Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Papa afirma esperar que acordo com a China sobre bispos seja renovado em breve

    Acordo busca aliviar divisão de longa data na China continental entre um grupo clandestino leal ao papa e uma igreja oficial apoiada pelo Estado

    Foto: Kevin Frayer/Getty Images

    Philip Pullellada Reuters

    na Cidade do Vaticano

    Ouvir notícia

    O papa Francisco disse que, embora o acordo secreto e contestado do Vaticano com a China sobre a nomeação de bispos católicos romanos não seja o ideal, ele espera que possa ser renovado em outubro porque a Igreja tem uma visão de longo prazo.

    As relações com a China foram um dos muitos temas internacionais e da Igreja que o pontífice de 85 anos abordou em uma entrevista exclusiva à Reuters em sua residência no Vaticano em 2 de julho.

    O acordo, que foi fechado pela primeira vez em 2018 e é renovado a cada dois anos, foi uma tentativa de aliviar uma divisão de longa data na China continental entre um grupo clandestino leal ao papa e uma igreja oficial apoiada pelo Estado.

    Ambos os lados agora reconhecem o papa como líder supremo da Igreja Católica.

    O acordo, que ainda é provisório, centra-se na cooperação na nomeação de bispos, dando ao papa a palavra final. Seus detalhes não foram divulgados.

    “O acordo está indo bem e espero que em outubro possa ser renovado”, disse Francisco.

    Comparação ao bloco soviético

    Francisco defendeu o acordo como sendo a política de trabalhar com o pouco disponível e tentar melhorá-lo.

    Ele comparou seus oponentes àqueles que criticaram os papas João XXII e Paulo VI nas décadas de 1960 e 1970 sobre a chamada política de pequenos passos em que o Vaticano fez acordos às vezes desconfortáveis ​​com as nações comunistas do Leste Europeu para manter a Igreja viva durante a Guerra Fria e limitar sua perseguição lá.

    “A diplomacia é assim. Quando você enfrenta uma situação de bloqueio, você precisa encontrar o caminho possível, não o ideal”, disse Francisco.

    “Diplomacia é a arte do possível e de fazer coisas para que o possível se torne realidade”, disse.

    O principal arquiteto da política do Vaticano em relação ao bloco oriental comunista foi Agostino Casaroli, um diplomata que serviu sob três papas entre 1961-1990 e encerrou sua carreira como secretário de Estado.

    “Muitas pessoas disseram tantas coisas contra João XXIII, contra Paulo VI, contra Casaroli”, disse Francisco.

    Os críticos de Casaroli o acusaram de lidar com um inimigo sem Deus, mas a maioria dos historiadores concorda que seu trabalho manteve a Igreja viva na Europa Oriental até a queda do Muro de Berlim em 1989.

    Comparando a situação atual com a era pré-1989, Francisco disse que sua nomeação de bispos na China desde 2018 “está indo devagar, mas eles estão sendo nomeados”.

    Apenas seis novos bispos foram nomeados desde o acordo, que seus oponentes dizem que prova que não está produzindo os efeitos desejados. Além disso, o acordo regularizou a posição de sete bispos que haviam sido ordenados antes de 2018 sem a aprovação do Vaticano.

    O papa chamou o processo lento de “‘à maneira chinesa’, porque os chineses têm aquela noção de tempo que ninguém pode apressá-los”.

    Oposição

    Um dos oponentes mais veementes do acordo é o cardeal Joseph Zen, 90, ex-arcebispo de Hong Kong, que foi preso brevemente em um caso de segurança nacional em maio.

    “O Vaticano pode ter agido de boa fé, mas tomou uma decisão imprudente”, disse Zen a uma reunião de 300 pessoas em uma pequena igreja de bairro na ilha de Hong Kong no mês passado.

    Na época, Zen rezou por “irmãos e irmãs que não podem participar da missa de nenhuma forma esta noite – pois eles não têm liberdade agora”.

    Zen e outros acusaram o Vaticano de fechar os olhos às violações dos direitos humanos na China. O Vaticano diz que precisa ter meios para dialogar com Pequim.

    O acordo Vaticano-China desencadeou um incidente diplomático com os Estados Unidos em 2020, quando o ex-secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em um artigo em um jornal católico conservador e em uma série de publicações no Twitter, acusou o Vaticano de ter colocado sua “autoridade moral” na linha.

    O Vaticano repreendeu Pompeo, dizendo que ele estava tentando arrastar a Santa Sé para a campanha presidencial dos EUA, na qual a política anti-China do Partido Republicano se destacava.

    O nível de liberdade para os católicos na China desde o acordo varia de acordo com as regiões.

    “Eles (os chineses) também têm seus próprios problemas, porque não é a mesma situação em todas as regiões do país. Também (o tratamento dos católicos) depende dos líderes locais”, disse Francisco.

    Mais Recentes da CNN