Zelensky pede que sanções à Rússia sejam divulgadas antes de possível invasão

Em entrevista à CNN, presidente da Ucrânia disse ainda que "esta é uma tragédia também para os russos, que costumavam ter boas relações com o país"

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky: as tensões atuais são "horríveis" e "uma tragédia para nossa nação, para nosso povo"
O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky: as tensões atuais são "horríveis" e "uma tragédia para nossa nação, para nosso povo" Ukrainian Presidency/Anadolu Agency/Getty Images

Emmet LyonsLauren Said-Moorhouseda CNN*

Ouvir notícia

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse neste sábado (19) que as sanções contra a Rússia devem ser tornadas públicas antes que ocorra uma possível invasão da Ucrânia, à medida que as tensões entre as nações ocidentais e a Rússia continuam a se intensificar.

Zelensky disse à âncora internacional chefe da CNN, Christiane Amanpour, em uma entrevista individual na Conferência de Segurança de Munique, que discordava da posição de que as sanções só deveriam ser listadas após uma possível invasão russa.

“A questão de apenas tornar isso público… apenas a lista de sanções, para eles, para nós, sabermos o que acontecerá se eles começarem a guerra – mesmo essa pergunta não tem apoio”, disse ele à CNN.

“Não precisamos de suas sanções depois que o bombardeio acontecer e depois que nosso país for alvejado ou depois que não tivermos fronteiras, ou depois que não tivermos economia… por que precisaríamos dessas sanções então?”

“Tivemos uma discussão há algum tempo com um dos líderes de um dos principais países e estávamos falando sobre a política de sanções… tínhamos uma visão diferente sobre como as sanções deveriam ser aplicadas quando a agressão russa acontecer”, disse Zelensky. “Então, quando você está perguntando, o que pode ser feito, bem, muitas coisas diferentes podem ser feitas. Podemos até fornecer uma lista. O mais importante é a disposição.

“Se você não pode nem divulgar o que acontecerá com quem se a guerra começar… duvido que seja desencadeada depois que acontecer”, acrescentou.

A conferência de segurança está ocorrendo enquanto o conflito entre a Rússia e a Ucrânia ameaça transbordar e os esforços diplomáticos param.

A Rússia vem reforçando seu controle militar em torno da Ucrânia desde o ano passado, acumulando dezenas de milhares de tropas, equipamentos e artilharia nas portas do país. A agressão provocou alertas de autoridades americanas de que uma invasão russa é iminente.

Quando perguntado sobre um potencial pretexto de bandeira falsa para a guerra com a Rússia, Zelensky disse a Amanpour que “qualquer provocação é muito perigosa”.

“Acho que a questão mais complicada é que na Crimeia, no território ocupado temporariamente do Donbas ao longo da Ucrânia e da Rússia, há 30 a 35.000 nos territórios de ocupação temporária… esse número de tropas. Um bombardeio, um tiro de canhão pode levar à guerra”, alertou Zelensky.

“Isto é o que nossos parceiros acreditam, quero dizer, os parceiros que estão ao nosso redor que se uniram às fronteiras conosco. Conhecemos a história da União Soviética e eles entendem o tipo de risco que estamos enfrentando. Polônia, países bálticos, Lituânia e Estônia, Letônia, Moldávia – eles sabem a que isso pode levar. Então, precisamos ter muito cuidado”, continuou ele.

Ele continuou dizendo que as baixas entre a Ucrânia e a Rússia foram mais significativas em 2014, mas admitiu que as tensões atuais são “horríveis” e “uma tragédia para nossa nação, para nosso povo”.

“Esta é a tragédia também para os russos, que costumavam ter boas relações com a Ucrânia”, acrescentou.

O presidente ucraniano disse à CNN que os parceiros da OTAN precisavam esclarecer um cronograma em que o país poderia se juntar à aliança militar.

“A Ucrânia precisa de garantias de segurança”, disse Zelensky. “Somos pessoas inteligentes, não temos mente fechada. Entendemos que há muitos riscos diferentes por causa da OTAN, não há consenso em torno de outros aliados, todo mundo está dizendo que há alguma distância que precisamos percorrer entre a Ucrânia e a OTAN que preciso andar. Tudo o que estamos dizendo é nos dizer quanto tempo leva para completar essa distância?”

Em comentários anteriores à conferência, Zelensky fez uma pergunta perguntando por que a Ucrânia não foi autorizada a ingressar na OTAN. “Disseram-nos que as portas estão abertas, mas os estranhos ainda não são permitidos”, disse ele.

Moscou vê o crescente apoio da Otan à Ucrânia – em termos de armamento, treinamento e pessoal – como uma ameaça à sua própria segurança. Putin também pediu acordos legais específicos que excluam qualquer expansão da Otan para o leste em direção às fronteiras da Rússia, dizendo que o Ocidente não cumpriu suas garantias verbais anteriores.
Amanpour também perguntou a Zelensky sobre o uso agressivo da inteligência dos EUA para dissuadir Putin de invadir a Ucrânia. Ele disse estar “agradecido pelo trabalho que a nossa inteligência tem feito. Mas a inteligência em que confio é a minha inteligência.

“Confio na inteligência ucraniana que… entende o que está acontecendo ao longo de nossas fronteiras, que tem diferentes fontes de inteligência e entende diferentes riscos com base em dados interceptados… essa informação deve ser usada.”

Ele continuou: “Nós não estamos realmente vivendo na ilusão. Nós entendemos o que pode acontecer amanhã… apenas nos colocarmos em caixões e esperar que soldados estrangeiros cheguem não é algo que estamos preparados para fazer.”

Zelensky então pediu aos parceiros internacionais que apoiassem a Ucrânia investindo no país. “Fortaleça nossas armas… nossa economia. Invista em nosso país. Traga seu negócio.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN