Enem 2020: Weintraub sugere adiar provas por 30 a 60 dias

Ministro da Educação pediu, em sua conta no Twitter, que os 4 milhões de estudantes inscritos para o exame sejam ouvidos

Da CNN Brasil, em São Paulo
20 de maio de 2020 às 11:08 | Atualizado 20 de maio de 2020 às 12:35

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, sugeriu nesta quarta-feira (20) que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 seja adiado por 30 a 60 dias. 

“Diante dos recentes acontecimentos no Congresso e conversando com líderes do centro, sugiro que o Enem seja adiado de 30 a 60 dias. Peço que escutem os mais de 4 milhões de estudantes já inscritos para a escolha da nova data de aplicação do exame”, escreveu ele em sua conta no Twitter. 

Na noite dessa terça-feira (19), o Senado aprovou, por 75 votos a 1, o adiamento da prova por tempo indeterminado em razão da pandemia do novo coronavírus. O tema ainda precisa passar pela Câmara. Dos 76 votos registrados, o único contrário ao adiamento do exame foi o do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Nesta manhã, ao deixar o Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou que vai esperar as discussões na Câmara dos Deputados antes do tomar uma decisão sobre a adiamento, e destacou que pretende ouvir quem vai fazer a prova.

Assista e leia também:
O Grande Debate: Enem 2020 deve ser adiado por causa da pandemia?
Deputados federais divergem sobre o adiamento do Enem por causa da pandemia
‘Quem se inscreveu que opine’, diz Weintraub sobre adiamento do Enem

“Adiar para quando? Opinião minha, primeiro vamos deixar o que diz a Câmara, os parlamentares. Uns querem adiar, outros não. Vamos esperar um pouquinho mais, está um pouquinho cedo”, respondeu a uma pessoa que questionou o presidente sobre o assunto.

Consulta aos estudantes

Na terça-feira, Weintraub disse no Twitter que iria fazer uma consulta aos inscritos no Enem para saber se os estudantes são favoráveis ao adiamento. A consulta seria feita no fim de junho por meio do site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), entidade do Ministério da Educação responsável pela prova.

Segundo o ministro, os inscritos são os “mais envolvidos, mais interessados” no Enem, portanto, deveriam opinar sobre a data. “Vamos perguntar para quem realmente está fazendo o Enem, deixar eles decidirem, pô”, falou. “Se a maioria topar adiar, a gente adia.”

Para Maria Inês Fini, ex-presidente do Inep, a prova já deveria ter sido adiada. "Já é muito tarde", disse ela. “O que vimos até agora é uma ausência de gestão da política educacional do Brasil", criticou.

Prova digital englobaria apenas 100 mil estudantes

Pelo calendário inicial do Ministério da Educação, as inscrições para a prova iriam até sexta-feira (22) e os exames seriam realizados em dois finais de semana de novembro: a versão tradicional nos dias 1 e 8, e a versão digital nos dias 22 e 29. 

A prova online seria uma forma de auxiliar os alunos em meio à pandemia, mas sua aplicação foi criticada principalmente por englobar apenas 100 mil estudantes. 

No último boletim divulgado para a imprensa, na segunda-feira (18), o Inep informou que 3.548.099 alunos haviam efetuado a inscrição, número superior em relação ao mesmo período de 2019, quando havia 3.506.173 inscritos.