Saiba como a Lituânia, um pequeno país europeu, enfrenta a China por Taiwan

Primeiro movimento da Lituânia foi sair do chamado grupo "17+1"

União Europeia está do lado da Lituânia neste jogo de xadrez político
União Europeia está do lado da Lituânia neste jogo de xadrez político Reprodução/CNN

Luke McGeeda CNN

Ouvir notícia

Uma briga curiosa se desenrolou nos últimos meses entre a Lituânia, uma pequena nação do Leste Europeu com menos de 3 milhões de pessoas, e a China, uma superpotência com uma economia que em breve poderá superar a dos Estados Unidos.

Tudo começou no ano passado, quando a Lituânia cutucou Pequim no olho – duas vezes ainda, no espaço de alguns meses.

Primeiro, retirou-se do chamado grupo “17+1”, um fórum no qual 17 países da Europa Oriental e Central se envolvem com a China, antes de encorajar outros a fazer o mesmo.

Dados os numerosos interesses comerciais da China na região, principalmente a chamada Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI) focada em projetos de infraestrutura, qualquer tipo de reação europeia não é bem-vinda em Pequim.

Então, em novembro, a Lituânia se tornou o primeiro país da Europa a permitir que Taiwan, autogovernada, abrisse uma embaixada de fato sob o nome de “Taiwan”. Outros escritórios desse tipo na Europa e nos Estados Unidos usam o nome Taipei, capital de Taiwan, para evitar referências que impliquem a independência da ilha da China.

O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan disse que a abertura do Escritório de Representação de Taiwan em Vilnius “marcaria um curso novo e promissor para as relações bilaterais entre Taiwan e a Lituânia”.

A medida enfureceu Pequim, que a viu como uma afronta ao seu princípio “Uma China”, que insiste que Taiwan é parte da China, e não um território soberano independente, apesar de os dois lados terem sido governados separadamente por mais de sete décadas após uma guerra civil. Via de regra, aqueles que desejam um relacionamento com a China devem reconhecer a política diplomaticamente.

A Lituânia diz que o novo escritório de Taiwan não tem status diplomático formal e não entra em conflito com sua política de ‘Uma China’.

Mas Pequim reagiu rebaixando imediatamente as relações diplomáticas com Vilnius. A Lituânia também alegou que a China impediu que mercadorias lituanas entrassem na China, criando efetivamente uma barreira comercial.

O governo chinês rejeitou repetidamente essas alegações, culpando a Lituânia por prejudicar o “interesse central” da China e enviando os laços bilaterais para um congelamento profundo.

Taiwan reagiu comprando produtos lituanos destinados à China – incluindo 20.400 garrafas de rum – e prometendo investir centenas de milhões de dólares na indústria lituana para apoiar o país diante da pressão chinesa.

A briga atraiu a União Europeia, que está apoiando a Lituânia. Bruxelas vê o tratamento dado por Pequim à Lituânia como uma ameaça a outros países da UE, muitos dos quais têm laços econômicos mais profundos com a China e gostariam de aprofundá-los ainda mais.

Na quinta-feira, a UE abriu um processo contra a China na Organização Mundial do Comércio, acusando Pequim de “práticas comerciais discriminatórias contra a Lituânia, que também estão atingindo outras exportações do mercado único da UE”.

O caso da OMC pode ser apenas o começo de uma postura mais dura da UE em relação à China, embora haja reservas sobre se isso poderia levar Pequim a retaliar na forma de guerras comerciais ou cancelar investimentos na Europa.

‘A China precisa aprender lições’

Em 1990, a Lituânia se tornou o primeiro membro da União Soviética a declarar independência do Partido Comunista de Moscou. Em seguida, juntou-se à União Europeia da UE e à OTAN em 2004 – a mesma organização que pretendia ser um controle da expansão socialista.

Nesse contexto, uma nação como a China exibindo agressão em sua própria região, notadamente contra Taiwan – além de usar o comércio como arma contra nações europeias menores – naturalmente alarma aqueles que se lembram da vida sob o domínio soviético.

“A China precisa aprender lições porque, até agora, eles foram autorizados a se comportar de uma maneira que não adere aos nossos valores e regras, simplesmente porque eram muito ricos”, disse o ex-primeiro-ministro da Lituânia Andrius Kubilius à CNN.

“Não vejo que países maiores da UE teriam assumido a responsabilidade de se levantar. Talvez da Lituânia isso se espalhe para outros e, com o tempo, a Europa permanecerá unida contra um país que não atende aos nossos padrões”, acrescentou.

Uma das razões pelas quais as autoridades lituanas podem estar mais à vontade do que algumas nações em adotar essa postura é que a China é um mercado de exportação relativamente pequeno para o país.

Apenas 1,18% das exportações da Lituânia foram para a China em 2019 – em comparação com 13,1% para a Rússia e 3,64% para os EUA – embora a China também seja um dos mercados de exportação de mais rápido crescimento da Lituânia, de acordo com o Observatório de Complexidade Econômica.

Para a Lituânia, essa postura linha-dura é mais do que uma missão moral. Autoridades que conversaram com a CNN dizem que, ao enfrentar a China, também esperam enviar uma mensagem a Moscou.

Velina Tchakarova, chefe do Instituto Austríaco de Política Europeia e de Segurança, explica que a Lituânia “está sob pressão russa permanente desde que ingressou na OTAN.”

Autoridades lituanas disseram à CNN que esperavam que enfrentar a China pudesse abrir um precedente na UE para repelir regimes autocráticos. Um diplomata lituano de alto escalão disse que o objetivo final é que a Europa tenha medidas anti-coerção mais eficazes.

Bruxelas propôs recentemente um mecanismo legal que permitiria à UE responder à intimidação económica de “forma estruturada e uniforme”, utilizando uma “resposta à medida e proporcional a cada situação”, que poderia incluir tarifas, restringir importações e limitar o acesso ao mercado interno da UE.

Mas muitas das nações menores da UE são particularmente céticas de que seus companheiros Estados-membros – especialmente aqueles que negociam extensivamente com a China – os apoiarão quando a pressão chegar.

Uma forte relação econômica com a China é um elemento-chave do esforço da UE por “autonomia estratégica”, um termo usado em Bruxelas para descrever a UE se tornando mais independente das influências dos EUA como potência geopolítica.

O pensamento era que, ao fazer uma parceria econômica com Pequim, a Europa poderia atuar como uma ponte entre os EUA e a China, sem ficar esmagada entre os dois.

Estados-membros maiores, principalmente a França, têm sido fortes defensores do impulso de autonomia estratégica. E embora os políticos europeus tenham ficado cada vez mais desconfortáveis ​​com o tratamento da China aos muçulmanos uigures, a supressão da democracia em Hong Kong e a agressão a Taiwan, quando se trata de dinheiro vivo, muitos países europeus não estão prontos para alienar a China.

Tchakarova acredita que ao “trazer a China para o debate, a Lituânia procura fortalecer a posição dos EUA na Europa, mas também alertar Bruxelas e os principais estados membros (Alemanha e França) sobre os potenciais riscos e perigos associados às relações bilaterais com a China no futuro. .”

Essencialmente, eles esperam forçar esses países a tomar uma posição. Então, vai funcionar?

Um equilíbrio delicado

Algumas autoridades na Lituânia acham que sua postura linha-dura já produziu resultados. Os órgãos apontam para o fato de que a França os apoiou, juntamente com o resto da UE, e pediram à China que reduzisse a situação.

Isso é particularmente significativo agora, uma vez que a França detém a presidência rotativa da UE e também está no meio de uma campanha eleitoral presidencial. No início deste mês, a Eslovênia anunciou que também buscaria aumentar o comércio com Taiwan.

Um alto funcionário da Comissão Europeia disse à CNN que a posição de Bruxelas é que a Lituânia não foi contra sua política de uma só China e que, se o país asiático continuar hostil, deve fornecer evidências de que a política foi violada, o que as autoridades lituanas estão classificando como uma vitória.

No entanto, nem todos, mesmo na própria Lituânia, acham que a estratégia foi um sucesso total.

O presidente Gitanas Nauseda disse que, embora apoiasse a abertura do Escritório de Representação de Taiwan, ele acha que o nome era desnecessariamente provocativo e a Lituânia deve agora lidar com as “consequências”.

Pequim respondeu dizendo que reconhecer o erro foi um bom começo, mas ainda acredita que a Lituânia quebrou o princípio de Uma China.

Bruxelas vem se organizando em questões geopolíticas ultimamente. Depois de anos de calúnias amargas, pode ser que o Brexit e a pandemia tenham lembrado aos líderes da UE que a unidade em áreas de interesse mútuo significa que até nações pequenas como a Lituânia podem usar a mecânica da UE para enfrentar uma das nações mais ricas e poderosas na terra.

Se a posição da Lituânia – e a UE se posicionar junto com ela – resultará em quaisquer concessões de Pequim é outra questão. Um editorial recente no tablóide estatal nacionalista Global Times publicou uma série de medidas que a Lituânia deve tomar para restaurar as relações e alertou: “não importa quais truques eles joguem, a China nunca cederá um centímetro em questões de princípio”.

Mas especialistas concordam que a única chance, por mais remota que seja, de forçar quaisquer concessões da China sobre o assunto é a Europa apresentar uma frente unida.

Benedict Rogers, um ativista de direitos humanos de longa data e executivo-chefe da Hong Kong Watch, diz que, embora “a China tenha demonstrado que é muito hábil em dividir para governar e capaz de jogar países contra outros … contra o país asiático juntos, as táticas de intimidação de Pequim são menos eficazes e a pressão pode ter mais impacto”.

Por tudo isso parecer uma pequena briga, o que está em jogo são anos de trabalho em que a UE tentou encontrar uma maneira de conciliar sua relação econômica com a China com seu dever para com os Estados membros e seus valores morais. A questão é por quanto tempo esse equilíbrio pode se manter.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN