Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ucrânia tem quase 100 ataques aéreos em um dia após primeira-dama alertar país de “perigo mortal”

    Olena Zelenska disse em entrevista que ajuda do Ocidente é questão de vida para a Ucrânia

    Estado-Maior ucraniano relatou um total de 28 mísseis disparados e 27 ataques aéreos
    Estado-Maior ucraniano relatou um total de 28 mísseis disparados e 27 ataques aéreos 30/11/2023 - Serviço de imprensa do Serviço de Emergência estatal da Ucrânia na região de Donetsk/Handout via REUTERS

    Maria KostenkoAmarachi OrieRadina Gigovada CNN

    Kiev

    A Ucrânia disse no sábado (9) que a Rússia lançou quase 100 ataques aéreos em todo o país no espaço de 24 horas, enquanto a sua primeira-dama advertia que a Ucrânia estava em “perigo mortal” sem a ajuda militar do Ocidente.

    “O inimigo lançou um total de 28 mísseis e 27 ataques aéreos, disparando 59 vezes de vários sistemas de lançamento de foguetes contra posições militares ucranianas e áreas povoadas”, de acordo com uma postagem nas redes sociais do Estado-Maior Ucraniano no sábado.

    Várias regiões do leste foram alvo de ataques, incluindo Kharkiv, Luhansk e Donetsk, que testemunharam alguns dos combates mais intensos.

    Os ataques ocorrem um dia após autoridades ucranianas afirmarem que interceptaram mísseis de cruzeiro pela primeira vez em quase 80 dias, enquanto avaliações da inteligência ocidental alertavam que a Rússia provavelmente expandiria o seu bombardeamento de infraestruturas civis durante o inverno.

    As forças russas bombardearam sozinhas a região ucraniana de Kherson 62 vezes, disparando mais de 300 projéteis de morteiros, artilharia, Grad, tanques, UAVs e aeronaves, de acordo com Oleksandr Prokudin, chefe da administração militar da região.

    Pelo menos um civil foi morto e outro ficou ferido por estilhaços depois que as forças russas lançaram um explosivo de um drone na cidade de Beryslav, na região, na manhã de sábado, disseram autoridades locais no sábado.

    Uma mulher de 47 anos da cidade de Kherson está em um centro médico depois de ser ferida durante um ataque na noite de sexta-feira (8), no qual infraestruturas críticas foram danificadas e edifícios residenciais bombardeados, disse Prokudin.

    O Ministério Público da região de Kherson disse que foi lançada uma investigação pré-julgamento “sobre violações das leis e costumes de guerra”.

    “Se o mundo se cansar, eles simplesmente nos deixarão morrer”

    Os últimos ataques russos ocorreram quando a primeira-dama da Ucrânia, Olena Zelenska, falava à BBC, depois que os republicanos no Senado dos EUA bloquearam o avanço da ajuda externa.

    “Nós realmente precisamos de ajuda”, disse Zelenska. “Em palavras simples, não podemos nos cansar desta situação, porque se o fizermos, morreremos.”

    E se o mundo se cansar, eles simplesmente nos deixarão morrer”, acrescentou Zelenska.

    Os combates na Ucrânia continuam intensos, apesar do pouco movimento nas linhas da frente.

    A Rússia tem pressionado fortemente para capturar a cidade oriental de Avdiivka, onde os soldados descreveram uma guerra de trincheiras opressora.

    Durante uma viagem à capital dos EUA na quinta-feira (7), o secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, David Cameron, chamou os Estados Unidos de “o eixo central” da coalizão ocidental que apoia a luta da Ucrânia contra a Rússia e pediu aos legisladores dos EUA para “elevar o moral” da Ucrânia, aprovando um pacote de ajuda para Kiev.

    Ele acrescentou que “a pior coisa do mundo seria permitir a vitória de Putin na Ucrânia”.

    “Dói-nos muito ver os sinais de que a vontade apaixonada de ajudar pode desaparecer”, disse Zelenska à BBC, acrescentando: “É uma questão de vida para nós. Portanto, dói ver isso.”

    Veja também: Ex-detento russo relata os horrores da guerra

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original