Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Procurador-geral dos EUA diz que Biden “não tem deficiência”, em meio a críticas

    Merrick Garland disse a políticos que tem “total confiança no presidente”

    Presidente dos EUA, Joe Biden, na base aérea de Andrews, em Maryland
    Presidente dos EUA, Joe Biden, na base aérea de Andrews, em Maryland 11/03/2024 REUTERS/Kevin Lamarque

    Sarah N. Lynchda Reuters

    em Washington D.C.

    O Procurador-Geral dos EUA, Merrick Garland, defendeu a aptidão mental do Presidente Joe Biden nesta terça-feira (16), dizendo aos legisladores em um painel da Câmara dos Representantes que o democrata lida habilmente com assuntos estrangeiros e domésticos.

    “O presidente não tem deficiência”, disse Garland a um subcomitê da Câmara.

    “Eu o observei orientar habilmente reuniões de funcionários e de membros do gabinete em questões de relações exteriores e estratégia e política militar”, acrescentou, dizendo que Biden foi decisivo na tomada de decisões para proteger o país.

    “Tenho total confiança no presidente”, acrescentou Garland.

    Terça-feira marcou a primeira vez que o procurador-geral ofereceu publicamente suas próprias observações sobre a aptidão mental de Biden, que aos 81 anos é o presidente mais velho dos EUA para manter o cargo.

    Pesquisas de opinião mostram que a idade de Biden é uma grande preocupação para os eleitores, já que ele faz campanha para um segundo mandato em novembro contra o republicano, Donald Trump, 77.

    A questão da competência mental tornou-se um tópico importante na campanha presidencial deste ano, já que Biden e Trump são os dois homens mais velhos, respectivamente, a terem sido eleitos presidente.

    Uma pesquisa da Reuters/Ipsos em setembro mostrou que 77% dos entrevistados que concordaram com uma declaração de que Biden era velho demais para trabalhar no governo, enquanto 56% disseram o mesmo de Trump.

    Um relatório de fevereiro do procurador-especial Robert Hur sugeriu que o presidente sofreu perdas de memória, o que a Casa Branca tem fortemente negado.

    Garland na terça-feira se recusou a comentar especificamente as observações de Hur sobre a memória de Biden no relatório.

    No entanto, ele ofereceu suas próprias observações sobre Biden, com base em sua experiência como membro do gabinete e membro do Conselho de Segurança Nacional.