Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O que as crianças resgatadas na Colômbia comeram para sobreviver 40 dias na selva

    Pequenos foram localizados na sexta-feira (9) e encaminhados a um hospital em Bogotá, onde se recuperam

    Crianças indígenas resgatadas com vida nesta sexta-feira (9), na Colômbia.
    Crianças indígenas resgatadas com vida nesta sexta-feira (9), na Colômbia. Forças Militares da Colômbia/Divulgação

    Stefano PozzebonSahar AkbarzaiHeather Chenda CNN

    Comer farinha de mandioca ajudou a salvar a vida de quatro crianças encontradas vivas na selva amazônica mais de um mês após a queda de um avião, de acordo com um oficial das forças especiais militares colombianas.

    As crianças comeram três quilos de uma farinha de mandioca grossa comumente usada por tribos indígenas na região amazônica, disse o porta-voz, Pedro Arnulfo Sánchez Suárez.

    “Dias após o acidente, eles comeram a farinha que haviam levado para lá, mas [finalmente] ficaram sem comida e decidiram procurar um lugar onde pudessem permanecer vivos”, disse Suárez.

    “Eles estavam desnutridos, mas totalmente conscientes e lúcidos quando os encontramos”, acrescentou.

    “Suas origens indígenas permitiram que adquirissem certa imunidade contra as doenças da selva e o conhecimento da própria selva – saber o que comer e o que não comer -, além de encontrar água que os mantinha vivos – o que não seria possível [se eles] não estavam acostumados a esse tipo de ambiente hostil.”

    As quatro crianças – Lesly Jacobombaire Mucutuy, de 13 anos, Soleiny Jacobombaire Mucutuy, de 9 anos, Tien Ranoque Mucutuy, de 4 anos, e o bebê Cristin Ranoque Mucutuy – estão atualmente se recuperando em um hospital na capital colombiana, Bogotá, após serem levadas lá em uma ambulância aérea pilotada pela Força Aérea Colombiana no sábado (10), disseram autoridades.

    Relatórios médicos dizem que eles estão desidratados e ainda “não podem comer” – mas estão bem e fora de perigo. “O que é necessário agora é estabilizar [sua saúde]”, disse o ministro da Defesa colombiano, Ivan Velasquez, a repórteres reunidos do lado de fora do hospital.

    A mãe das crianças, Magdalena Mucutuy Valencia, morreu na queda do avião em 1º de maio, deixando-os sozinhos e presos na selva amazônica. O piloto do avião, Hernando Murcia Morales, e o líder indígena Yarupari, Herman Mendoza Hernández, também morreram no acidente.

    O desaparecimento das crianças desencadeou uma operação de busca maciça liderada por militares que viu mais de cem soldados das forças especiais colombianas e mais de 70 batedores indígenas vasculhando a floresta profunda.

    Os quatro acabaram sendo encontrados em uma área livre de árvores.

    Eles disseram às autoridades que encontraram um cachorro – um cão pastor belga chamado Wilson, que pertencia a forças especiais. O cachorro havia desaparecido em 18 de maio, disse Suárez. “As crianças nos disseram que passaram três ou quatro dias com Wilson e que o acharam muito magro”, acrescentou.

    As esperanças de sobrevivência das crianças diminuíram com o passar das semanas.

    Seus parentes compartilharam que passaram “muitas noites sem dormir, preocupados” até que as crianças fossem encontradas.

    O presidente colombiano, Gustavo Petro, que visitou as crianças no hospital no sábado, comemorou seu retorno e disse que sua sobrevivência “seria lembrada na história”.

    “Eles são filhos da selva e agora são filhos da Colômbia”, disse Petro.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original