Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mudança de tática da Rússia coloca pressão sem precedentes sobre sistema de energia da Ucrânia

    Ucrânia estima danos bilionários à rede energética do país

    Pessoas usam tochas em Kiev, na Ucrânia, durante apagão parcial
    Pessoas usam tochas em Kiev, na Ucrânia, durante apagão parcial 16/05/2024 - REUTERS/Thomas Peter

    Clare SebastianOlga Voitovychda CNN Kiev

    Kateryna Serzhan diz que a única maneira de sobreviver à rotina de apagões da Ucrânia é “ter sempre um plano B”.

    Aos 35 anos, ela teve de revisar o modo de vida com a filha de 3 anos, Varia, em seu apartamento localizado em Kiev.

    Elas saem para brincar na rua, e quando voltam, o caminho é composto por 15 lances de escadas carregando a criança, agora com 17 kg. A mãe e a filha preferem ficar em casa e brincar com uma bola em vez de sair para andar de bicicleta nesses dias, diz Kateryna.

    Sem energia, não há água, então ela tem que programar os banhos da filha com base nos apagões. Mas às vezes eles ocorrem fora dos horários programados.

    Desejando garantir refeições quentes todos os dias para uma criança que nem sempre as come, ela agora tem um fogão a gás na cozinha e uma pequena bateria para alimentar o micro-ondas.

    A resiliência de Serzhan mascara o aprofundamento da crise na Ucrânia. Estes não são os primeiros apagões contínuos desde a invasão da Rússia, mas são os primeiros a acontecer na primavera e no início do verão – tradicionalmente os meses com menor procura de eletricidade antes do início da época de ar condicionado –, apontando a profundidade do problema de abastecimento.

    Nas primeiras horas da manhã de quinta-feira (20), a Ucrânia sofreu o sétimo ataque massivo russo às suas instalações energéticas desde 22 de março deste ano.

    A Ukrenergo, operadora estatal da rede, relatou danos em quatro regiões. Sete trabalhadores da energia ficaram feridos e os cortes de energia previamente programados foram prolongados.

    Neste sábado (21), ataques de mísseis russos atingiram várias instalações energéticas ucranianas, deixando milhares de pessoas sem energia, disseram autoridades.

    Na região de Zaporizhzhia, dois engenheiros de energia ficaram feridos e a instalação de energia foi danificada durante a noite, segundo Ivan Fedorov, chefe da administração militar regional de Zaporizhzhia.

    A rede energética da Ucrânia esteve na mira dos mísseis russos desde o início da guerra.

    Mas, neste ano, Moscou começou a visar especificamente instalações de produção de energia – centrais térmicas, centrais hidroelétricas e até instalações de armazenamento de energia –, numa mudança acentuada nas tácticas em relação ao Inverno anterior.

    À época, os ataques eram menos precisos e os danos mais fáceis de reparar. Especialistas dizem que a Rússia tem usado armamento melhor e aproveitado as fracas defesas aéreas ucranianas.

    Na conferência de reconstrução da Ucrânia, realizada em Berlim, em meados de junho, o presidente Volodymyr Zelensky expôs a escala da destruição causada pelos primeiros seis ataques.

    “Os ataques russos com mísseis e drones já destruíram 9 GW de capacidade, enquanto o pico de consumo de energia na Ucrânia no inverno passado foi de 18 GW. Então, metade disso não existe mais”, afirmou.

    Autoridades e executivos de energia reconhecem agora que não há como evitar apagões neste inverno. A missão agora é simplesmente minimizá-los.

    “Se não restaurarmos as usinas danificadas existentes, se não melhorarmos a capacidade de interconexão para entrada, se não construirmos esses geradores distribuídos, pelo menos em alguns lugares, as pessoas terão energia para menos de quatro horas por dia”, afirma Dmytro Sakharuk, diretor executivo da DTEK, a maior empresa privada de energia da Ucrânia.

    “Faltam 120 dias para o início da estação de aquecimento”, alerta, ao reforçar que a postura adotada não poderá ser a usual.

    A Ucrânia está tentando resolver o problema de várias maneiras.

    Além de reconstruir o que podem, em alguns casos utilizando peças de centrais elétricas desativadas na Europa, as autoridades e as empresas de energia estão buscando garantir o maior número possível de geradores e turbinas a gás para apoiar infraestruturas críticas durante o inverno, além de trabalhar com parceiros europeus para aumentar as importações de eletricidade.

    Antes da guerra, a Ucrânia era um exportador líquido de eletricidade e até conseguiu retomar algumas exportações durante a guerra. Isso parou em março.

    “Estamos fazendo o nosso melhor”, disse a vice-ministra da Energia, Svitlana Grynchuk, à CNN Internacional. “Entendemos que sem energia será muito difícil sobreviver.”

    Quando os esforços do lado da oferta são insuficientes, tudo o que resta é reduzir a procura. E isso significa pedir ainda mais sacrifícios ao povo ucraniano já cansado do apagão.

    “Pedimos ao nosso povo que estivesse pronto para compreender a situação, para apoiar a Ucrânia, para apoiar os nossos trabalhadores da energia”, diz Grynchuk. “Chamamos isso de segunda linha de frente.”

    No final de abril, algumas semanas depois de um ataque russo ter destruído a maior central elétrica da região de Kiev, Andrii Buzovskyi, um agente da polícia de Kiev de 52 anos, gastou cerca de R$ 7.604,94 em dois painéis solares para a sua varanda.

    “Eu os instalei para que minha família não se sentisse desconfortável quando não houvesse eletricidade”, disse ele à CNN Internacional. “Não sabemos o que pode acontecer daqui pra frente.”

    O governo gostaria de ver mais disso. O primeiro-ministro da Ucrânia, Denis Shmyhal, acaba de anunciar novos subsídios para ajudar cooperativas habitacionais a investir em painéis solares e bombas de calor.

    O banco central da Ucrânia também está trabalhando para tornar mais acessíveis os empréstimos às famílias e às empresas para a compra de equipamentos relacionados com a energia.

    Em seu prédio, Serzhan procura um tipo diferente de independência energética. Ela está tão preocupada em enfrentar temperaturas congelantes em seu apartamento neste inverno que está pensando em alugar uma pequena casa nos arredores de Kiev com fogão a lenha. “É como o século 19”, ela admite.

    As empresas estão fazendo a sua parte. A Ferrovia Ucraniana revisou os horários de 74 trens suburbanos (cerca de 7% do total), suspendendo temporariamente alguns serviços.

    A empresa disse à CNN Internacional que também suspendeu o uso de ar condicionado em prédios administrativos e desligou a iluminação externa.

    A presidente-executiva da rede de supermercados Auchan, Marta Trush, disse à CNN que, embora todas as suas lojas já estejam equipadas com geradores, buscou modernizar os seus frigoríficos para poupar energia e reduziu a sua gama de produtos com prazos de validade curtos.

    Parte disso tem o incentivo adicional de mitigar o aumento dos custos.

    “A operação de toda a rede com geradores a diesel é cerca de três vezes mais cara do que com a rede elétrica central”, disse Trush.

    “Então, para economizar energia elétrica nas áreas de vendas, reduzimos a iluminação e restringimos temporariamente o acesso às geladeiras, mas vemos como os clientes estão entendendo as medidas forçadas.”

    Os cortes de energia têm um claro efeito inflacionário, disse Igor Piddubnyi, pesquisador da Escola de Economia de Kiev.

    “As empresas precisam de alguma forma obter fornecimento de energia de reserva, e estão comprando geradores a diesel, painéis solares, etc., e isso aumenta o custo de produção”, disse ele à CNN Internacional.

    A incapacidade da Ucrânia de exportar eletricidade também perturba a sua balança comercial, diz ele, o que alimenta a inflação.

    O Banco Nacional da Ucrânia estimou em maio que o crescimento econômico desacelerará para 3% este ano, ante os 5,3% em 2023, principalmente devido aos danos no setor energético. A inflação deverá subir ligeiramente para 8,2%.

    E embora a Rússia esteja registrando um aumento da sua força de trabalho durante a guerra, com o desemprego em mínimos históricos, Piddubnyi disse que as evidências mostram que os cortes de energia estão forçando as empresas ucranianas a despedir trabalhadores.

    O banco central ainda espera que o desemprego caia este ano, mas apenas para 14%, face ao nível atual de 15%.

    É uma situação dolorosa, disse Piddubnyi. “A Ucrânia perde realmente muito, mas também o problema é que a Rússia ainda obtém enormes lucros com a exportação de petróleo e gás.”

    A Escola de Economia de Kiev estimou no mês passado que a reconstrução da infraestrutura energética danificada da Ucrânia custaria US$ 50,5 bilhões, tendo em conta novas medidas para melhorar a sua resiliência contra novos ataques.

    Isso é o equivalente a todo o empréstimo arduamente obtido, apoiado pelos lucros dos ativos congelados da Rússia, que foi prometido recentemente à Ucrânia, que poderá demorar meses para ver esse dinheiro.

    O G7, que já gastou US$ 3 bilhões até à data para apoiar o setor energético da Ucrânia, acaba de anunciar mais um novo pacote de financiamento no início de junho.

    Piddubnyi salienta que é impossível calcular o verdadeiro custo da reconstrução enquanto os ataques continuam. “Há uma clara incerteza sobre quantas centrais elétricas serão destruídas pelos russos”, disse ele.

    O Ministério da Energia da Ucrânia afirma que tem construído abrigos de concreto para proteger alguns equipamentos energéticos de ataques.

    Mas sistemas de defesa aérea mais avançados são a única forma de proteger centrais elétricas inteiras e evitar que a conta de reconstrução suba em espiral.

    Após o ataque de quinta-feira, os intensos esforços de lobby de Kiev pareciam finalmente estar dando frutos.

    A Romênia concordou, após meses de deliberação, em enviar um sistema de defesa aérea Patriot para a Ucrânia.

    Além disso, um alto funcionário da Casa Branca disse à CNN Internacional que a Ucrânia teria prioridade máxima para os envios de capacidades avançadas de defesa aérea dos Estados Unidos, à frente de alguns outros países. Essas entregas devem começar neste verão.

    Sakharuk, que falou à CNN antes da sétima onda de ataques a instalações de energia em 20 de junho, disse que gostaria de ver entregas de munições de defesa aérea especificamente para proteger as instalações de energia.

    Ele admite que manter o moral entre os funcionários é um grande desafio. “Eles vêem que estão num tipo de ciclo em que reparam uma instalação de energia, a Rússia descobre que está sendo reparada e (é) novamente destruída.”

    “Em alguns casos, os trabalhadores já fizeram isso três a quatro vezes.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original