Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Substituto de candidato assassinado no Equador formaliza inscrição para eleições

    Christian Zurita tem 53 anos e é jornalista; votação acontece no dia 20 de agosto

    Christian Zurita e Andrea Gonzalez Nader oficializam candidatura à Presidência do Equador
    Christian Zurita e Andrea Gonzalez Nader oficializam candidatura à Presidência do Equador Reprodução/Instagram

    Da CNN

    Christian Zurita e Andrea Gonzalez Nader formalizaram a inscrição da chapa para a disputa à Presidência do Equador no domingo (13). Zurita substitui Fernando Villavicencio como postulante a chefe do Executivo, depois que o jornalista foi assassinado a tiros.

    A presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) equatoriano confirmou que o partido Movimiento Construye apresentou a documentação necessária.

    Ela pontuou que, depois de receber a documentação, o CNE deve apresentá-la a outras instituições responsáveis. Então, após 48 horas, se não houver objeções, ela será apresentada ao órgão pleno da entidade para ser analisada e, se não houver problemas, a candidatura será ratificada.

    Vídeo: Quem era Fernando Villavicencio, político morto a tiros no Equador

    Um dia antes, o Movimiento Construye havia anunciado que a candidata seria Andrea Gonzalez, uma ativista ambiental que originalmente postulava à vice-presidência na chapa – posição que volta a ocupar.

    Zurita também é jornalista e, no passado, colaborou com Villavicencio.

    Também no domingo, os outros candidatos participaram de um debate de quase três horas. No início, houve um minuto de silêncio em homenagem a Fernando Villavicencio. O lugar que ele ocuparia no estúdio ficou vazio.

    O crime

    Villavicencio, ex-parlamentar e jornalista investigativo com histórico de denunciar a corrupção, foi morto a tiros ao deixar um comício no Anderson College, em Quito, capital do Equador, no dia 9 de agosto. Ele foi baleado várias vezes na cabeça após entrar no carro no qual sairia do local.

    Seis colombianos foram acusados pelo assassinato e permanecem sob custódia. A polícia os acusa de ligações com grupos criminosos.

    O Equador, país com 18 milhões de habitantes, tem visto uma onda crescente de violência nos últimos anos, incluindo aumento acentuado de assassinatos.

    Embora as cédulas para a eleição convocada pelo presidente cessante Guillermo Lasso já tivessem sido impressas antes do assassinato de Villavicencio, os votos para ele serão automaticamente transferidos para o substituto do partido.

    Entenda a eleição presidencial do Equador

    A eleição presidencial do Equador está marcada para ocorrer no domingo (20), tendo sido antecipada pelo presidente Guillermo Lasso.

    A antecipação foi feita depois que o chefe de Estado decretou a chamada “morte cruzada” –a dissolução da Assembleia Nacional–, reduzindo o tempo de seu próprio mandato.

    Após o assassinato de Villavicencio, os principais postulantes à Presidência do Equador se pronunciaram nas redes sociais, sendo que alguns informaram a suspensão de suas campanhas. Eles também lamentaram o ocorrido e pediram apuração do crime.

    Bem colocado na pesquisas

    Villavicencio, do El Movimiento Construye, era um dos principais candidatos no pleito. Nas pesquisas eleitorais, ele oscilava entre a segunda e a quinta colocação.

    Ainda assim, esses levantamentos no país são deficientes em comparação a de outros países da América do Sul, como Argentina, Uruguai e Brasil, que possuem institutos com maiores índices de acerto.

    Em junho, segundo o Centro Estratégico Latinoamericano de Geopolítica (Celag), Villavicencio estava em quarto lugar, com 8% das intenções de voto, atrás de Luisa González, do partido Revolução Cidadã (30%); Otto Sonnenholzner, da aliança “Vamos Agir” (13%); e Yaku Pérez, da coligação “Claro que é possível” (11%).

    Em 20 de julho, a Cedatos, empresa de pesquisa aprovada pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do Equador, apontou que Villavicencio estava em segundo, com 13,2%, atrás apenas de Gonzáles (26,6%) e à frente de Pérez (12,5%) e Sonnenholzner (7,5%).

    * publicado por Tiago Tortella, da CNN, com informações da Reuters