Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O gaiteiro que acordou a rainha todas as manhãs toca para ela descansar

    O "Gaiteiro para o Soberano" funciona há décadas como um despertador pessoal, tocando por 15 minutos todas as manhãs, bem como em ocasiões de estado

    Paul Burns, gaiteiro oficial da realeza.
    Paul Burns, gaiteiro oficial da realeza. Reprodução/CNN

    Lauren Said-MoorhouseChristian Edwardsda CNN

    Londres

    Ao longo das sete décadas de reinado da rainha, o público britânico conheceu muitas de suas manias: seus corgis, seus chapéus, seu aceno. Mas, quando a nação se reuniu para seu funeral na segunda-feira (19), eles testemunharam um elemento menos conhecido da vida da rainha: seu flautista.

    Durante a maior parte de seu reinado, a rainha foi despertada pelo som de gaitas de foles tocadas sob sua janela – em todas as suas residências ao redor do país. O “Piper to the Sovereign”, o Gaiteiro para o Soberano, funciona há décadas como um despertador pessoal, tocando por 15 minutos todas as manhãs, bem como em ocasiões de estado.

    Mas na segunda-feira (19), o gaiteiro terá um papel diferente. A música que sinalizou o início das manhãs da rainha agora sinalizará o fim de seu funeral, enquanto ele toca um lamento final ao passo que o caixão é baixado na abóbada real sob a Capela de São Jorge no Castelo de Windsor.

    O flautista tocará da porta entre a capela e o Claustro do Reitor. Enquanto isso, ele começará a caminhar lentamente em direção ao Decanato para que a música dentro da capela desapareça gradualmente. É um momento cheio de simbolismo, pois reflete um final semelhante ao funeral do príncipe Philip no ano passado.

    Antes da performance em Windsor, o flautista encerrou o serviço fúnebre de Estado na Abadia de Westminster com um lamento: “Durma, querida, durma”.

    O papel do Gaiteiro para o Soberano remonta ao reinado da rainha Vitória. Durante uma visita às Highlands escocesas, ela e seu marido, o príncipe Albert, se apaixonaram pelo som. Desde que o papel foi criado em 1843, houve 17 gaiteiros principais.

    Na segunda-feira (19), a música está sendo tocada pelo gaiteiro Paul Burns, do Regimento Real da Escócia, que assumiu o cargo no ano passado. Ele vai tocar um lamento enquanto o caixão da rainha é enterrado.

    Entre as milhares de homenagens prestadas à rainha nesta semana, uma das mais comoventes veio de Scott Methven, que atuou como flautista da rainha entre 2015 e 2019. Em entrevista à BBC, Methven disse que ficou “devastado” ao saber da morte da rainha, e relembrou os muitos momentos de bondade que ela demonstrou durante seus quatro anos de serviço.

    Methven perdeu seus pais e sua esposa em oito meses, enquanto servia como flautista da rainha. Falando à BBC, Methven lembrou-se de “estar com a rainha”, que disse: “Se você não estiver aqui de manhã e não tocar gaita de foles, então eu sei que você está fora. Não espere para perguntar a ninguém, apenas vá para casa se sua família precisar de você porque a família vem em primeiro lugar.”

    “Sabe, Pipes”, continuou a rainha, “se alguém tiver algum problema com isso, diga a eles que eu disse que não havia problema em ir.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original