Ucranianos hasteiam bandeiras para desafiar o medo da invasão russa

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, declarou feriado nesta quarta-feira (16) como forma de mostrar resistência a uma potencial invasão russa

Maior bandeira da Ucrânia no maior mastro do país perto do monumento "Pátria" no complexo do Museu da Segunda Guerra Mundial em Kiev
Maior bandeira da Ucrânia no maior mastro do país perto do monumento "Pátria" no complexo do Museu da Segunda Guerra Mundial em Kiev 16/12/2021 REUTERS/Valentyn Ogirenko

Aleksandar Vasovicda Reuters

Em Kiev

Ouvir notícia

Os ucranianos hastearam bandeiras nacionais e tocaram o hino do país nesta quarta-feira (16) para mostrar unidade contra o medo de uma invasão russa que as potências ocidentais disseram que poderia ser iminente.

A bandeira amarela e azul tremulava fora de escolas, hospitais e muitas lojas para marcar o “Dia da Unidade”, um feriado que o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, criou esta semana depois que a Rússia reuniu tropas perto das fronteiras com a Ucrânia.

A Rússia negou que invadirá, mas advertiu que poderia tomar medidas “militares e técnicas” não especificadas se suas exigências de segurança, incluindo a não adesão da Ucrânia à aliança militar ocidental Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), não forem atendidas.

Na avenida Khreshchatyk, a principal de Kiev, onde as bandeiras decoravam os escritórios do governo, a rotina se mantinha inalterada para muitos.

“Apenas um dia normal, mas estas bandeiras estão aqui com um propósito, para mostrar que não tememos ninguém. Eles não nos assustam”, disse Mykola, que opera uma pequena banca de café na capital ucraniana.

Um alto-falante em um escritório do governo local gritou canções patrióticas, enquanto a televisão e os canais do governo no Youtube transmitiam discursos e lembretes estimulantes sobre a nacionalidade da Ucrânia.

“Todos querem nos assustar e estamos aqui para ficar”, disse Ludmila, uma aposentada, que usava uma pequena bandeira ucraniana na lapela de seu casaco.

No estádio olímpico de Kiev, dezenas de pessoas desdobraram uma bandeira ucraniana de 200 metros de comprimento, agitando-a ao ritmo de uma música patriótica.

Em um discurso televisionado, Zelenskiy disse que os ucranianos estavam unidos em torno de um desejo comum “de viver em paz, felizes, em família, filhos com os pais”.

“Ninguém pode amar nossa casa como nós podemos. E somente nós, juntos, podemos proteger nosso lar”, disse ele. Mais tarde, Zelenskiy deveria inspecionar os exercícios militares em Rivne e voar para a região de Donbass, no leste do país, para se encontrar com as tropas em serviço.

Zelenskiy, ele próprio um usuário ativo da mídia social, pediu aos ucranianos que colocassem fotos e vídeos da bandeira ucraniana e acrescentassem hashtags. No Instagram, os usuários postaram sob a tag #UnityDay.

“Hoje provamos que nós ucranianos somos uma nação unida, um povo unido”, disse Pavlo Horinov, um funcionário do Instituto Estadual de Política Familiar e Juvenil.

Zelenskiy disse há muito tempo que, ao mesmo tempo que acredita que a Rússia ameaça atacar seu país, a probabilidade de uma invasão iminente tem sido exagerada pelos aliados ocidentais, respondendo aos esforços de Moscou para intimidar a Ucrânia e semear o pânico.

Mykhailo Podolyak, conselheiro do chefe de gabinete de Zelenskiy, disse esta semana que o presidente havia escolhido o dia 16 de fevereiro como o feriado patriótico, em parte ironicamente, em resposta às reportagens da mídia de que uma invasão poderia acontecer nesta quarta-feira.

O Ministério da Defesa russo disse que estava retornando algumas tropas às suas bases após exercícios militares. Os Estados Unidos, entretanto, disseram que havia sinais de que mais tropas estavam a caminho.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse na terça-feira que mais de 150.000 tropas russas estavam atualmente a caminho da região de fronteira com a Ucrânia.

Horas após o anúncio da retirada de Moscou, a Ucrânia disse que as redes online do Ministério da Defesa e dois bancos estavam sobrecarregadas por um ataque cibernético. Os hackers ainda estavam bombardeando os sites do Ministério da Defesa na quarta-feira, disse o ministério.

Embora Kiev não tenha mencionado quem estava por trás do incidente, uma declaração sugeriu que estava apontando o dedo para a Rússia.

Mais Recentes da CNN