Policiais de Chicago podem ser punidos por não revelar status de vacinação

Metade dos agentes de segurança da cidade americana deve ser colocada em licença não remunerada por disputa entre prefeitura e sindicato sobre política de imunização

Polícia de Chicago pode enfrentar falta de agentes por exigência de vacinação
Polícia de Chicago pode enfrentar falta de agentes por exigência de vacinação Reuters

Peter Nickeasda CNN

Ouvir notícia

Até metade dos policiais de Chicago podem ser colocados em licença não remunerada por causa de uma disputa entre o sindicato e a prefeita Lori Lightfoot sobre a exigência da cidade de que os oficiais revelem seu status de vacinação.

A disputa em Chicago é emblemática da tensão em todo o país entre sindicatos e empregadores, enquanto cidades e empresas buscam cumprir mandatos de vacinação.

Pelo menos 228 policiais morreram de Covid-19 este ano nos Estados Unidos, em comparação com 245 no ano passado, de acordo com a página Officer Down Memorial. O coronavírus é a principal causa de morte entre policiais, apesar de eles estarem entre os primeiros grupos com acesso à vacina no fim do ano passado.

A prefeita de Chicago, Lori Lightfoot, disse nesta sexta-feira (15) que o presidente do sindicato da polícia, John Catanzara, estava tentando “induzir uma insurreição”, dizendo aos policiais para ignorar o prazo para relatar o status de vacinação. A prefeita disse que o departamento jurídico entrou com uma ação contra o sindicato, dizendo que Catanzara está “incentivando uma paralisação ou greve”.

Um juiz do Condado de Cook decidiu que Catanzara não deveria fazer declarações públicas que encorajassem os membros a rejeitar ou se recusar a cumprir a política de vacinação da cidade.

“Acho que a cidade alegou um interesse público em impedir o Sr. Catanzara de fazer mais comentários encorajando seus membros a se recusarem a cumprir as políticas da cidade, então, por esse motivo, vou entrar com uma ordem de restrição temporária exigindo que o Sr. Catanzara seja impedido de fazer comentários públicos adicionais “, disse a juíza Cecilia Horan.

A juíza decidiu que o presidente do sindicato está impedido de fazer comentários públicos adicionais até uma audiência em 25 de outubro.

Catanzara “nunca se envolveu, apoiou ou incentivou a paralisação do trabalho”, segundo nota divulgada pelo sindicato. O grupo entrou com uma ação no Tribunal do Condado de Cook, alegando que a cidade não “cumpriu o status quo do acordo coletivo de trabalho”.

O processo alega que a prefeitura “implementou suas mudanças unilaterais” enquanto “havia questões em negociação entre as partes”.

Militar norte-americano recebe dose de vacina contra Covid-19 / 26/02/2021 Brandon Woods/Marinha dos EUA/Divulgação via REUTERS

Catanzara se manifestou através do Youtube. “Não poderei mais falar sobre a política de nenhuma e qualquer forma”, disse ele. “Com isso dito, todo mundo tem que fazer o que está em seus corações e mentes – seja o que for. Mas vou deixá-los com isso: a política começa no topo nesta cidade, e tem se mostrado repetidamente que precisa mudar. Basta”.

Em uma mensagem aos policiais de Chicago, Catanzara enquadrou a questão como uma disputa de emprego entre a cidade e os policiais.

“Eu deixei minha situação muito clara no que diz respeito à vacina, mas não acredito que a cidade tenha autoridade para exigir isso de ninguém, muito menos informações sobre seu histórico médico e alterar os termos de emprego”, disse. Catanzara assumiu a presidência após a morte do então presidente por Covid-19 no início do mês.

Policiais em Chicago tinham um prazo até meia-noite de quinta-feira (14) para divulgar seu status de vacinação à cidade ou podem ser colocados em licença não remunerada, disse Catanzara. A prefeita disse que a cidade vai verificar durante o fim de semana os policiais que não obedeceram. Lightfoot disse que os policiais devem se apresentar para o serviço até que sejam informados pelos supervisores de que foram colocados em licença.

“Se suspeitarmos que os números são verdadeiros e conseguirmos um grande número de nossos membros que se mantiverem firmes em suas crenças de que isso é um exagero e não fornecerão as informações no portal ou se submeterão a testes, então é seguro dizer que a cidade de Chicago terá uma força policial de 50% ou menos neste final de semana “, disse Catanzara. “Isso não é por causa do sindicato, é 100% por causa da relutância da prefeita em se afastar de sua linha dura. Então, aconteça o que acontecer por causa da questão da mão de obra, isso é responsabilidade dela”.

O sindicato informou que buscará uma ordem de restrição temporária contra a cidade que a impediria de dar cumprimento ao mandato.

“As partes acusadas não se opõem fundamentalmente à necessidade de protocolos de segurança contra pandemia, mas acreditam sinceramente que precisam ser negociados pela cidade de Chicago com seus respectivos sindicatos, e isso não ocorreu neste caso”, escreveram os sindicatos em apoio à sua carga.

Eric Carter, primeiro vice-superintendente da polícia, pediu aos policiais que cumprissem “sua missão e dever como policiais profissionais. Também esperamos que todos os policiais cumpram o mandato Covid-19 da cidade”.

“Os membros deste departamento que se recusarem a cumprir os requisitos podem estar sujeitos a medidas disciplinares, incluindo a separação”, disse Carter.

A polícia disse que o departamento estará totalmente equipado no fim de semana.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN