Premiê do Haiti demite procurador que o considerava suspeito em assassinato de presidente

Ariel Henry destituiu o procurador-geral Bed-Ford Claude alegando 'grave erro administrativo'; não está claro se ordem é válida já que se trata de uma prerrogativa do presidente, cujo cargo continua vago

Premiê do Haiti, Ariel Henry, demitiu procurador-geral após ser considerado suspeito pelo assassinato do presidente
Premiê do Haiti, Ariel Henry, demitiu procurador-geral após ser considerado suspeito pelo assassinato do presidente Ralph Tedy Erol - 11.set.2021/Reuters

Sarah Marshda Reuters

Ouvir notícia

O primeiro-ministro do Haiti, Ariel Henry, demitiu na terça-feira (14) o procurador-geral que o considerava suspeito de participar do assassinato do presidente Jovenel Moise, mergulhando o país em uma nova crise política.

Moise foi morto a tiros em 7 de julho, quando assassinos invadiram sua residência particular nas colinas de Porto Príncipe. O político de 53 anos governou por decreto por mais de um ano depois que o Haiti não conseguiu realizar eleições legislativas e municipais em meio a um impasse político e enfrentou muitos pedidos para renunciar.

Sua morte deixou o Haiti em uma crise Constitucional e política ainda mais profunda, uma vez que há apenas um pequeno número de funcionários eleitos em todo o país.

Henry, neurocirurgião e político moderado – que Moise nomeou primeiro-ministro poucos dias antes de sua morte na tentativa de reduzir as tensões políticas –, procura forjar um novo consenso entre diferentes facções políticas. Mas as alegações sobre seu possível envolvimento no assassinato do presidente estão ofuscando isso.

O procurador-geral Bed-Ford Claude disse na semana passada que registros telefônicos mostram que Henry se comunicou duas vezes com um homem que se acredita ser o mentor do assassinato de Moise na noite do crime.

Esse suspeito, um ex-funcionário do Ministério da Justiça que Henry defendeu publicamente, está foragido. Henry afirmou que os pedidos para discutir o assunto eram politicagem e não respondeu às acusações.

Isso levou Claude a escrever na terça-feira (14) para o juiz que supervisiona a investigação sobre o assassinato de Moise e pedir que acuse Henry como suspeito. Ele também escreveu aos serviços de imigração haitianos ordenando que não deixassem o primeiro-ministro deixar o país “devido a grave presunção em relação ao assassinato do presidente”.

Mais tarde, na terça-feira, uma carta de Henry para Claude datada de segunda-feira (13) na qual ele dizia que o estava demitindo por “grave erro administrativo”, sem entrar em detalhes, foi tornada pública.

Em uma decisão também na terça (14), ele nomeou Frantz Louis Juste para o cargo. Ainda não está claro se a ordem é realmente válida, já que a constituição do Haiti de 1987 determina que o procurador-geral só pode ser nomeado ou demitido pelo presidente, cargo que permanece vago.

Busca por estabilidade política

Décadas de instabilidade política e também de catástrofes naturais afetaram o desenvolvimento do Haiti. Sua economia dependente de ajuda é a mais pobre das Américas, mais de um terço dos haitianos enfrentam insegurança alimentar aguda, e gangues transformaram partes da capital em não há áreas proibidas.

Claude convidou Henry na sexta-feira para se encontrar com ele para discutir os telefonemas com o suspeito, observando que ele só poderia pedir investigação contra o premiê por ordem presidencial, mas o país estava sem presidente.

O Escritório de Proteção ao Cidadão do Haiti exigiu no sábado (11) que Henry renunciasse e se entregasse ao sistema judiciário. Henry respondeu no Twitter que “nenhuma distração, convite, convocação, manobra, ameaça ou ação de retaguarda” iria distraí-lo de seu trabalho.

O primeiro-ministro anunciou no sábado que as principais forças políticas do Haiti chegaram a um acordo para estabelecer um governo de transição até a realização das eleições presidenciais e um referendo sobre a adoção de uma nova Constituição no próximo ano.

O acordo estabelece um Conselho de Ministros sob a liderança de Henry. Uma assembleia constituinte composta por 33 membros nomeados por instituições e organizações da sociedade civil terá três meses para preparar a nova Constituição.

As tentativas do próprio Moise de realizar eleições e um referendo constitucional foram criticadas por serem muito partidárias.

Os críticos chamaram de tentativas veladas de instalar uma ditadura. Seus apoiadores disseram que ele estava sendo punido por perseguir uma elite governante corrupta e por tentar acabar com privilégios indevidos.

Mais Recentes da CNN