Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Zelensky diz que é hora de conversas significativas sobre paz com Moscou

    Presidente ucraniano disse que esta é a única chance da Rússia de limitar os danos causados na invasão

    Teatro atingido pelo o que ucranianos acusam de ser mísseis russos
    Teatro atingido pelo o que ucranianos acusam de ser mísseis russos Divulgação/Telegram

    David Ljunggrenda Reuters

    O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pediu na noite desta sexta-feira (18), já sábado na Ucrânia, negociações significativas de paz e segurança com Moscou. O líder do país disse que esta é a única chance da Rússia de limitar os danos causados por seus erros após a invasão.

    “Chegou a hora de uma reunião, é hora de conversar”, disse ele em um discurso em vídeo divulgado nas primeiras horas de sábado na Ucrânia.

    Apesar de as tropas russas praticamente não terem se movido na Ucrânia nos últimos dias, rotas que conectam o território ucraniano a países vizinhos, como a Polônia, e que servem para abastecimento e deslocamento de refugiados, estão tomadas pela presença de tropas russas.

    Além das estradas que levam à Polônia, também notam-se as forças de Vladimir Putin ocupando rotas que vão à Belarus.

    Adesão à UE

    Zelensky disse que conversou com a chefe da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, na sexta e que espera progresso no pedido de adesão do país à União Europeia (UE) nos próximos meses.

    “Tive uma conversa substancial com a presidente da CE”, informou Zelensky pelo Twitter. “O parecer da CE sobre o pedido de adesão da Ucrânia à União Europeia será preparado dentro de poucos meses. O governo ucraniano e a CE estão instruídos. Nos movendo juntos para nosso objetivo estratégico.”

    O presidente ucraniano assinou o pedido de adesão ao bloco no dia 28 de fevereiro, durante o quinto dia de guerra, requisitando um procedimento especial para que a avaliação fosse feita rapidamente.

    A Rússia não tem se manifestado sobre algumas acusações específicas, mas tem negado sistematicamente ter civis como alvos.