Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Putin cometeu “um grande erro” ao subestimar Ucrânia e Otan, diz chefe da aliança à CNN

    Jens Stoltenberg concedeu entrevista à âncora da CNN Christiane Amanpour

    Emmet Lyons e Claire Calzonettida CNN

    Ouvir notícia

    O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, disse à CNN que o presidente russo, Vladimir Putin, subestimou tanto a resistência da Ucrânia quanto a unidade da aliança militar da Otan.

    “Ele [Putin] cometeu um grande erro; ele subestimou totalmente a força das forças armadas ucranianas, a coragem da liderança ucraniana e do povo ucraniano, e também subestimou a unidade da Otan e dos parceiros no apoio à Ucrânia”, disse Stoltenberg à âncora internacional da CNN, Christiane Amanpour, nesta quinta-feira (30).

    Falando da cúpula da Otan em Madri, Stoltenberg disse que Putin falhou em alcançar seus objetivos quando se tratava de enfraquecer a aliança da Otan.

    “Uma de suas principais mensagens no início desta guerra era que ele queria menos a Otan. Na verdade, ele propôs assinar um acordo para não haver mais ampliação da Otan. O que ele está recebendo agora é mais Otan e dois novos membros da Otan, incluindo a Finlândia com fronteira… com a Rússia, dobrando a fronteira da Otan com a Rússia”, disse ele a Amanpour.

    “Isso não significa que não vemos a gravidade das dificuldades que a Ucrânia está enfrentando em Donbas”, disse Stoltenberg.

    Stoltenberg disse à CNN que está ignorando a retórica de Putin e que vai “avaliar suas ações”.

    “O que ele faz na Ucrânia é uma violação brutal do direito internacional. É uma guerra que levou a muitas baixas civis, civis mortos e grandes perdas”, disse ele à CNN.

    As conquistas da cúpula da Otan em Madri são uma “vitória” para a aliança militar, segundo Stoltenberg.

    “É uma vitória para a Otan que mais uma vez demonstramos nossa unidade e capacidade de mudar, de nos adaptar quando o mundo está mudando”, disse o chefe da Otan.

    “Vivemos em um mundo onde vemos o uso brutal da força contra um vizinho próximo da Otan, um parceiro próximo da Otan na Ucrânia, e é por isso que intensificamos significativamente e intensificaremos ainda mais nossa presença na parte oriental do a aliança para remover qualquer espaço para erros de cálculo ou mal-entendidos em Moscou sobre nossa prontidão para proteger e defender todos os aliados”, disse ele.

    “Isso é dissuasão, e o objetivo da dissuasão é evitar conflitos. E é exatamente isso que a Otan tem feito há mais de 70 anos – prevenir conflitos e preservar a paz”, acrescentou.

    Mais Recentes da CNN