Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tripulação esquecida do conflito de Gaza é mantida refém no Mar Vermelho

    Já se passaram quase quatro meses desde o sequestro do navio de carga Galaxy Leader com 25 marinheiros a bordo; Segundo autoridades, Houthis não estão dispostos a libertá-los até o fim das hostilidades

    Navio Galaxy Leader escoltado por barcos houthis no Mar Vermelho
    Navio Galaxy Leader escoltado por barcos houthis no Mar Vermelho 20/11/2023 Divulgação via REUTERS

    Scott McLeanKathleen Magramoda CNNFlorence Davey-Attleeda CNN*

    A esperança está se desvanecendo quanto ao retorno iminente da tripulação internacional do navio de carga sequestrado pelos Houthis em novembro, com um diplomata filipino do alto escalão dizendo que não espera uma libertação até que a guerra em Gaza termine, enquanto os Houthis dizem que o destino do marinheiros está agora nas mãos do Hamas.

    Um helicóptero de propriedade dos Houthis sequestrou o navio de carga Galaxy Leader em 19 de novembro no Mar Vermelho, enquanto homens armados rebeldes cercavam o navio e tomavam como reféns a tripulação de 17 filipinos, dois búlgaros, três ucranianos, dois mexicanos e um romeno.

    Já se passaram mais de 116 dias desde o sequestro e, de acordo com um funcionário do alto escalão do governo filipino, não há indicação de que os Houthis estejam dispostos a libertá-los até o fim das hostilidades.

    “Não há realmente muito que possa ser feito para influenciá-los, porque a palavra que recebemos dos Houthis é que eles continuarão detendo o navio, e todos os tripulantes, até vermos o fim das hostilidades em Gaza”, disse Eduardo de Vega, o oficial de relações exteriores filipino que supervisiona milhões de trabalhadores migrantes filipinos.

    Os rebeldes Houthi apoiados pelo Irã têm atacado navios no Mar Vermelho desde o final do ano passado, o que dizem ser uma vingança contra Israel pela sua campanha militar em Gaza.

    Os Houthis disseram na quinta-feira (14) que entregaram a decisão sobre a libertação do Galaxy Leader ao Hamas.

    “O navio e sua tripulação estão nas mãos dos irmãos do movimento de resistência do Hamas e das Brigadas Al-Qassam”, disse o porta-voz Houthi, Nasr Al-Din Amer, à CNN, dizendo que havia discussões diretas e contínuas com o Hamas sobre a possibilidade de libertá-los. “Não temos reivindicações próprias em relação a este navio”, disse ele.

    De Vega disse que os Houthis também querem potencialmente o reconhecimento oficial deles como governo do Iêmen em troca dos reféns, mas é improvável que isso aconteça.

    “Será difícil para qualquer governo reconhecer um governo que ataca navios no mar”, disse de Vega. Portanto, disse ele, “não há sentido em negociar”, exceto para garantir condições humanas para os reféns.

    As Filipinas enviam quase meio milhão de marinheiros para todo o mundo ao longo do ano, representando mais de um quinto da mão de obra marítima. Os grandes números significam que os filipinos estão desproporcionalmente expostos aos perigos representados pelos Houthis que atacam navios no Mar Vermelho.

    Helicóptero militar Houthi sobrevoa o navio de carga Galaxy Leader no Mar Vermelho nesta foto divulgada em novembro / 20/11/2023 Mídia Militar Houthi /Divulgação via REUTERS

    Após o sequestro, um vídeo divulgado pelo grupo militante mostrou comandantes Houthi cumprimentando a tripulação e prometendo tratá-los como convidados.

    “Tudo o que vocês precisarem, estamos prontos para fornecer”, ouve-se um deles dizendo à tripulação no vídeo.

    De Vega afirma que a tripulação está sendo alimentada – alguns até relataram ganho de peso – e não há indícios de violência. Eles têm permissão para ligações breves e semanais com suas famílias, embora as identidades dos reféns tenham sido ocultadas do público.

    A maior parte da tripulação, e todos os filipinos, estão retidos no próprio navio e têm alguma liberdade para se movimentar no convés. Alguns outros membros da tripulação, disse ele, às vezes foram mantidos em terra.

    “Acho que é do interesse dos Houthis tratá-los bem. Essas pessoas são vítimas, no final das contas”, disse Mohammed Al-Qadhi, analista de conflitos iemenita baseado no Cairo. “Eles não querem que criem uma imagem ruim sobre si mesmos”.

    As Filipinas não têm contato diplomático oficial direto com os Houthis, mas trabalham através de um “cônsul honorário”, um cidadão iemenita com estatuto especial para representar as Filipinas, que pôde visitar os reféns em janeiro, disse de Vega.

    Mas como o cônsul honorário está em Aden, sede do governo do Iêmen, internacionalmente reconhecido, apoiado pela Arábia Saudita e que é rival dos Houthis, de Vega disse que é um “labirinto labiríntico” para obter acesso.

    Al-Qadhi sugere que mesmo quando a guerra terminar, os Houthis poderão não libertar imediatamente os reféns. “Eles não querem fazer concessões neste momento sem receber nada em troca, por isso, penso que não é provável que sejam libertados a menos que haja um acordo maior a ser orquestrado, internacionalmente, em relação a Gaza ou mesmo com os próprios Houthis”, disse ele.

    O navio de carga Galaxy Leader é escoltado por barcos Houthi no Mar Vermelho em foto divulgada em novembro / 20/11/2023 Mídia Militar Houthi/Divulgação via REUTERS

    No momento do ataque, o Galaxy Leader era operado pela empresa japonesa Nippon Yusen, também conhecida como NYK Line. É propriedade da Ray Car Carriers, empresa ligada ao cidadão israelense Abraham Ungar, segundo a empresa de gestão de risco marítimo Ambrey Analytics. A CNN entrou em contato com ambas as empresas em busca de um posicionamento.

    Normalmente usado para transportar veículos em todo o mundo, o gigante navio “roll-on/roll-off” tornou-se agora uma atração turística para moradores curiosos que são transportados para o enorme navio em pequenos barcos.

    De acordo com dados de satélite, há cerca de duas semanas, ele foi deslocado de cerca de dois quilômetros da costa, para apenas 500 metros da cidade portuária de Hodeidah, no oeste do Iêmen.

    Primeiro ataque fatal

    O Iêmen tem sido assolado por anos de guerra civil, aprofundada por rivalidades por procuração de países estrangeiros, e continua a ser uma das nações mais pobres do Oriente Médio. Anos de conflito desencadearam uma das piores crises humanitárias do mundo, deixando centenas de milhares de mortos, o Iêmen dividido e partes do país em situação de fome.

    Os ataques dos Houthis à navegação mercante afetaram uma das artérias comerciais mais movimentadas do mundo através do Canal de Suez, forçando muitas empresas a redirecionar navios e tripulações na rota muito mais longa em torno de África.

    Dados compartilhados pela Ambrey Analytics indicam que houve quase 100 incidentes envolvendo atividades hostis contra navios no Mar Vermelho e na área do Estreito de Bab al-Mandab desde o início do conflito.

    Vinte e três navios foram fisicamente danificados por mísseis ou drones Houthis e foram relatados ferimentos entre tripulantes em três navios após tais ataques. Um navio – o Rubymar, de bandeira britânica – afundou quase completamente após um ataque de um míssil Houthi no final de fevereiro.

    Navio britânico afunda após ataque Houthis no Mar Vermelho / REUTERS

    Os Estados Unidos e a Grã-Bretanha conduziram várias rodadas de ataques aéreos contra posições Houthi no Iêmen desde fevereiro, mas isso não impediu os ataques.

    Dois filipinos e um tripulante vietnamita foram mortos em um ataque Houthi ao M/V True Confidence em 6 de março. O navio foi atingido por um míssil antinavio Houthi e o fogo rapidamente se espalhou a bordo. A tripulação restante foi resgatada pela Marinha Indiana, que os levou a Djibuti para tratamento.

    Após o ataque, o porta-voz Houthi, Yahya Sarea, disse que o navio foi alvo porque era americano. “As operações nos Mares Vermelho e Árabe não irão parar até que a agressão cesse e o cerco ao povo palestino na Faixa de Gaza seja suspenso”, disse ele.

    Os corpos dos supostos mortos permanecem a bordo do navio e agora estão sendo transferidos para o porto mais próximo, segundo de Vega. “Uma família ainda mantém esperança. Até verem os restos mortais do ente querido, eles continuam a ter esperança. Milagres acontecem”, disse ele.

    A maioria dos tripulantes filipinos a bordo voltou a Manila na terça-feira (12), reunindo-se com as suas famílias após a provação no mar.

    “É triste e horrível porque estávamos juntos [por muito tempo] e de repente aconteceu [o ataque]. É muito doloroso para nós, especialmente para as famílias”, disse Mark Dagohoy, um dos tripulantes do navio.

    O ataque fatal marcou uma escalada significativa dos ataques dos Houthi aos navios do Mar Vermelho, que colocaram em perigo a vida de marinheiros comuns que trabalham a milhares de quilômetros de distância das suas famílias, em períodos de semanas ou meses no mar.

    O navio Marlin Luanda pegou fogo no Golfo de Aden depois de ter sido atingido por um míssil antinavio disparado de uma área do Iêmen controlada pelos Houthi e deixou marinheiros mortos / Marinha Indiana

    Os membros da tripulação, principalmente do Sul Global, a bordo de navios que agora atravessam o Mar Vermelho enfrentam o risco de morte, ferimentos e captura, à medida que as marinhas ocidentais utilizam dispendiosos mísseis antinavio e outras armas para interceptar os ataques Houthis.

    Os padrões da indústria determinam que a tripulação deve receber o dobro para trabalhar em “áreas bélicas ou de alto risco” designadas, e também deve ter o direito de dizer não à viagem e ser repatriada às custas da empresa.

    No momento do ataque, o navio era oficialmente propriedade de uma empresa registada na Libéria, mas de acordo com o Financial Times, tinha sido vendido para uma empresa americana de private equity, Oaktree Capital, poucos dias antes.

    A Oaktree Capital se recusou a comentar quando questionada sobre suas ligações com o navio.

    De Vega diz que as indicações iniciais são de que a tripulação teve a opção de não prosseguir, mas não está claro se eles sabiam que o navio tinha ligações com os EUA quando embarcaram.

    “[A tripulação] é frequentemente transferida de navio para navio. É a agência de tripulação que decide isso e eles tinham total confiança na agência de tripulação. [A tripulação], como regra geral, pode nem estar ciente da propriedade do navio em que está viajando”, disse de Vega, embora, idealmente, devessem saber.

    A CNN entrou em contato com a gerência do navio, Third January Maritime, para comentar.

    *Com informações de Celine Alkhaldi e Paul P. Murphy, da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original