Pterossauros eram cobertos de penas coloridas, diz estudo

Fóssil do animal foi encontrado no Brasil e data mais de 115 milhões de anos

Esta é a ilustração de um artista do colorido pterossauro emplumado Tupandactylus.
Esta é a ilustração de um artista do colorido pterossauro emplumado Tupandactylus. Bob Nicholls

Ashley Stricklandda CNN

Ouvir notícia

Os pterossauros dominaram os céus durante a era dos dinossauros, mas os cientistas há muito debatem se eles realmente tinham penas.

Agora sabemos. Esses répteis voadores não apenas tinham penas, mas também podiam controlar a cor dessas penas em um nível celular para criar uma plumagem multicolorida de maneira semelhante às aves modernas, revelou uma nova pesquisa.

Esses padrões de cores, determinados por pigmentos de melanina, podem ter sido usados ​​como uma forma de comunicação entre espécies de pterossauros. Um estudo detalhando essas descobertas foi publicado nesta quarta-feira (20) na revista Nature.

Pesquisadores analisaram a crista fossilizada do Tupandactylus imperator, um pterossauro que viveu há 115 milhões de anos no Brasil.

Após uma análise mais detalhada, paleontólogos perceberam que a parte inferior dessa enorme crista de cabeça era cercada por dois tipos de penas: curtas e ásperas, mais parecidas com cabelos, e outras mais fofas que se ramificam como penas de pássaros.

“Nós não esperávamos ver isso”, disse o principal autor do estudo, Aude Cincotta, paleontólogo e pesquisador de pós-doutorado da University College Cork, na Irlanda, em um comunicado.

“Durante décadas, paleontólogos discutiram se os pterossauros tinham penas”, disse Cincotta. “As penas em nosso espécime encerram esse debate para sempre, pois são muito claramente ramificadas ao longo de todo o seu comprimento, assim como as aves de hoje”.

A equipe de pesquisa estudou as penas com microscópios eletrônicos e ficou surpresa ao encontrar melanossomos preservados, ou grânulos de melanina. Esses grânulos tinham formas diferentes, dependendo dos tipos de penas a que estavam associados no fóssil de pterossauro. Coloração irregular também foi encontrada no tecido mole preservado.

“Nas aves de hoje, a cor das penas está fortemente ligada à forma do melanossoma”, disse a coautora do estudo Maria McNamara, professora de paleontologia na Escola de Ciências Biológicas, da Terra e Ambientais da University College Cork, em um comunicado.

“Como os tipos de penas dos pterossauros tinham diferentes formas de melanossoma, esses animais devem ter tido a maquinaria genética para controlar as cores de suas penas. Essa característica é essencial para o padrão de cores e mostra que a coloração era uma característica crítica até mesmo das primeiras penas.”

Anteriormente, os cientistas entendiam que os pterossauros tinham algum tipo de cobertura fofa em forma de bigode para ajudar a mantê-los isolados.

A nova pesquisa confirma que essa penugem foi feita de diferentes tipos de penas. Essas penas e a pele em volta tinham cores diferentes, como preto, marrom, gengibre, cinza e outros tons associados aos diferentes grânulos de melanina. “Isso sugere fortemente que as penas do pterossauro tinham cores diferentes”, disse McNamara.

“A presença dessa característica em dinossauros (incluindo pássaros) e pterossauros indica ancestralidade compartilhada, onde essa característica deriva de um ancestral comum que viveu no início do Triássico –250 milhões de anos atrás– e uma evolução das penas mesmo nos primeiros dias de sua história evolutiva.”

Algumas dessas cores ajudaram os pterossauros a compartilhar sinais visuais uns com os outros, mas a equipe não tem certeza do que esses sinais significariam.

Reconstrução deste artista de Tupandactylus mostra monofilamentos escuros e penas ramificadas de cores mais claras ao longo da crista. / Julio Lacerda

“Precisamos saber o tom e o padrão precisos para resolver isso”, disse McNamara. “Infelizmente não podemos fazer nenhum dos dois no momento, com os dados atuais. Precisamos olhar para melanossomos em penas em todo o corpo para descobrir se eles foram padronizados, e precisamos descobrir se vestígios de pigmentos não-melanínicos podem ser detectou.”

Tupandactylus era uma criatura de aparência estranha, com uma envergadura de cinco metros e uma cabeça enorme (embora leve) com mandíbulas desdentadas. Sua crista gigante tinha flores irregulares e coloridas.

“Talvez eles tenham sido usados ​​em rituais de pré-acasalamento, assim como certos pássaros usam leques coloridos de cauda, ​​asas e cristas de cabeça para atrair parceiros”, escreveu Michael Benton, professor de paleontologia de vertebrados da Escola de Ciências da Terra da Universidade de Bristol, em um Artigo de notícias e visualizações publicado com o estudo. Benton não estava envolvido na pesquisa.

“As aves modernas são conhecidas pela diversidade e complexidade de suas exibições coloridas e pelo papel desses aspectos da seleção sexual na evolução das aves, e o mesmo pode ser verdade para uma grande variedade de animais extintos, incluindo dinossauros e pterossauros”, disse Benton.

A descoberta pode permitir uma melhor compreensão dos pterossauros, que surgiram há cerca de 230 milhões de anos e foram extintos junto com os dinossauros há 66 milhões de anos.

“Esta descoberta abre oportunidades para explorar novos aspectos do comportamento dos pterossauros e revisitar espécimes descritos anteriormente para obter mais informações sobre a estrutura das penas e a evolução funcional”, disse McNamara.

O fóssil, originalmente recuperado do nordeste do Brasil, foi repatriado para seu país de origem graças aos esforços dos cientistas e de um doador privado.

“É tão importante que fósseis cientificamente importantes como este sejam devolvidos aos seus países de origem e conservados com segurança para a posteridade”, disse o coautor do estudo Pascal Godefroit, paleontólogo do Instituto Real Belga de Ciências Naturais, em um comunicado.

“Esses fósseis podem então ser disponibilizados aos cientistas para estudos mais aprofundados e podem inspirar futuras gerações de cientistas por meio de exposições públicas que celebram

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN