das atrizes mais conhecidas do Irã, Taraneh Alidoosti, foi libertada sob fiança na quarta-feira (4), disse a ISNA, alinhada com o estado, depois que ela foi presa após criticar a execução de um manifestante.

    Conhecida como ativista feminista, Alidoosti publicou no mês passado uma foto sua no Instagram sem o hijab islâmico e segurando uma placa com os dizeres “Mulheres, Vida, Liberdade” para mostrar apoio ao movimento de protesto.

    Alidoosti não foi formalmente acusada, mas foi inicialmente presa por “falta de provas para suas alegações” em relação ao seu protesto contra o enforcamento de Mohsen Shekari no mês passado, na primeira execução conhecida ligada aos protestos.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original