Meghan receberá quantia confidencial de jornal por violação de direitos autorais

Duquesa de Sussex venceu longa batalha judicial contra o jornal britânico Mail por publicar carta com informações privadas

Meghan Markle no palco do Global Citizen Live 2021 no Central Park em Nova York
Meghan Markle no palco do Global Citizen Live 2021 no Central Park em Nova York Reuters

Niamh Kennedyda CNN

Ouvir notícia

Meghan Markle, a duquesa de Sussex, receberá uma quantia confidencial do jornal britânico Mail por violação de direitos autorais após uma longa batalha legal contra o tabloide chegar ao fim, segundo documentos do tribunal.

A duquesa apresentou duas ações distintas contra o editor do jornal: uma por violação de direitos autorais e outra por uso indevido de informações privadas.

De acordo com uma ordem judicial emitida em 17 de dezembro pelo Tribunal de Apelação vista pela CNN na quarta-feira (5), a Associated Newspapers Limited (ANL) – que publica o Mail e Mail Online – deve pagar à duquesa uma quantia confidencial previamente acordada relacionada à alegação de violação de direitos autorais.

O tribunal concluiu que a ANL infringiu os direitos autorais de Meghan ao publicar trechos de uma carta manuscrita que ela enviou a seu pai no jornal The Mail on Sunday e no site Mail Online durante as audiências em janeiro e maio do ano passado, diz a ordem judicial.

O grupo também deve pagar a duquesa por danos nominais pelo uso indevido de informações privadas, de acordo com a ordem judicial.

Em 2 de dezembro, o Tribunal de Apelação manteve a decisão de que a ANL usara indevidamente as informações privadas de Meghan por meio da publicação da carta, dizendo que a Duquesa “tinha uma expectativa razoável de privacidade no conteúdo da carta”.

Após o julgamento, a ANL disse em um comunicado que estava “muito decepcionada” e considerando um recurso para a Suprema Corte do Reino Unido.

Em uma declaração após o julgamento, Meghan saudou isso como uma “vitória não apenas para mim, mas para qualquer um que já sentiu medo de defender o que é certo”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN