Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    OMS: Variante do coronavírus foi detectada em Dinamarca, Holanda e Austrália

    Líder técnica da Organização Mundial da Saúde para o novo coronavírus disse que é preciso fazer todo o possível para parar propagação de mutação da doença

    Maria Van Kerkhove, líder técnica da OMS para Covid-19 diz que mutações do coronavírus são preocupantes
    Maria Van Kerkhove, líder técnica da OMS para Covid-19 diz que mutações do coronavírus são preocupantes Foto: Christopher Black - 16.mar.2020/Reuters

    Arnaud Siad, da CNN

    A nova variante da Covid-19, originária no sudeste da Inglaterra, foi identificada também na Dinamarca, na Holanda e na Austrália, disse a líder técnica da Organização Mundial da Saúde (OMS), Maria Van Kerkhove, neste domingo (20).

    “Sabemos que essa variante foi identificada também na Dinamarca, na Holanda e houve um caso na Austrália e não se espalhou por lá”, disse ela à BBC em uma entrevista pré-gravada.

    Destaques do CNN Brasil Business:
    Fim do mistério: nos 40 anos do Chester, empresa divulga fotos do animal vivo
    Já pensou em investir em hits sertanejos e músicas do Paulo Ricardo? É possível
    Vinhos e espumantes por menos de R$ 100 para comemorar as festas de final de ano

    Questionada se podia confirmar que a nova variante se originou ou evoluiu no sudeste da Inglaterra, ela disse: “Sim. Com base nas informações que [o Reino Unido] compartilhou conosco, [surgiu] no sudeste da Inglaterra ou em Londres, sim”.

    Ela acrescentou que “o Reino Unido detectou [a existência da nova variante] em setembro e percebeu que ela circulava no sudeste da Inglaterra desde setembro”.

    Assista e leia também:
    Reino Unido diz que mutação do novo coronavírus está ‘fora de controle’
    Britânicos retomam fechamento parcial contra cepa mais infecciosa do coronavírus
    Reino Unido: Vacinas devem funcionar contra nova variante da Covid-19

    “É preocupante que o vírus esteja se espalhando e tenha tantas mutações”, disse ela.

    Kerkhove acrescentou: “Compreendemos que o vírus não causa infecções mais graves com base nas informações preliminares que o Reino Unido compartilhou conosco, embora esses estudos estejam em andamento para examinar pacientes hospitalizados com esta variante”.

    A especialista disse que fazer mais sequenciamento genético será útil para determinar se essa variante está circulando em outro lugar.

    “Quanto mais tempo esse vírus se espalhar, mais oportunidades ele tem de mudar. Portanto, realmente precisamos fazer tudo o que pudermos agora para evitar a propagação”, concluiu.

    (Texto traduzido; leia o original em inglês)