Enem: Nenhuma prova pode ampliar e agravar injustiças, diz presidente da Andifes

João Carlos Salles defendeu o adiamento do Enem

Da CNN em São Paulo
20 de maio de 2020 às 13:18

O presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), João Carlos Salles, se posicionou a favor da suspensão do calendário da Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, em entrevista à CNN. Para o especialista, manter a data seria uma forma de 'ampliar disparidades entre os alunos', uma vez que as realidades entre eles são muito distintas no país. 

"O Enem hoje é uma prova decisiva para o acesso e é nosso dever, como autoridades da educação, o que fazer para diminuir dificuldades dos alunos, para que este acesso seja o mais democrático possível. A Andifes se posicionou a favor da suspensão do calendário e propondo um debate com as autoridades sanitárias e educacionais", explica. 

Leia também: 
Regina Duarte deixa comando da Secretaria de Cultura
'Protocolo da cloroquina é questionável e pressiona médicos', diz infectologista

"É fácil fazer a inscrição, outra coisa é estar se preparando. Esses grupos de alunos estão tendo as mesmas oportunidades de preparação ou estão tendo aulas? Não podemos perder de vista o fato de que vivemos uma calamidade pública, para que não possamos ter atitudes que possam estimular práticas indevidas, no ponto de vista sanitário. Nenhuma prova 'cura' desigualdades históricas, mas também nenhum certame pode ampliar e agravar estas injustiças. (...) No futuro, as atividades remotas devem sem melhor preparadas.", complementou Salles. 

O professor disse, ainda, que o adiamento da prova pode causar alguns efeitos colaterais e atribuiu a responsabilidade ao Ministério da Educação para que o diálogo seja permamente nesta fase. "Não podemos conviver com orientações desencontradas, é preciso elaborar procedimentos que favoreçam uma resposta unificada de todos os agentes neste momento", concluiu.

Adiamento

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, sugeriu nesta quarta-feira (20) que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 seja adiado por 30 a 60 dias

“Diante dos recentes acontecimentos no Congresso e conversando com líderes do centro, sugiro que o Enem seja adiado de 30 a 60 dias. Peço que escutem os mais de 4 milhões de estudantes já inscritos para a escolha da nova data de aplicação do exame”, escreveu ele em sua conta no Twitter. 

O Senado aprovou na noite de terça-feira (19), por 75 votos a 1, o adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) por tempo indeterminado devido à pandemia do novo coronavírus. O tema ainda precisa passar pela Câmara.