Partes do mundo caminham para um apocalipse de insetos, sugere estudo

Mudanças climáticas e agricultura intensiva contribuem para cenário pessimista; animais são essenciais para funcionamento dos ecossistemas

Crise climática contribui para desaparecimento de insetos
Crise climática contribui para desaparecimento de insetos Filipe Resmini/Unsplash

Rachel Ramirezda CNN

Ouvir notícia

O uso extremo da terra combinado com o aquecimento das temperaturas estão levando os ecossistemas de insetos ao colapso em algumas partes do mundo, relataram cientistas nesta quarta-feira (20).

O estudo, publicado na revista Nature, identificou pela primeira vez uma ligação clara e alarmante entre a crise climática e a agricultura intensiva e mostrou que, em locais onde esses impactos são particularmente altos, a abundância de insetos já caiu quase 50%, enquanto o número de espécies foi reduzido em 27%.

Essas descobertas levantam grandes preocupações, de acordo com Charlotte Outhwaite, principal autora do estudo e pesquisadora da University College London, dado o importante papel dos insetos nos ecossistemas locais, polinização e produção de alimentos, e observou que a perda de insetos pode ameaçar a saúde humana e segurança alimentar.

“Três quartos das nossas colheitas dependem de insetos polinizadores”, disse Dave Goulson, professor de biologia da Universidade de Sussex, no Reino Unido, à CNN . “As colheitas começarão a falhar. Não teremos coisas como morangos.”

“Não podemos alimentar 7,5 bilhões de pessoas sem insetos.”

Outhwaite disse que suas descobertas “podem representar apenas a ponta do iceberg”, devido à quantidade limitada de evidências em algumas regiões.

“Mas acho que também há muitas consequências que provavelmente não sabemos porque, obviamente, existem muitos tipos diferentes de insetos”, disse Outhwaite à CNN. “Eles fazem tantas coisas importantes. Nós simplesmente não temos um controle forte sobre o quanto dependemos neles para certas situações.”

Tom Oliver, professor de ecologia aplicada da Universidade de Reading, disse em comunicado que os cientistas ainda não sabem quando as populações de insetos podem chegar a um ponto sem retorno, onde suas perdas seriam grandes demais para serem superadas.

“Em termos de um potencial ponto de inflexão, em que a perda de insetos causa o colapso de ecossistemas inteiros, a resposta honesta é que simplesmente não sabemos quando é o ponto sem retorno”, disse Oliver, que não esteve envolvido no estudo. “Sabemos que não é possível continuar perdendo espécies sem, em última análise, causar um resultado catastrófico.”

Ele comparou a perda gradual à remoção de rebites de um avião, o que você não pode continuar fazendo “sem que eventualmente caia do céu”.

Os pesquisadores definiram a agricultura intensiva como o tipo caracterizado pelo uso de pesticidas ou fertilizantes químicos, baixa diversidade de culturas, grande tamanho de campo ou alta densidade de gado, entre outras coisas – todas características relativamente comuns da agricultura moderna.

E, dizem os cientistas, o uso extremo da terra tem um efeito composto com a crise climática. A destruição de habitats naturais para a agricultura pode alterar drasticamente o clima local da área e desencadear temperaturas extremas.

Os pesquisadores encontraram declínios substanciais nas populações de insetos em áreas do mundo que são muito mais quentes, particularmente nos trópicos, onde Outhwaite observou reduções alarmantes na biodiversidade de insetos.

Os pesquisadores analisaram dados de um período de 20 anos para mais de 6 mil locais e estudaram quase 18 mil espécies de insetos, incluindo borboletas, mariposas, libélulas, gafanhotos e abelhas.

Eles concluíram que em áreas com agricultura extensiva, menos aquecimento climático e um habitat natural próximo, os insetos diminuíram apenas 7%, em comparação com a diminuição de 63% em áreas com menos cobertura de habitat natural.

Muitos insetos dependem de plantas para sombra durante dias escaldantes – a perda de habitats naturais próximos pode deixá-los mais expostos e vulneráveis ​​ao aquecimento global. E à medida que as mudanças climáticas avançam, os cientistas dizem que esses amortecedores naturais podem se tornar menos eficazes.

Outhwaite disse à CNN que há coisas que podemos fazer em nível individual para ajudar a evitar essa crise – plantar mais espécies nativas e flores silvestres, reduzir pesticidas usados ​​em jardins e até limitar a frequência de corte de grama.

“E então, pensando um pouco mais amplamente sobre talvez proteger insetos em outras áreas, provavelmente é uma boa ideia pensar sobre de onde os alimentos que estamos comprando estão sendo adquiridos”, disse Outwaite. “Então, se eles estão sendo provenientes de países tropicais, provavelmente haverá um alto impacto na biodiversidade lá.”

Ela também observou que os governos têm um grande papel a desempenhar no reconhecimento do impacto do comércio e da produção de alimentos e podem tentar não obter alimentos “de áreas que estão implementando o desmatamento”.

“Acho que as pessoas estão se tornando mais conscientes agora de que a biodiversidade e os insetos em particular estão em risco, mas ainda não os colocamos nos pensamentos e processos de pensamento” que resultariam em ações de proteção, disse Outhewaite.

Um relatório recente da ONU sobre adaptação à crise climática destacou como os ecossistemas do mundo estão muito conectados aos sistemas humanos. E, a menos que o planeta reduza as emissões de aprisionamento de calor, esses sistemas continuarão a sofrer grandes perdas na biodiversidade – principalmente insetos.

“Se esses insetos remanescentes podem continuar a apoiar o funcionamento do ecossistema, ou se eles acabarão se perdendo ainda é uma questão em aberto”, disse Oliver. “Sob o princípio da precaução, no entanto, seria melhor agir agora para que nunca descubramos o colapso do ecossistema experimentando-o”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN