Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Não há qualquer prova física de existência de tecnologia alienígena, diz astrônomo

    À CNN Rádio, Cássio Barbosa afirmou que faltam provas cabais ao relato de ex-oficial da Força Aérea dos EUA que alegou que governo esconde restos mortais “não humanos”

    Ovni avistado perto do Centro de Desenvolvimento Aéreo Holloman, no Novo México, EUA
    Ovni avistado perto do Centro de Desenvolvimento Aéreo Holloman, no Novo México, EUA Foto: Bettmann/Getty Images (16.out.1957)

    Amanda Garciada CNN

    Não há nenhuma prova física de que os Estados Unidos estão escondendo objetos voadores não-identificados (OVNIs) ou restos mortais de pilotos supostamente “não humanos” das aeronaves.

    É o que explica o astrônomo do Centro Universitário da FEI Cássio Barbosa, em entrevista à CNN Rádio.

    Nesta semana, David Grush, que é ex-oficial de inteligência da Força Aérea dos Estados Unidos, fez as alegações durante audiência do Congresso norte-americano.

    “Pode trocar a agência, às vezes é alguém ex-Nasa, ou ex-Departamento de Defesa, e agora ex-militar, mas é sempre nesta linha de que teve acesso, mas sem qualquer prova física além do testemunho”, disse Cássio.

    Ele lembra que “a ciência trabalha com evidências” e, dessa forma, “afirmações extraordinárias necessitam de provas extraordinárias.”

    “Poderia ser um pedaço da nave, por exemplo, ou evidência dessa amostra do tecido do piloto alienígena”, completou.

    O astrônomo reforçou que a pergunta “se estamos sozinhos” no universo permeia a humanidade “desde que se começou a pensar o que tem na Terra e fora dela.”

    “Infelizmente, até o momento, parece que estamos sozinhos no universo. Eu acredito em vida fora da Terra, mas não passa de crença, já que é improvável que só tenha a humanidade.”

    Ele acredita que Estados Unidos e países como Rússia e China escondem tecnologia, mas “não no sentido de armazenarem homenzinhos verdes.”

    “Mas, sim, tecnologia ultramoderna e secreta”, defendeu.

    A famosa Area 51, para Cássio, não passa de uma base secreta onde se desenvolve tecnologia de guerra silenciosa.

    “Provavelmente os avistamentos são de drones ou artefatos militares modernos que estão em fase de teste”, disse.

    Por esse motivo, há a estratégia de “esconder” o desenvolvimento da tecnologia das demais nações.

    *Com produção de Isabel Campos