Por que o debate Harris-Pence é crucial

Kamala Harris e Mike Pence se enfrentam nesta quarta-feira (7) e noite pode ser crucial na decisão dos eleitores

CNN transmite o debate entre Kamala Harris e Mike Pence ao vivo
CNN transmite o debate entre Kamala Harris e Mike Pence ao vivo Foto: CNN Brasil

Alice Stewart,

da CNN

Ouvir notícia

Com a fumaça se dissipando após o primeiro debate entre o presidente Donald Trump e o ex-vice-presidente Joe Biden, o confronto entre seus companheiros de chapa está esquentando.

Os debates entre candidatos a vice-presidência dos Estados Unidos são basicamente com uma segunda atração, mas é impossível não notar a importância do confronto de quarta-feira (7) à noite entre o vice-presidente Mike Pence e a senadora da Califórnia Kamala Harris. Nunca houve um cenário em que qualquer um dos candidatos presidenciais pudesse ser potencialmente incapaz de cumprir um mandato completo – os dois candidatos principais estão na casa dos 70 anos. Ou seja, o debate sobre a vice-presidência será uma entrevista de emprego como nenhuma outra.

Sempre há três objetivos principais em qualquer debate entre vices: não causar danos, fortalecer o líder da chapa e passar no teste de comandante-em-chefe. Meu conselho para os candidatos é manter esses objetivos em mente ao assumir o centro do palco.

Não causar danos é muito simples: não diga nada estúpido e não seja agressivo. Basta olhar para o debate presidencial mais recente: as constantes interrupções e os xingamentos foram desanimadores para muitos eleitores e se mostraram desastrosos para Trump, conforme as pesquisas posteriores provaram com a ampliação da vantagem de Biden após o debate. O consultor político republicano Frank Luntz disse que um painel de eleitores independentes concluiu que os dois candidatos estavam muito amargos e que a noite não apresentou o que eles queriam ouvir.

Tenha em mente que Trump e Biden não estão simplesmente tentando apelar para sua própria base: eles querem conquistar os eleitores indecisos, que representam apenas 3% dos prováveis eleitores, de acordo a uma pesquisa da Quinnipiac em setembro.

Portanto, Kamala Harris e Mike Pence precisam parecer agradáveis. A simpatia é importante nos debates.

Mike Pence em campanha no Arizona, em 2016
Mike Pence em campanha no Arizona, em 2016
Foto: Gage Skidmore -2.nov.2016/Divulgação

Acredito que Pence tem a vantagem nesse aspecto. Ele não tem uma personalidade incendiária, mas é sólido, calmo e reconfortante.

Harris pode estar propensa a exagerar. Quem pode se esquecer do momento em que atacou Biden por causa do histórico dele em questões de direitos civis durante o debate das primárias democratas em junho de 2019?

Embora ela seja conhecida e muitas vezes celebrada por suas perguntas incisivas e estilo de confronto, ela precisa moderar a arrogância neste debate.

Ambos os candidatos precisam reforçar a importância do homem no topo da chapa do seu partido, lembrar aos eleitores o que eles estão disputando e delinear sua visão para o futuro dos Estados Unidos. Pence precisa fazer desta uma escolha eleitoral de Trump versus Biden, e não um referendo sobre o presidente.

Leia também:
Biden não quer debate de 15 de outubro se Trump ainda estiver com Covid-19
Com Covid-19, Trump afirma que está ansioso pelo debate de 15 de outubro

Esta eleição deve ser uma questão de escolha entre governo limitado, responsabilidade fiscal e lei e ordem, governo inchado e grandes gastos.

À luz do diagnóstico recente da Covid-19 do presidente Trump e sua internação no Walter Reed Medical Center, Pence deve se esquivar de quaisquer questões sobre o tratamento do presidente ou o manejo incorreto da pandemia. Pence pode se concentrar no fato de que o presidente Trump tenha declarado o coronavírus como uma emergência de saúde pública em janeiro e depois banido viagens do exterior para os EUA para impedir a propagação. O presidente também assinou a Lei de Ajuda e Segurança Econômica do Coronavírus, conhecida como Lei CARES, de US$ 2 trilhões em março.

Pence precisa mostrar esse ponto e girar de forma rápida.

Kamala Harris
Candidata democrata a vice-presidente dos EUA, Kamala Harris 12/08/2020
Foto: Carlos Barría/Reuters

O aspecto mais importante dos debates do vice-presidente diz respeito à pergunta: você é capaz de assumir o cargo de Presidente dos Estados Unidos se houver necessidade? Não se trata necessariamente de identificar as qualificações para ser vice-presidente, mas de ter a qualidade, as habilidades e o temperamento para ser o comandante-em-chefe.

Com ambos os candidatos presidenciais na casa dos 70 anos (Trump tem 74 anos e Biden, 77), essa consideração se justifica. Tanto Pence quanto Harris precisam argumentar que sua experiência e julgamento os tornam capazes de assumir a responsabilidade.

Eu acredito que ambos têm a experiência necessária, mas os eleitores precisam considerar as políticas liberais de Harris, incluindo seu apoio ao Green New Deal no Senado (ela agora apoia o plano climático de Biden) e o plano de saúde universal que inclui seguradoras privadas. A GovTrack, uma organização apartidária que acompanha projetos de lei no Congresso, nomeou Harris “a mais liberal em comparação com todos os senadores”.

Leia também:
‘Isso nunca deveria ter acontecido’: por dentro do ‘passeio’ de carro de Trump
Latinos se sentem ignorados por Biden no crucial estado de Wisconsin

Suas políticas progressistas (especialmente quando, no senado, ela apoiou Medicare para Todos e o Green New Deal) falharam em conquistar doadores nas primárias democratas. Harris desistiu antes dos cáucusos de Iowa, citando a falta de fundos para prosseguir na campanha. Embora Kamala Harris tenha moderado suas opiniões sobre saúde e meio ambiente, Biden venceu as primárias democratas e, se algo acontecesse com ele, abrindo o caminho para Harris na presidência, ela pode não refletir a decisão dos eleitores de escolher um verdadeiro centrista, e não uma candidata progressista. Os eleitores precisam lembrar que a agenda de Harris no Senado nem sempre coincide com a maioria dos Estados Unidos.

Em última análise, o sucesso no debate da vice-presidência é baseado na competência, simpatia e conexão nas questões importantes para os eleitores.

Anos de experiência política trouxeram esses dois candidatos ao centro do palco, e eles têm 90 minutos para apresentar seus argumentos ao povo norte-americano. É imperativo que ambos os candidatos conheçam seu objetivo; sem ele, é impossível ganhar.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

NOTA DO EDITOR: Alice Stewart é comentarista política da CNN, bolsista residente do Instituto de Política da Universidade de Harvard e ex-diretora de comunicações da candidatura de Ted Cruz para a presidência. As opiniões expressas neste artigo são exclusivamente da responsabilidade da autora. Veja mais artigos de opinião da CNN.

Mais Recentes da CNN