Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Venezuela sai da Bélgica satisfeita com possibilidade de retirada de sanções europeias, dizem fontes

    Pessoas que acompanharam a reunião sobre a Venezuela com o governo francês afirmam que o encontro demonstrou mudança de paradigma dos europeus sobre venezuelanos

    Reunião entre governo e oposição da Venezuela na Bélgica teve participação do presidente Lula
    Reunião entre governo e oposição da Venezuela na Bélgica teve participação do presidente Lula Foto: Ricardo Stuckert/PR

    Priscila Yazbek

    Fontes do governo brasileiro afirmam que a reunião proposta pelo governo francês sobre a Venezuela na cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e da União Europeia deixou os venezuelanos satisfeitos e pode representar uma mudança de paradigma na visão dos europeus sobre o país sul-americano.

    Pessoas que acompanharam a reunião afirmaram que o presidente francês Emmanuel Macron disse a Lula que entende que, sem a retirada de sanções econômicas impostas pelos europeus, não haverá avanços em termos democráticos no país.

    VÍDEO – Análise: O papel do Brasil na busca por democracia na Venezuela

    Em conversa com jornalistas nesta terça-feira (18), Emmanuel Macron afirmou que a negociação tem que acontecer dos dois lados. Se os venezuelanos evoluírem na questão democrática, os europeus podem começar a retirar sanções.

    O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, também disse nesta terça-feira (18), após encontro dos líderes progressistas, que é importante saber como “avançar de vez para o levantamento progressivo das sanções [à Venezuela] e normalizar o processo, libertando os presos políticos e fazendo com que todos os líderes possam apresentar-se às eleições”.

    O encontro realizado na segunda-feira (17), à margem da cúpula de líderes da UE e da Celac, teve a presença dos presidentes da Argentina, Alberto Fernández, do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, da Colômbia, Gustavo Petro, e da França, Emannuel Macron.

    A reunião foi convocada por Macron e inicialmente não previa a participação de representantes venezuelanos. Mas ao final do dia, tanto a vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez – que representa o presidente Nicolás Maduro -, quanto o negociador da oposição, Gerardo Blyde, confirmaram presença.