Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Nasa faz cálculo e diz que OVNI em vídeo divulgado pelo Pentágono é menos extraordinário do que parece

    Painel de especialistas independentes divulgou relatório nesta quinta-feira (14) esclarecendo vídeo divulgado pelo governo dos EUA em 2020

    Em abril de 2020, Pentágono retirou sigilo de três vídeos curtos que mostram OVNIs em “fenômenos aéreos não identificados”. Evento ficou conhecido como "GoFast".
    Em abril de 2020, Pentágono retirou sigilo de três vídeos curtos que mostram OVNIs em “fenômenos aéreos não identificados”. Evento ficou conhecido como "GoFast". Departamento de Defesa dos EUA

    Léo Lopesda CNN

    São Paulo

    Um painel da Nasa formado por especialistas independentes divulgou um relatório sobre OVNIs, nesta quinta-feira (14), que trouxe novas informações sobre vídeos de “fenômenos aéreos não identificados” (UAPs, na sigla em inglês) divulgados pelo Pentágono.

    Em abril de 2020, o Pentágono divulgou oficialmente três vídeos curtos de UAPs que mostram aparentes OVNIs se movendo rapidamente em gravações de câmeras infravermelhas na Costa Leste dos EUA, na Califórnia. Esses vídeos já circulavam na internet após terem sido revelados pela empresa privada To The Stars, fundada pelo músico Tom DeLonge, guitarrista e vocalista do blink-182.

    Veja o vídeo em questão abaixo.

    Um dos vídeos ficou conhecido como “GoFast”, gravado por caças de aviadores da Marinha americana associados ao porta-aviões USS Theodore Roosevelt, em janeiro de 2015.

    “O vídeo dá a impressão de um objeto deslizando sobre o oceano a grande velocidade. Mas a análise da informação numérica no display [da câmera infravermelha do caça] revela uma interpretação menos extraordinária”, escreveu o painel da Nasa no relatório divulgado nesta

    Painel da Nasa divulgou cálculo sobre vídeo de OVNI divulgado pelo Pentágono em 2020.
    Painel da Nasa divulgou cálculo sobre vídeo de OVNI divulgado pelo Pentágono em 2020. / Reprodução

    Os especialistas apontam que, com base nos dados apontados no display da câmera infravermelha e “usando um pouco de trigonometria”, é possível calcular que o objeto estava a uma altitude de 13 mil pés (3,96 quilômetros) e a 6,8 quilômetros do oceano ao fundo.

    “Dado que a velocidade da aeronave no solo é de cerca de 435 mph (700,06 km/h), podemos concluir que a impressão de movimento rápido se deve, pelo menos em parte, à alta velocidade do sensor, juntamente com o efeito de paralaxe”, afirma o relatório.

    A paralaxe é o nome dado ao conceito que consiste no aparente deslocamento de um objeto causado pela mudança no posicionamento do observador.

    “Usando a velocidade real do ar calculada e um pouco mais de trigonometria, descobrimos que o objeto se moveu cerca de 390 metros durante esse intervalo de 22 segundos, o que corresponde a uma velocidade média de 40 mph (64,37 km/h). Esta é uma velocidade típica do vento a 13 mil pés (3,96 km)”, acrescenta a Nasa.

    Os especialistas ressalvam que negligenciaram os efeitos do vento na aeronave e, portanto, há incerteza no resultado. Mas pontuam que a análise refuta a ideia do OVNI no vídeo se mover a uma “velocidade extraordinária”.

    Veja também: OVNIs: militares americanos cobram respostas da Casa Branca

    “Observe também que o objeto parece brilhante contra um oceano escuro. Isso indica que o objeto é mais frio que o oceano. Portanto, não há evidência de calor produzido por um sistema de propulsão. Isto apoia ainda mais a conjectura de que o objeto provavelmente está à deriva com o vento. A disponibilidade de dados adicionais permitiria uma conclusão mais firme sobre a natureza deste objeto”, concluem os especialistas.

    Relatório da Nasa sobre OVNIs: veja o que a agência diz sobre os fenômenos

    A Nasa apresentou, nesta quinta-feira (14), um relatório encomendado para levantar possibilidades sobre como a agência pode contribuir cientificamente com a análise de OVNIs (objetos voadores não identificados), agora chamados por ela de “fenômenos aéreos não identificados”.

    O diretor da Nasa, Bill Nelson, durante pronunciamento feito na manhã desta quinta-feira, informou que o estudo mostrou que a agência pode usar dados, inteligência artificial e machine learning para investigar OVNIs e tornar todas as informações públicas para combater o sensacionalismo em torno da questão.

    “[Encomendamos esse relatório] com algumas metas em mente: entender como a Nasa pode estudar OVNIs de uma perspectiva científica, mudar a conversa de sensacionalismo para ciência e ter certeza de que as informações sobre o que encontrarmos ou recomendarmos sejam compartilhadas de forma transparente pelo mundo”, declarou Nelson.

    Ele anunciou ainda a criação de uma diretoria de pesquisa de OVNIs, que terá a tarefa de desenvolver e coordenar a visão da Nasa sobre as pesquisas de OVNIs.

    Veja mais detalhes do relatório na matéria completa neste link.

    Veja também: Supostos corpos de extraterrestres são exibidos no Congresso do México