Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ucrânia descarta proposta paz feita pela Hungria: “baseada em narrativa russa”

    Ministro das Relações Exteriores da Ucrânia se encontrou com chanceler húngaro nesta quarta-feira

    Ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba
    Ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba 25/02/2024REUTERS/Valentyn Ogirenko

    uliia Dysada Reuters

    O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse ao seu homólogo húngaro, Peter Szijjarto, durante negociações em Washington nesta quarta-feira (10), que quaisquer iniciativas para tentar pôr fim à guerra de Moscou na Ucrânia não deveriam se basear em narrativas russas.

    O encontro paralelo à agenda da Cúpula da Otan ocorre depois de o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, ter visitado Kiev, Moscou e Pequim para conversas que ele classificou como uma “missão de paz”.

    O líder húngaro, que se opôs regularmente à ajuda militar à Ucrânia, propôs durante a sua viagem a Kiev que o Presidente Volodymyr Zelensky considerasse um cessar-fogo na guerra de 28 meses para acelerar um processo de paz, uma ideia rejeitada pela Ucrânia.

    Kuleba disse no X que informou Szijjarto durante as negociações sobre a situação do campo de batalha e os preparativos para os desdobramentos da cúpula sobre a Ucrânia realizada na Suíça em junho.

    “Neste contexto, enfatizei que nenhuma iniciativa de paz pode basear-se nas narrativas da Rússia”, disse ele.

    As autoridades de Kiev rejeitaram a ideia de um cessar-fogo, dizendo que isso só levaria a mais ataques russos no futuro. Eles disseram que não há alternativa ao plano de Kiev para um acordo, que exige que as tropas russas deixem o território ucraniano.

    Em resposta à iniciativa de cessar-fogo de Orbán, o Presidente Vladimir Putin reiterou as suas exigências para que Kiev abandonasse as suas aspirações da Otan e abandonasse quatro regiões ucranianas parcialmente ocupadas pela Rússia. Kyiv diz que isso equivaleria à rendição.

    A Ucrânia trabalha com os seus aliados para preparar um plano amplo a tempo para a segunda cúpula de paz que disse esperar que ocorra antes do final do ano. Os representantes russos que foram excluídos da reunião na Suíça poderiam ser convidados a participar, disse Kiev.