Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Papa Francisco convoca cristãos a ‘orar e jejuar’ pelo Afeganistão

    'Como cristãos, esta situação nos compromete', disse Francisco ao mencionar que indiferença à situação dos afegãos 'não era uma opção'

    Oriana Bosellida Reuters

    no Vaticano

    Ouvir notícia

    O Papa Francisco convocou os cristãos do mundo a rezar e jejuar para que “Deus leve a paz e a coexistência ao Afeganistão”.

    Em sua bênção semanal feita aos peregrinos e turistas na Praça de São Pedro neste domingo (29), Francisco disse que estava acompanhando os acontecimentos no Afeganistão com “grande preocupação” e que compartilhava do sofrimento daqueles que choravam os mortos da última quinta-feira (26), quando ocorreram ataques suicidas.

    Francisco também disse que estava próximo “daqueles que estão procurando ajuda e proteção”, uma aparente referência àqueles que tentam deixar o país.

    “Peço a todos que continuem a ajudar os necessitados e a rezar para que o diálogo e a solidariedade possam trazer uma convivência pacífica e fraterna que ofereça esperança para o futuro do país”, disse o Papa, acrescentando que a indiferença não era uma opção.

    “Como cristãos, esta situação nos compromete. E por isso apelo a todos para que intensifiquem a oração e realizem jejum, oração e jejum, oração e penitência. Agora é a hora de fazer isso. Estou falando sério. É hora de intensificar a oração e realizar o jejum, pedindo a Deus misericórdia e perdão”, disse ele.

    Os ataques suicidas de quinta-feira mataram dezenas de afegãos e 13 militares americanos do lado de fora dos portões do aeroporto, onde milhares se reuniam para tentar conseguir um voo desde que o Talibã voltou ao poder.

    Há poucos cristãos no Afeganistão, quase todos eles estrangeiros em embaixadas ou trabalhadores humanitários.

    O Papa Francisco rezou também pela população do estado venezuelano de Mérida, atingido nos últimos dias por enchentes e deslizamentos de terra após intensas chuvas.

    Mais Recentes da CNN