Primeiro-ministro e presidente do Líbano assinam decreto para novo governo

Primeira reunião do novo gabinete deve acontecer na próxima segunda-feira (13); em colapso econômico, o país ficou mais de um ano sem governo

Manifestantes carregam bandeira do Líbano no centro de Beirute
Manifestantes carregam bandeira do Líbano no centro de Beirute Agência Brasil / Ali Hashisho

Maha El DahanLaila Bassamda Reuters

Ouvir notícia

O primeiro-ministro do Líbano Najib Mikati e o presidente Michel Aoun assinaram um decreto para a formação de um novo governo nesta sexta-feira (10).

A primeira reunião do novo governo deve acontecer na próxima segunda-feira (13). A assinatura do documento aconteceu na presença do presidente do parlamento Nabih Berri nesta sexta-feira (10), disse a presidência em um comunicado.

O Líbano ficou sem governo por mais de um ano enquanto enfrentava um colapso econômico. O novo governo pode abrir caminho para uma possível retomada das negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Com o anúncio, Mikati afirmou que espera frear o colapso enfrentado pelo país e trazer de volta a prosperidade. Ele falou com a imprensa libanesa ao término das reuniões que anunciaram o novo governo e se comprometeu em realizar as eleições parlamentares.

A França entrou em contato com líderes do Líbano para que eles concordassem com um novo gabinete e começassem as reformas necessárias desde a explosão catastrófica do porto de Beirute no ano passado, disseram fontes políticas libanesas.

Não houve nenhum comentário imediato do Ministério das Relações Exteriores da França.

A crise, que levou três quartos da população à pobreza, é a maior ameaça à estabilidade do Líbano desde a guerra civil de 1975-1990.

A situação atingiu um ponto crítico no mês passado, quando a escassez de combustível paralisou grande parte do país, desencadeando vários incidentes de segurança e aumentando a preocupação no Ocidente.

O primeiro-ministro Najib Mikati (à esquerda) e o coordenador especial das Nações Unidas no Líbano, Jan Kubis / Reprodução / Twitter Najib Mikati (9.jan.2020)

Youssef Khalil, um alto funcionário do banco central do país e assessor do governador Riad Salameh, foi nomeado ministro das finanças na proposta de formação do novo gabinete.

Tal como o gabinete do primeiro-ministro Hassan Diab, espera-se que o novo governo inclua ministros com conhecimentos técnicos que não são políticos proeminentes, mas foram nomeados pelos principais partidos.

O movimento islâmico xiita Hezbollah, um aliado político do presidnete Aoun, que é designado um grupo terrorista pelos Estados Unidos, pode ter nomeado dois dos 24 ministros, revelam fontes.

Outras fontes revelaram que houve intensos contatos durante a noite para tentar chegar a um acordo. A crise, que atingiu seu ápice no final de 2019, decorre de décadas de corrupção no Estado e financiamentos insustentáveis.

Danos causados por explosão na área portuária de Beirute, no Líbano
A explosão na área portuária de Beirute intensificou ainda mais a crise econômica no país / REUTERS

(Edição de Andrew Heavens)

Mais Recentes da CNN