Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Netanyahu: acordo deve permitir que Israel retome combates na Faixa de Gaza

    Premiê israelense defende direito de erradicar estruturas do Hamas do enclave palestino

    Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu
    Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu 05/06/2024GIL COHEN-MAGEN

    Nidal al-MughrabiMaayan Lubellda Reuters

    Qualquer acordo de cessar-fogo em Gaza deve permitir que Israel retome os combates até que seus objetivos sejam alcançados, disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu neste domingo (7), enquanto se espera que as negociações sobre um plano dos EUA destinado a encerrar a guerra de nove meses sejam reiniciadas.

    Cinco dias depois de o Hamas ter aceitado uma parte fundamental do plano, dois responsáveis ​​do grupo militante palestino disseram que o grupo estava aguardando a resposta de Israel à sua última proposta.

    Netanyahu estava programado para realizar consultas na noite deste domingo (7) sobre os próximos passos na negociação do plano de três fases que foi apresentado em maio pelo presidente dos EUA, Joe Biden, e está sendo mediado pelo Catar e pelo Egito.

    O objetivo é acabar com a guerra e libertar cerca de 120 reféns israelenses detidos em Gaza.

    O Hamas abandonou uma exigência fundamental de que Israel primeiro se comprometesse com um cessar-fogo permanente antes de assinar um acordo. Em vez disso, disse que permitiria negociações para alcançar esse objetivo durante a primeira fase de seis semanas, disse uma fonte do Hamas à Reuters no sábado (6), sob condição de anonimato.

    Mas Netanyahu disse insistir que o acordo não deve impedir Israel de retomar os combates até que os seus objetivos de guerra sejam alcançados. Esses objetivos foram definidos no início da guerra como o desmantelamento das capacidades militares e governativas do Hamas, bem como o retorno dos reféns.

    “O plano que foi acordado por Israel e que foi bem recebido pelo presidente Biden permitirá que Israel devolva os reféns sem infringir os outros objetivos da guerra”, disse Netanyahu.

    O acordo, disse ele, também deve proibir o contrabando de armas para o Hamas através da fronteira Gaza-Egito e não deve permitir que milhares de militantes armados regressem ao norte de Gaza.

    O diretor da Agência Central de Inteligência dos EUA, William Burns, se reunirá com o primeiro-ministro do Catar e os chefes de inteligência israelense e egípcio na quarta-feira em Doha, disse uma fonte familiarizada com o assunto que pediu para não ser identificada.

    Burns também deverá visitar o Cairo esta semana, juntamente com uma delegação israelense, informou a TV egípcia Al Qahera News neste domingo, citando uma fonte de alto escalão.

    Uma autoridade palestina próxima às negociações disse que a proposta poderia levar a um acordo-quadro se fosse adotada por Israel e poria fim à guerra.

    “Deixamos a nossa resposta com os mediadores e estamos aguardando para ouvir a resposta da ocupação”, disse um dos dois responsáveis ​​do Hamas à Reuters, pedindo para não ser identificado.

    Outra autoridade palestina com conhecimento das deliberações do cessar-fogo disse que Israel estava em negociações com os cataris e que se esperava uma resposta dentro de alguns dias.

    Protestos em Israel

    Em Israel, os manifestantes saíram às ruas de todo o país para pressionar o governo a concordar com o acordo de cessar-fogo em Gaza, que traria de volta os reféns ainda detidos em Gaza.

    Eles bloquearam o trânsito na hora do rush nos principais cruzamentos do país, fizeram piquetes nas casas de políticos e incendiaram brevemente pneus na principal rodovia Tel Aviv-Jerusalém antes que a polícia liberasse o caminho.

    Em Gaza, autoridades de saúde palestinas disseram que pelo menos 15 pessoas foram mortas em ataques israelenses.

    Entre eles estavam Ehab Al-Ghussein, o vice-ministro do Trabalho nomeado pelo Hamas, cuja esposa e filhos foram mortos em maio, e três outras pessoas mortas num ataque a uma escola gerida por uma igreja no oeste da Cidade de Gaza que abrigava famílias, a mídia do Hamas e o Serviço de Emergência Civil disse.

    Os militares israelenses disseram que depois de tomarem medidas para minimizar o risco de civis serem feridos no local, atacaram militantes que estavam escondidos na escola, bem como numa instalação nas proximidades onde as armas eram fabricadas.

    Nas zonas centro e norte de Rafah, na fronteira sul de Gaza com o Egito, os tanques israelenses aprofundaram os seus ataques. Autoridades de saúde disseram ter recuperado três corpos de palestinos mortos por fogo israelense na parte oriental da cidade.

    Os braços armados do Hamas e da Jihad Islâmica, um grupo militante aliado, disseram que os combatentes atacaram as forças israelenses em vários locais da Faixa de Gaza com foguetes antitanque e morteiros.

    Os militares israelenses disseram que as suas forças mataram 30 homens armados em Rafah no último dia e que um dos seus soldados foi morto em combate.

    Em Shejaia, um subúrbio a leste da Cidade de Gaza, os militares afirmaram que as suas forças mataram vários homens armados e localizaram armas e explosivos. Publicou um vídeo de drone mostrando homens armados, alguns parecendo feridos ou mortos, em uma casa.

    A Reuters não conseguiu verificar imediatamente o vídeo.

    O conflito foi desencadeado em 7 de outubro, quando combatentes liderados pelo Hamas, que controlava Gaza, atacaram o sul de Israel, matando 1.200 pessoas e fazendo cerca de 250 reféns, segundo dados israelenses.

    Mais de 38 mil palestinos foram mortos no ataque militar de Israel, segundo autoridades de saúde de Gaza, e o enclave costeiro foi em grande parte reduzido a escombros.

    O Ministério da Saúde de Gaza não faz distinção entre combatentes e não combatentes, mas as autoridades dizem que a maioria dos mortos durante a guerra foram civis. Israel perdeu 324 soldados em Gaza e afirma que pelo menos um terço dos palestinos mortos são combatentes.